O fa­bu­lo­so des­ti­no das mar­cas in­de­pen­den­tes

Opticapro - - Reportagem -

Et­nia Bar­ce­lo­na, Ca­ro­li­ne Abram, Di­ta, Ka­le­os, Thi­er­ry Lasry, Haw­kers, Ky­me, Ir­re­sis­tor, An­ne & Va­len­tin, Mos­cot, Round­ten, Gen­tle Mons­ter, Pro­jekt Pro­dukt, Fakby­fak, Vinyl Fac­tory, Pawa­ka, Gar­ret Leight... são só al­guns exem­plos do am­plo uni­ver­so das mar­cas de ócu­los in­de­pen­den­tes que tes­te­mu­nham o gran­de cres­ci­men­to des­te ni­cho nos úl­ti­mos cin­co/se­te anos. A Óp­ti­caP­ro pro­cu­rou, com a aju­da de Ma­rio Tor­re, as ex­pli­ca­ções pa­ra ta­ma­nho fe­nó­me­no na úl­ti­ma dé­ca­da. Mas, an­tes, tra­ça­mos um re­se­nha his­tó­ri­ca da in­dús­tria óti­ca mo­der­na.

Os gran­des gru­pos clás­si­cos da in­dús­tria óti­ca nas­ce­ram na pro­vín­cia de Bel­lu­noCa­do­re (Itá­lia) en­tre os anos 30/40 e os anos 70 do sé­cu­lo passado. Com o vi­rar do sé­cu­lo, no­me­a­da­men­te en­tre os anos 90 e 2000, sur­giu a internacionalização das em­pre­sas mul­ti­na­ci­o­nais. A Lu­xot­ti­ca (cri­a­da em 1961 da LDV) abriu 20 fi­li­ais em ape­nas 10 anos, es­tan­do des­de 1995 a en­trar no mun­do do re­tail (a com­pra da LensC­raf­ters foi o início do im­pé­rio do re­ta­lho que re­pre­sen­ta hoje ce­ra de 65% da fa­tu­ra­ção do gru­po). A Sà­fi­lo (fa­mí­lia Ta­bac­chi, 1934), a De Ri­go (fa­mí­lia De Ri­go, 1978) e a Mar­co­lin (fa­mí­lia Mar­co­lin, 1961) se­gui­ram o mes­mo

