Có­di­go De­on­to­ló­gi­co do Jor­na­lis­ta

Opticapro - - Sumário -

1.

O jor­na­lis­ta de­ve re­la­tar os fac­tos com ri­gor e exa­ti­dão e in­ter­pre­tá-los com ho­nes­ti­da­de. Os fac­tos de­vem ser com­pro­va­dos, ou­vin­do as par­tes com in­te­res­ses aten­dí­veis no ca­so. A dis­tin­ção en­tre no­tí­cia e opi­nião de­ve fi­car bem cla­ra aos olhos do pú­bli­co.

2.

O jor­na­lis­ta de­ve com­ba­ter a cen­su­ra e o sen­sa­ci­o­na­lis­mo e con­si­de­rar a acu­sa­ção sem pro­vas e o plá­gio co­mo gra­ves fal­tas pro­fis­si­o­nais.

3.

O jor­na­lis­ta de­ve lu­tar con­tra as res­tri­ções no aces­so às fon­tes de in­for­ma­ção e as ten­ta­ti­vas de li­mi­tar a li­ber­da­de de ex­pres­são e o di­rei­to de in­for­mar. É obri­ga­ção do jor­na­lis­ta di­vul­gar as ofen­sas a es­tes di­rei­tos.

4.

O jor­na­lis­ta de­ve uti­li­zar mei­os le­gais pa­ra ob­ter in­for­ma­ções, ima­gens ou do­cu­men­tos e proi­bir-se de abu­sar da boa-fé de quem quer que se­ja. A iden­ti­fi­ca­ção co­mo jor­na­lis­ta é a regra e ou­tros pro­ces­sos só po­dem jus­ti­fi­car-se por ra­zões de in­con­tes­tá­vel in­te­res­se pú­bli­co.

5.

O jor­na­lis­ta de­ve as­su­mir a res­pon­sa­bi­li­da­de por to­dos os seus tra­ba­lhos e atos pro­fis­si­o­nais, as­sim co­mo pro­mo­ver a pron­ta re­ti­fi­ca­ção das in­for­ma­ções que se re­ve­lem ine­xa­tas ou fal­sas. O jor­na­lis­ta de­ve tam­bém re­cu­sar atos que vi­o­len­tem a sua cons­ci­ên­cia.

6.

O jor­na­lis­ta de­ve usar co­mo critério fun­da­men­tal a iden­ti­fi­ca­ção das fon­tes. O jor­na­lis­ta não de­ve re­ve­lar, mes­mo em juí­zo, as su­as fon­tes con­fi­den­ci­ais de in­for­ma­ção, nem des­res­pei­tar os com­pro­mis­sos as­su­mi­dos, ex­ce­to se o ten­ta­rem usar pa­ra ca­na­li­zar in­for­ma­ções fal­sas. As opi­niões de­vem ser sem­pre atri­buí­das.

7.

O jor­na­lis­ta de­ve sal­va­guar­dar a pre­sun­ção de ino­cên­cia dos ar­gui­dos até a sen­ten­ça tran­si­tar em jul­ga­do. O jor­na­lis­ta não de­ve iden­ti­fi­car, di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te, as ví­ti­mas de cri­mes se­xu­ais e os de­lin­quen­tes me­no­res de idade, as­sim co­mo de­ve proi­bir-se de hu­mi­lhar as pes­so­as ou per­tur­bar a sua dor.

8.

O jor­na­lis­ta de­ve re­jei­tar o tra­ta­men­to dis­cri­mi­na­tó­rio das pes­so­as em fun­ção da cor, ra­ça, cre­dos, na­ci­o­na­li­da­de, ou se­xo.

9.

O jor­na­lis­ta de­ve res­pei­tar a pri­va­ci­da­de dos ci­da­dãos ex­ce­to quan­do es­ti­ver em cau­sa o in­te­res­se pú­bli­co ou a con­du­ta do in­di­ví­duo con­tra­di­ga, ma­ni­fes­ta­men­te, va­lo­res e prin­cí­pi­os que pu­bli­ca­men­te de­fen­de. O jor­na­lis­ta obri­ga-se, an­tes de re­co­lher de­cla­ra­ções e ima­gens, a aten­der às con­di­ções de se­re­ni­da­de, li­ber­da­de e res­pon­sa­bi­li­da­de das pes­so­as en­vol­vi­das.

10.

O jor­na­lis­ta de­ve re­cu­sar fun­ções, ta­re­fas e be­ne­fí­ci­os sus­ce­tí­veis de com­pro­me­ter o seu es­ta­tu­to de in­de­pen­dên­cia e a sua in­te­gri­da­de pro­fis­si­o­nal. O jor­na­lis­ta não de­ve va­ler-se da sua condição pro­fis­si­o­nal pa­ra no­ti­ci­ar as­sun­tos em que te­nha in­te­res­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.