Story­tel­ling – É um con­ta­dor de his­tó­ri­as?

Opticapro - - Opinião - Miguel Al­ves Con­tac­to: brand­new­mar­ke­ting@ou­tlo­ok.com

Co­me­ço o ar­ti­go des­te mês a fa­zer-lhe per­gun­ta: É um bom con­ta­dor de his­tó­ri­as?

Es­tou cer­to que tem imen­sas his­tó­ri­as pa­ra con­tar e, nor­mal­men­te, gos­ta de as par­ti­lhar com os seus ami­gos. Mas quan­do es­tá em fren­te ao seu cli­en­te con­ta-lhe uma his­tó­ria? En­vol­ve- o no es­pí­ri­to da mar­ca que es­tá a co­mer­ci­a­li­zar e fá-lo sen­tir co­mo se já es­ti­ves­se a usar o pro­du­to que lhe apre­sen­ta? Trans­por­ta- o pa­ra um pa­ta­mar su­pe­ri­or de fas­cí­nio e de­se­jo de aqui­si­ção? Se não o faz, pe­ço-lhe que con­ti­nue a ler. Se já o faz, pe­ço-lhe igual­men­te que leia, pois po­de­rá ter no­vas fer­ra­men­tas pa­ra con­ti­nu­ar. A es­te ac­to de con­tar his­tó­ri­as cha­ma-se story­tel­ling! Uma das coi­sas mais an­ti­gas do mun­do e que por ve­zes fi­ca es­que­ci­da. Atra­vés da téc­ni­ca de story­tel­ling em ven­das, é pos­sí­vel cri­ar um am­bi­en­te fas­ci­nan­te que le­va­rá o cli­en­te a acei­tar a nossa pro­pos­ta. No en­tan­to, con­tar uma his­tó­ria tem re­gras que de­vem ser ti­das em con­si­de­ra­ção.

1. Fa­lar não che­ga, mos­tre!

Uma ima­gem vale mais do que 1000 pa­la­vras. Ilus­tre o que ver­ba­li­za com a de­mons­tra­ção, por exem­plo, das van­ta­gens do seu pro­du­to.

2. Cons­trua um bom guião.

To­da a his­tó­ria tem de ter um co­me­ço, um meio e um fim. Crie a en­vol­vên­cia ne­ces­sá­ria, mas per­mi­ta que o cli­en­te en­ten­da a ló­gi­ca se­quen­ci­al da his­tó­ria.

3. Fa­ça uso de um diá­lo­go re­a­lis­ta e o mais na­tu­ral pos­sí­vel.

Não en­fei­te mui­to a his­tó­ria com pa­la­vras re­bus­ca­das que não cos­tu­ma usar fre­quen­te­men­te no seu dia-a- dia e mui­to me­nos que não se­jam ade­qua­das ao seu in­ter­lo­cu­tor. O cli­en­te po­de per­der fa­cil­men­te o foco e per­ce­ber a fal­ta de na­tu­ra­li­da­de no que es­tá sen­do di­to.

4. Re­cor­ra a ex­pres­sões e/ou ges­tos que pro­vo­quem a ima­gi­na­ção e os sen­ti­dos.

O pro­du­to que vo­cê ven­de tem aro­ma, emi­te sons ou ima­gens? Mo­ve-se? Pro­mo­ve al­gum re­sul­ta­do que se­ja

ma­te­ri­al? Uti­li­ze to­dos os ele­men­tos pa­ra ex­ci­tar o seu cli­en­te. Es­ta téc­ni­ca de­sem­pe­nha o pa­pel pri­mor­di­al de ape­lar aos sen­ti­dos do seu in­ter­lo­cu­tor.

5. Apro­vei­te os gan­chos e pro­mo­va as su­as pró­pri­as “dei­xas”.

Pres­te aten­ção ao que o seu cli­en­te diz e ten­te uti­li­zar es­sas in­for­ma­ções co­mo um gan­cho pa­ra en­ri­que­cer a sua his­tó­ria. Des­ta for­ma o cli­en­te vai sen­tir que se es­ta­be­le­ceu uma li­ga­ção for­te en­tre am­bos e que vo­cê en­ten­de per­fei­ta­men­te as su­as ne­ces­si­da­des. Sem­pre que opor­tu­no dê uma dei­xa pa­ra que o cli­en­te con­ti­nue a con­ver­sa. Story­tel­ling é mais in­te­res­san­te e efi­caz se for um diá­lo­go.

6. Ter­mi­ne de uma for­ma na­tu­ral e po­si­ti­va

No fi­nal do pro­ces­so de ven­das, o cli­en­te de­ve sen­tir-se sa­tis­fei­to e con­fi­an­te. De­ve ter to­das as dú­vi­das ti­ra­das e a con­vic­ção que fez a melhor opção, mes­mo ha­ven­do ou­tras al­ter­na­ti­vas no mer­ca­do. Ago­ra que par­ti­lhei con­si­go um pou­co de co­mo o story­tel­ling po­de ser usa­do nas ven­das, es­pe­ro que con­te mui­tas his­tó­ri­as e as su­as ven­das se­jam ain­da me­lho­res. Des­pe­ço-me com amizade, Até bre­ve!

Es­te ar­ti­go foi es­cri­to sem o re­cur­so ao no­vo acor­do or­to­grá­fi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.