caminho in­ter­na­ci­o­nal, cri­an­do em con­jun­to o “POLO Bel­lu­ne­se” das qua­tro mul­ti­na­ci­o­nais da in­dús­tria ita­li­a­na. Ob­vi­a­men­te que a tra­di­ção do fa­bri­co óti­co eu­ro­peu não po­de cin­gir-se ape­nas à ex­pe­ri­ên­cia da in­dús­tria ita­li­a­na. Sur­gi­ram tam­bém em­pre­sas his­tó­ri­cas e pres­ti­gi­a­das em França, prin­ci­pal­men­te no dis­tri­to dos Ju­ras, co­mo a ve­te­ra­na L’AMY (1810) ou a Mo­rel (1880); na tec­no­ló­gi­ca Alemanha, com a Ro­dens­tock (1870), a Men­rad (1896), a Es­chen­ba­ch (1913); e na Áus­tria, com a Si­lhou­et­te (1961)... ape­nas pa­ra ci­tar al­gu­mas das pro­ta­go­nis­tas. Po­rém, as qua­tro ita­li­a­nas fo­ram as que mais cres­ce­ram, com­bi­nan­do o de­sen­vol­vi­men­to in­ter­na­ci­o­nal (re­de de fi­li­ais mun­di­ais e agen­tes ex­clu­si­vos) e uma dis­tri­bui­ção de pro­du­tos atra­vés de acor­dos de li­cen­ça com as mai­o­res grif­fes de ten­dên­cia da mo­da ita­li­a­na e in­ter­na­ci­o­nal (Ar­ma­ni, Di­or, Guc­ci, Pra­da, Cha­nel, Fen­di, Va­len­ti­no, Tom Ford, etc.). Os óti­cos de to­do o mun­do pu­de­ram re­ce­ber e dis­tri­buir as mar­cas de mo­da mais de­se­ja­das pe­lo pú­bli­co a ní­vel mun­di­al. As em­pre­sas ita­li­a­nas cres­ce­ram mui­to por meio des­te fe­nó­me­no e, con­se­quen­te­men­te, os óti­cos apro­vei­ta­ram es­ta “boa on­da” e fi­ze­ram óti­mos ne­gó­ci­os, du­pli­can­do os seus vo­lu­mes de ven­das. Em 1995, a Lu­xot­ti­ca vol­tou a an­te­ci­par­se su­por­tan­do o cres­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal com a com­pra de mar­cas lí­de­res, co­mo RayBan, Per­sol e Oa­kley. Es­ta es­tra­té­gia vi­ra­da pa­ra as hou­se brands, em con­jun­to com a sua ex­pan­são no re­tail, per­mi­tiu uma ace­le­ra­ção na úl­ti­ma dé­ca­da, al­can­çan­do os 8.000 milhões de fa­tu­ra­ção anu­al. A úl­ti­ma “jo­ga­da de mes­tre” foi a fu­são com ou­tro co­los­so, a mar­ca fran­ce­sa de len­tes Es­si­lor, uma união de 50 bi­liões de eu­ros, pa­ra cri­ar um polo de fa­tu­ra­ção de 15 bi­liões já em 2017. As res­tan­tes mul­ti­na­ci­o­nais ita­li­a­nas não se de­di­ca­ram tão for­te­men­te ao shop­ping dei­xan­do de la­do a opor­tu­ni­da­de de po­ten­ci­ar o por­te­fó­lio das hou­se brands (ex­ce­to a Sà­fi­lo, com as com­pras da Car­re­ra e da Po­la­roid, e a De Ri­go Vi­si­on, com a Loz­za) e pre­fe­rin­do de­di­car­se ao li­cen­ci­a­men­to de mar­cas de mo­da que têm mui­ta pro­cu­ra. Mais, dos EUA che­ga um player mui­to or­ga­ni­za­do: a Mar­chon, o úni­co gru­po mul­ti­na­ci­o­nal que com­pe­te di­re­ta­men­te com o polo das qua­tro em­pre­sas de Ve­ne­to. En­tre­tan­to, em 2015, sur­ge um fe­nó­me­no pa­ra­le­lo, ou se­ja, a en­tra­da dos pro­pri­e­tá­ri­os das grif­fes de mo­da no campo com­pe­ti­ti­vo. Em 2014, quan­do se anun­ci­ou a cri­a­ção da Ke­ring Eyewe­ar, os es­pe­ci­a­lis­tas fa­la­ram de re­vo­lu­ção eyewe­ar. Hoje, o gru­po Ke­ring dis­tri­bui di­re­ta­men­te as su­as mar­cas e tu­do in­di­ca que o co­los­so LVMH, com uma par­ti­ci­pa­ção im­por­tan­te na ita­li­a­na Mar­co­lin, irá se­guir o mes­mo caminho.

Os mer­ca­dos das mar­cas in­de­pen­den­tes

Abriu-se pois uma la­cu­na no mer­ca­do: o es­pa­ço pa­ra ex­pe­ri­men­tar no­vas cri­a­ções. Os gru­pos ita­li­a­nos ex­pan­di­am-se in­ter­na­ci­o­nal­men­te e com acor­dos de li­cen­ça, mas não se des­ta­ca­vam cri­a­ti­va­men­te. Foi aqui que sur­gi­ram opor­tu­ni­da­des pa­ra pe­que­nas no­vas mar­cas in­de­pen­den­tes que an­tes nin­guém co­nhe­cia e que atu­al­men­te to­dos que­rem ter. O pa­no­ra­ma

