De pe­que­ni­no se tor­ce o olhar

Opticapro - - Ópticapro 165 Reportagem -

A Ad­mi­nis­tra­ção Re­gi­o­nal de Saú­de do Nor­te lan­çou em 2016 o pro­je­to­pi­lo­to de ras­treio vi­su­al in­fan­til gra­tui­to, des­ti­na­do a to­das as cri­an­ças com dois anos de ida­de, com re­pe­ti­ção en­tre os qua­tro e os cin­co anos. Os re­sul­ta­dos não dei­xa­ram mar­gem pa­ra dú­vi­das: 15% das cri­an­ças exa­mi­na­das re­ve­la­ram pro­ble­mas of­tal­mo­ló­gi­cos. Mais va­le pre­ve­nir do que re­me­di­ar, já diz o di­ta­do.

O ras­treio vi­su­al in­fan­til é fun­da­men­tal pa­ra de­te­tar even­tu­ais ano­ma­li­as na vi­são das cri­an­ças, a tem­po de as cor­ri­gir com su­ces­so. En­tre as mais pro­ble­má­ti­cas es­tão a am­bli­o­pia e o es­tra­bis­mo. Mui­tos pais não sa­bem ao cer­to qu­an­do le­var pe­la pri­mei­ra vez os seus fi­lhos ao of­tal­mo­lo­gis­ta ou a fa­zer exa­mes de op­to­me­tria, mas a ver­da­de é que o ras­treio de­ve ser re­pe­ti­do várias ve­zes an­tes dos 10 anos. Com a

supervisão do Mi­nis­té­rio da Saú­de, que co­lo­cou es­te pro­je­to co­mo uma pri­o­ri­da­de de in­ter­ven­ção, o ras­treio vi­su­al in­fan­til ar­ran­cou em qua­tro ACES da re­gião nor­te do país, pa­ra em 2017 se alar­gar a to­da a re­gião. Pa­ra já, se­gun­do Fer­nan­do Tavares, co­or­de­na­dor do pro­je­to da ARSN, es­tá pre­vis­to o alar­ga­men­to do pro­gra­ma a oi­to ACES da re­gião nor­te, pa­ra a médio pra­zo se alar­gar a to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. “Es­ta ini­ci­a­ti­va vem de en­con­tro ao que es­tá pre­vis­to na con­ven­ção de saú­de, ou se­ja, dar mais ele­va­ção à com­po­nen­te da vi­são em Por­tu­gal. A área de in­ter­ven­ção pre­co­ce é fun­da­men­tal pa­ra as nos­sas cri­an­ças, que se re­fle­ti­rá no seu fu­tu­ro”, de­cla­rou o es­pe­ci­a­lis­ta à Óp­ti­caP­ro. “Ain­da não te­mos os re­sul­ta­dos fi­nais, mas pos­so adi­an­tar que 15% dos exa­mes de­mons­tra­ram pro­ble­mas sé­ri­os de vi­são. Ora, com um di­ag­nós­ti­co pre­co­ce é pos­sí­vel re­sol­ver de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções. Es­te ras­treio de saú­de re­ves­te­se pois de um enor­me su­ces­so”. Os pri­mei­ros anos de vi­da são marcados por al­te­ra­ções im­por­tan­tes ao ní­vel da vi­são. Em­bo­ra o processo se pro­lon­gue pe­la ju­ven­tu­de e ado­les­cên­cia, al­gu­mas do­en­ças ocu­la­res po­dem dei­xar le­sões ir­re­pa­rá­veis se não fo­rem tra­ta­das atem­pa­da­men­te. A par­tir dos 11 anos de ida­de, o ris­co di­mi­nui, da­do a vi­são co­me­çar­se a com­por­tar co­mo a de um adul­to. O es­tra­bis­mo e a am­bli­o­pia são al­gu­mas das ano­ma­li­as mais pro­ble­má­ti­cas nas cri­an­ças, sen­do que a am­bli­o­pia po­de mesmo ser pro­vo­ca­da pelo es­tra­bis­mo. A hi­per­me­tro­pia, o as­tig­ma­tis­mo e a mi­o­pia po­dem também pro­vo­car a am­bli­o­pia, ca­so não sejam tra­ta­dos atem­pa­da­men­te. Es­ta é mais uma ra­zão pa­ra a im­por­tân­cia da re­a­li­za­ção do ras­treio vi­su­al nos pe­río­dos re­fe­ri­dos. Se­gun­do o of­tal­mo­lo­gis­ta Wal­ter Ro­dri­gues, “é ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te des­pis­tar cer­tas pa­to­lo­gi­as, o que só se con­se­gue com o ras­treio in­fan­til, ex­tre­mis­mos pre­co­ces que as cri­an­ças pos­sam ter. Há de­ter­mi­na­dos ca­sos que te­nho acompanhado que po­dem le­var a ca­sos de am­bli­o­pia gra­ves. Ora, com o ras­treio, de­ter­mi­na­das pa­to­lo­gi­as po­dem ser tra­ta­das na sua fa­se ini­ci­al, o que é es­sen­ci­al pa­ra o bom de­sen­vol­vi­men­to do olho e do pró­prio cé­re­bro. De­te­ta­do a tem­po, po­de­mos eli­mi­nar o efei­to de­no­mi­na­do de “olho pre­gui­ço­so”. Es­tes exa­mes são fun­da­men­tais, to­dos os pais se de­vem cons­ci­en­ci­a­li­zar dis­so. Por al­gu­ma ra­zão é uma das pri­o­ri­da­des do Mi­nis­té­rio da Saú­de nes­te âm­bi­to”, acres­cen­tou Wal­ter. Ma­til­de San­tos, mãe de três cri­an­ças en­tre os 3 e os 10 anos, foi sem­pre mui­to aten­ta à vi­são dos fi­lhos e, por is­so, con­se­guiu de­te­tar de for­ma pre­co­ce a mi­o­pia da fi­lha do meio, Ali­ce, de 7 anos. “Não foi atra­vés de um ras­treio que per­ce­bi que a mi­nha fi­lha via mal, mas acho de lou­var es­ta ações. Nem sem­pre as cri­an­ças se qu­ei­xam e nem sem­pre os pais se aper­ce­bem que al­go es­tá mal, por is­so, se hou­ver pro­fis­si­o­nais a aju­dar nes­sa ta­re­fa é ex­ce­len­te”, diz a pro­fes­so­ra do en­si­no bá­si­co. E acon­se­lha: “Com os olhos não se brin­ca e é de pe­que­ni­no que se aju­da a que pe­que­nos pro­ble­mas não se tor­nem ca­sos mais sé­ri­os”. Quais os si­nais de alerta é uma das prin­ci­pais per­gun­tas que os pais co­lo­cam aos mé­di­cos of­tal­mo­lo­gis­tas. Se­gun­do o op­to­me­tris­ta Luís Alves, “o im­por­tan­te é ter aten­ção se as

