CCVO apre­sen­ta no­vas co­le­ções pa­ra atin­gir no­vos mer­ca­dos

Cer­ca de 40 óti­cos tro­ca­ram o con­for­to do so­fá num sá­ba­do chu­vo­so pa­ra co­nhe­ce­rem as no­vas pro­pos­tas da cen­tral de com­pras CCVO, num ho­tel dos ar­re­do­res de Lisboa. Quem com­pa­re­ceu não deu o seu tem­po por per­di­do.

Opticapro - - Reportagem -

O con­cei­to é mui­to sim­ples: sim­pli­fi­car o ne­gó­cio dos óti­cos. Pa­ra os par­cei­ros da CCVO, as van­ta­gens são di­ver­sas, des­de os pre­ços mui­to com­pe­ti­ti­vos às so­lu­ções di­fe­ren­ci­a­do­ras. No fun­do é adap­tar a ló­gi­ca da sim­pli­ci­da­de ao se­tor. Miguel Al­ves, di­re­tor de mar­ke­ting e ven­das, tra­çou à Óp­ti­caP­ro os ob­je­ti­vos do even­to: “dar a co­nhe­cer que

na CCVO há so­lu­ções pa­ra além do que é ha­bi­tu­al se ve­ri­fi­car no se­tor. Is­to é, que­re­mos mos­trar aos nossos cli­en­tes que po­dem ter o seu tra­ba­lho fa­ci­li­ta­do, nes­te mer­ca­do tão con­cor­ren­ci­al. Em vez de te­rem uma gran­de va­ri­e­da­de de for­ne­ce­do­res po­dem op­tar por tra­ba­lhar em parceria con­nos­co, pois te­mos tu­do o que é ne­ces­sá­rio. Cos­tu­mo di­zer que, com a CCVO, se po­de abrir uma óti­ca. Te­mos ar­ma­ções de mar­cas in­ter­na­ci­o­nais em re­gi­me de ex­clu­si­vi­da­de, o mai­or por­te­fó­lio da Eu­ro­pa de len­tes of­tál­mi­cas, uten­sí­li­os e con­su­mí­veis de ofi­ci­na, con­sul­tó­ri­os de op­to­me­tria en­tre ou­tros. Pa­ra além das for­tes par­ce­ri­as que nos per­mi­tem ofe­re­cer aos nossos cli­en­tes aqui­lo de que ne­ces­si­tam. Pas­sa­dos es­tes três anos de su­ces­so, che­gou a ho­ra de dar­mos o pas­so se­guin­te”, afir­mou com uma con­fi­an­ça só­li­da no pro­je­to. Aos pou­cos e pou­cos, os par­cei­ros da cen­tral de com­pras iam che­gan­do, re­ce­bi­dos com cor­di­a­li­da­de e sim­pa­tia pe­los res­pon­sá­veis da em­pre­sa. O am­bi­en­te in­for­mal re­ve­la­va o pró­prio es­pí­ri­to da CCVO e uma das ba­ses do cres­ci­men­to sus­ten­ta­do. Pa­ra Miguel Al­ves e João Pinto, um dos sócios da em­pre­sa, é o es­pí­ri­to de união que faz a for­ça do pro­je­to que te­ve ori­gem nu­ma con­ver­sa en­tre ami­gos. “Atu­al­men­te te­mos mais de 300 cli­en­tes, mas que­re­mos ra­pi­da­men­te che­gar aos 500”, afir­mou Miguel Al­ves. Já João Pinto não quis dei­xar de re­fe­rir que “é do sen­so co­mum que em gru­po é mui­to mais van­ta­jo­so com­prar, e quem se as­so­cia a nós tem con­di­ções co­mer­ci­ais à sua me­di­da”. A prin­ci­pal no­vi­da­de de hoje é a apre­sen­ta­ção da no­va co­le­ção da Vis­tan, a Vis­tan Charms. Es­ta co­le­ção tem a par­ti­cu­la­ri­da­de de se con­fi­gu­rar num du­plo de ne­gó­cio. Ou se­ja, pa­ra além da ven­da das ar­ma­ções e ócu­los de sol em si mes­mo, o óti­co po­de­rá co­mer­ci­a­li­zar em se­pa­ra­do os “charms” (em­be­le­za­do­res) em for­ma de co­le­ci­o­nis­mo. Es­te con­cei­to per­mi­ti­rá au­men­tar o flu­xo de cli­en­tes nas óti­cas. Quem não gos­ta de ter ócu­los di­fe­ren­tes to­dos os di­as?”, fi­na­li­zou Miguel Al­ves. A CCVO, em fa­se de evo­lu­ção sus­ten­ta­da e com ob­je­ti­vos cla­ros de alar­ga­men­to e con­so­li­da­ção no mer­ca­do na­ci­o­nal, não

es­con­de, atra­vés dos seus re­pre­sen­tan­tes, que o fu­tu­ro pas­sa­rá a mé­dio pra­zo pe­la internacionalização. “Já te­mos cli­en­tes in­ter­na­ci­o­nais, es­pe­ci­al­men­te em paí­ses de lín­gua ofi­ci­al por­tu­gue­sa”, afir­mou Cláu­dia Pas­sa­ri­nho. O cres­ci­men­to no se­tor só tem si­do pos­sí­vel gra­ças a uma es­tra­té­gia bem de­li­ne­a­da, on­de os fa­to­res cha­ve de su­ces­so as­sen­tam na ino­va­ção, ri­gor e pro­fis­si­o­na­lis­mo. Além da co­mer­ci­a­li­za­ção de pro­du­tos óti­cos, a cen­tral pos­sui uma ofi­ci­na es­pe­ci­a­li­za­da li­de­ra­da pe­lo técnico Nu­no Rodrigues, que já con­ta com mais de 15 anos de ex­pe­ri­ên­cia. A for­ma­ção tam­bém é uma das áre­as on­de a CCVO tem vin­do a apos­tar, no­me­a­da­men­te ao ní­vel da con­tac­to­lo­gia, op­to­me­tria, ofi­ci­na e ven­das/aten­di­men­to. “Es­tes são os ar­gu­men­tos que nos têm pro­por­ci­o­na­do es­te cres­ci­men­to e nos fa­zem ter con­fi­an­ça no fu­tu­ro, até por­que mui­to em bre­ve te­re­mos no­vi­da­des. Ire­mos adi­ci­o­nar ao nos­so por­te­fó­lio de ar­ma­ções e ócu­los de sol uma no­va mar­ca li­ga­da a uma figura em­ble­má­ti­ca do pa­no­ra­ma in­ter­na­ci­o­nal”, acres­cen­tou João Pinto. E, em jei­to de finalização, João Pinto, Cláu­dia Pas­sa­ri­nho, Miguel Al­ves, Nu­no Rodrigues e Car­la Rosa dei­xa­ram a sua fra­se-guia: “so­zi­nhos va­mos mais rá­pi­do, mas jun­tos va­mos mais lon­ge!”.

Car­la Rosa, Nu­no Rodrigues, Cláu­dia Pas­sa­ri­nho, Miguel Al­ves e João Pinto

Pau­lo Cer­dei­ra e Miguel Al­ves

Car­la Rosa e Luís Reis

Gra­ça Ma­ria, Fer­nan­do Sa­la­zar e Cláu­dia Gu­e­des

Ví­tor Cruz

Ma­ria de Lur­des Gi­gan­te e Mi­ri­am Gi­gan­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.