e po­ten­ci­al atu­al das mar­cas in­de­pen­den­tes é enor­me e mui­to fas­ci­nan­te. Co­mo re­fe­riu à Óp­ti­caP­ro Ma­rio Tor­re, hoje con­sul­tor co­mer­ci­al e de mar­ke­ting do se­tor eyewe­ar de­pois de uma gran­de ex­pe­ri­ên­cia in­ter­na­ci­o­nal com em­pre­sas des­te se­tor: “O mun­do das mar­cas in­de­pen­den­tes foi-se de­sen­vol­ven­do sur­pre­en­den­te­men­te nos úl­ti­mos 10 anos. An­tes o do­mí­nio era ex­clu­si­vo dos gran­des gru­pos e ha­via pou­cas exceções. Al­guns pi­o­nei­ros co­mo Alain Mi­kli, Lind­berg e Theo co­me­ça­ram a en­trar mais for­te­men­te nas óti­cas, cri­an­do a pro­cu­ra pe­lo pro­du­to com de­sign. Que não ha­ja dú­vi­das: fo­ram os óti­cos que per­mi­ti­ram es­ta pe­que­na re­vo­lu­ção com a sua vi­são pros­pe­ti­va e a pro­cu­ra por pro­du­tos van­guar­dis­tas”. A par de al­gu­mas in­síg­ni­as his­tó­ri­cas, co­mo Mos­cot (1915), La Font (1923), Lind­berg (1961), Si­lhou­et­te (1964), Alain Mi­kli (1978) e Theo (1987), fo­ram vá­ri­as as mar­cas in­de­pen­den­tes que se des­ta­ca­ram a ní­vel mun­di­al ao lon­go dos úl­ti­mos anos. Segundo Ma­rio Tor­re, sen­do uma ca­te­go­ria al­ta­men­te di­nâ­mi­ca, é hoje im­pos­sí­vel (fe­liz­men­te) cri­ar o elen­co com­ple­to das mar­cas in­de­pen­den­tes a ní­vel mun­di­al. “Po­de­mos ten­tar fa­zer um exer­cí­cio teó­ri­co, se­le­ci­o­nan­do al­gu­mas pe­lo mer­ca­do cri­a­ti­vo de ori­gem, no­me­a­da­men­te:

a) Nór­di­co, um dos pi­o­nei­ros na ten­dên­cia com um de­sign li­ne­ar, com mar­cas co­mo Pro­de­sign, Bel­lin­ger, An­na Ka­rin Karls­son, Ni­ne; b) Ame­ri­ca­no, vin­ta­ge e con­sis­ten­te: Di­ta, Ch­ro­me He­arts, Bar­ton Per­rei­ra, Ana Hick­mann; c) Ale­mão, pri­vi­le­gia a adi­ção do me­tal ul­tra-li­gei­ro: My­ki­ta, Ic! Ber­lin, Mar­kus T; d) Fran­cês, cri­a­ti­vo, ele­gan­te, re­fi­na­do: An­ne & Va­len­tin, Ca­ro­li­ne Abram, Thi­er­ry Lasry; e) Ita­li­a­no, mui­to di­nâ­mi­co e va­ri­a­do: Ky­me, LGR, JP­lus, Black­fin; f) Es­pa­nhol, com um polo cri­a­ti­vo im­por­tan­te em Bar­ce­lo­na: Et­nia, Ka­le­os, Round­ten, Xa­vi­er Gar­cía, Lool; o re­cen­te fe­nó­me­no on­li­ne da Haw­kers que, des­de El­che (Ali­can­te), se ex­pan­de por to­do o mun­do; g) Asiá­ti­co, sur­pre­en­den­te, trans­gres­si­vo, tec­no­ló­gi­co: Pro­jekt Pro­dukt, Ir­re­sis­tor, Ma­su­na­ga, Gen­tle Mons­ter, Pawa­ka; h) Bri­tâ­ni­co, com um estilo clás­si­co e per­sis­ten­te: Cu­tler and Gross, Wil­li­am Mor­ris, Vic­to­ria Beckham, Lin­da Far­row.