cri­an­ças se apro­xi­mam mui­to da te­le­vi­são, se os olhos es­tão ali­nha­dos, se têm os olhos fre­quen­te­men­te ver­me­lhos ou a la­cri­me­jar, ou mesmo se sen­tem se os seus fi­lhos têm pro­ble­mas de con­cen­tra­ção. A par­tir des­tes sin­to­mas não de­vem he­si­tar: é fun­da­men­tal um exa­me of­tal­mo­ló­gi­co”. As ex­pe­ri­ên­ci­as-pi­lo­to de ras­treio de saú­de vi­su­al in­fan­til irão ser alar­ga­das es­te ano a to­da a re­gião nor­te, se­gun­do Fer­nan­do Tavares. “Es­te mo­de­lo de cui­da­dos de saú­de pri­má­ri­os é de uma im­por­tân­cia ex­tre­ma pa­ra os of­tal­mo­lo­gis­tas que to­mam pos­te­ri­or­men­te um ve­re­di­to no sen­ti­do de mar­car uma consulta es­pe­ci­a­li­za­da. Os da­dos que te­mos até ago­ra dão-nos a ga­ran­tia que vão re­sol­ver os pro­ble­mas de mui­tas cri­an­ças e is­so é o mais im­por­tan­te de tu­do. Sem es­te ras­treio is­so não se­ria pos­sí­vel”. O su­ces­so des­te pro­je­to-pi­lo­to é tal que, se­gun­do o seu co­or­de­na­dor, se irá alar­gar mais ce­do ou mais tar­de a to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. “Há uma com­po­nen­te tec­no­ló­gi­ca que tem de ser fei­ta, mas jul­go que as ba­ses es­tão cri­a­das. Os re­sul­ta­dos são bas­tan­te ani­ma­do­res”, con­cluiu Fer­nan­do Tavares. As ex­pe­ri­ên­ci­as-pi­lo­to que ar­ran­ca­ram com es­tes ras­trei­os fo­ram re­a­li­za­das nos agru­pa­men­tos de cen­tros de saú­de do Porto Oci­den­tal, Porto Ori­en­tal, Gon­do­mar, Maia e Va­lon­go, com a co­la­bo­ra­ção da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia. In­te­gram ain­da es­tes pro­je­tos o Cen­tro Hos­pi­ta­lar de São João e o Cen­tro Hos­pi­ta­lar do Porto.

Fer­nan­do Tavares

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.