É um mé­to­do que des­va­lo­ri­za e sim­pli­fi­ca a ten­ta­ti­va de atri­buir clas­si­fi­ca­ções, se bem

que po­de­rá ser útil pa­ra tra­çar um pa­no­ra­ma se­to­ri­al”. As mar­cas in­de­pen­den­tes, segundo Ma­rio Tor­re, re­pre­sen­tam per­fei­ta­men­te “o es­pí­ri­to li­vre do de­sign e das idei­as cri­a­ti­vas, se­ja qual for a ori­gem do pro­du­to. Os de­sig­ners des­tas mar­cas são, mui­tas ve­zes, glo­be­trot­ters mun­di­ais que re­vi­si­tam com olhos de no­vi­da­de a tra­di­ção das óti­cas; ou­tras ve­zes são vi­si­o­ná­ri­os ou, sim­ples­men­te, im­põem uma cha­ve mo­der­na um con­cei­to clás­si­co. Uma coi­sa é cer­ta: os óti­cos apre­ci­am mui­to es­ta va­ri­e­da­de e a pos­si­bi­li­da­de de ofe­re­cer ao pú­bli­co pro­du­tos ino­va­do­res, nun­ca an­tes vis­tos. O fa­tor pre­ço é tam­bém im­por­tan­te, tem que ser equi­li­bra­do, se bem que os ar­ti­gos in­de­pen­den­tes têm uma gran­de com­po­nen­te ar­te­sa­nal que faz au­men­tar os cus­tos. Ou­tro fe­nó­me­no atu­al é a figura do óti­co- de­sig­ner, ape­sar de ser a ca­te­go­ria pro­fis­si­o­nal dos óti­cos que an­ti­ga­men­te pro­du­zi­am os seus pró­pri­os ócu­los. Na Eu­ro­pa são mui­tas as mar­cas que nas­cem nu­ma óti­ca! Os óti­cos eu­ro­peus tor­na­ram-se mui­to exi­gen­tes (po­de­mos di­zer mais gour­met), em ter­mos de qua­li­da­de e de­sign. Em Por­tu­gal, por exem­plo, ca­da vez mais se as­sis­te a uma pro­cu­ra e in­te­res­se pe­las mar­cas in­de­pen­den­tes: te­mos em to­do o país óti­cas ex­ce­len­tes que não têm in­ve­ja de paí­ses tra­di­ci­o­nal­men­te mais acre­di­ta­dos nes­te sen­ti­do”. Qu­an­to à di­men­são eco­nó­mi­ca, po­de­mos di­zer que al­gu­mas das mar­cas in­de­pen­den­tes fa­tu­ram va­lo­res con­si­de­rá­veis, en­tre 30 e 60 milhões de eu­ros (não são mui­tas); sen­do que um par de­las es­tá aci­ma dos 120 milhões. A mai­o­ria do in­fi­ni­to uni­ver­so das mar­cas in­de­pen­den­tes si­tua-se en­tre 3 e 10 milhões e ra­ra­men­te su­pe­ra os 15 milhões. “15 milhões de eu­ros é um gran­de va­lor pa­ra uma mar­ca que pro­duz um aces­só­rio e não tem os lu­cros de uma mar­ca fashi­on”, acres­cen­tou Ma­rio Tor­re.

“O se­tor óti­co é um es­pa­ço cós­mi­co”

Res­pon­den­do ao nos­so de­sa­fio de se­le­ci­o­nar o seu top 10 de mar­cas in­de­pen­den­tes, as­se­gu­rou que é uma missão im­pos­sí­vel: “são vá­ri­as, mui­tas em cons­tan­te mo­vi­men­to. Aca­bo de re­gres­sar das fei­ras op­ti Mu­ni­ch e Mi­do mui­to sur­pre­en­di­do com o di­na­mis­mo des­ta área do mer­ca­do. Não quero ex­pri­mir pre­fe­rên­ci­as, são sem­pre sub­je­ti­vas. Dei­xa­mos es­se tra­ba­lho pa­ra os óti­cos. Os mer­ca­dos nór­di­cos, as­se­gu­ram os en­ten­di­dos na ma­té­ria, ga­nha­ram van­ta­gem por te­rem che­ga­do pri­mei­ro que os la­ti­nos no amor pe­las mar­cas de ócu­los in­de­pen­den­tes. Mas, ob­vi­a­men­te que cul­tu­ral­men­te e pe­la pro­xi­mi­da­de, te­nho mais fe­e­ling pa­ra a cor­ren­te me­di­ter­râ­nea. Em Bar­ce­lo­na, on­de vi­vo des­de 2012, há imen­sas mar­cas no­vas, com a Et­nia a en­ca­be­çar o gru­po bar­ce­lo­nês”; a Haw­kers é um fe­nó­me­no mo­der­no que pro­me­te al­can­çar os 100 milhões de eu­ros de fa­tu­ra­ção em 2017, tan­to on­li­ne co­mo of­fli­ne. Em Itá­lia, país sem­pre um pou­co à fren­te na ques­tão das ten­dên­ci­as, es­tão a sur­gir no­vos con­cei­tos, mo­der­nos e com a fa­ci­li­da­de de se pro­du­zi­rem lo­cal­men­te em Ca­do­re, com fa­bri­co ma­de in Italy, co­mo tam­bém em no­vas áre­as de pro­du­ção (Ná­po­les, Pu­glia, Va­re­se). No mer­ca­do nor­te-ame­ri­ca­no des­ta­cam-se li­nhas que mis­tu­ram li­nhas vin­ta­ge e mo­der­nas pró­pri­as do es­pí­ri­to no­va-ior­qui­no. Es­tou cu­ri­o­so pa­ra vi­si­tar a fei­ra de No­va Ior­que, pa­ra ver as no­vi­da­des”. Por fim, Ma­rio Tor­re dei­xou uma no­ta pa­ra a pro­du­ção asiá­ti­ca e, es­pe­ci­al­men­te, a co­re­a­na: “Sur­pre­en­den­te! Gos­to mui­to da for­ma co­mo as mar­cas Gen­tle Mons­ter ou Pro­dukt Pro­jekt co­mu­ni­cam, de ma­nei­ra mui­to ori­gi­nal e trans­gres­si­va. Há tam­bém mar­cas rus­sas (Fakby­fak), in­do­né­si­as (Pawa­ka) e aus­tra­li­a­nas (AM eyewe­ar) com fu­tu­ro”. O mer­ca­do das mar­cas in­de­pen­den­tes é ab­so­lu­ta­men­te bril­lan­te, com um cres­ci­men­to qua­li­ta­ti­vo e quan­ti­ta­ti­vo im­pa­rá­vel na úl­ti­ma dé­ca­da. Ma­rio Tor­re, apro­vei­tan­do-se da sua veia poé­ti­ca, con­cluiu de­fi­nin­do o pa­no­ra­ma da óti­ca mun­di­al. “Gos­to de des­cre­ver o se­tor óti­co co­mo um es­pa­ço cós­mi­co: te­mos uma ga­lá­xia úni­ca e so­li­tá­ria que abran­ge mun­dos pa­ra­le­los (Lu­xot­ti­ca-Es­si­lor), os gran­des pla­ne­tas do Sis­te­ma So­lar (gru­pos mul­ti­na­ci­o­nais) e uma Via Lác­tea di­nâ­mi­ca, ou se­ja, uma mi­ría­de de pe­que­nas no­vas es­tre­las (as mar­cas in­de­pen­den­tes)”. Dei­xa­mos en­tão o “óti­co as­tró­no­mo” com o de­sa­fio de des­co­brir as no­vas es­tre­las - con­si­de­ran­do que “o sol brilha sem­pre pa­ra to­dos”.

Et­nia Bar­ce­lo­na

Ma­rio Tor­re

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.