Che­gou a Er­go­vi­são An­go­la!

Opticapro - - Reportagem -

A da­ta 11 de fe­ve­rei­ro de 2017 fi­ca­rá pa­ra sem­pre na his­tó­ria da Er­go­vi­são. É o dia que mar­ca a aber­tu­ra da pri­mei­ra lo­ja além-fron­tei­ras, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te em An­go­la.

Emí­dio Rodrigues, o res­pon­sá­vel pe­lo gru­po Er­go­vi­são, con­tou-nos co­mo tu­do co­me­çou. “Es­ta opor­tu­ni­da­de sur­giu de uma coin­ci­dên­cia. O nos­so ar­qui­te­to, Hu­go Igre­jas, cons­truiu o pri­mei­ro par­que aquá­ti­co em Lu­an­da, que inau­gu­rou tam­bém em fe­ve­rei­ro. Em con­ver­sa, fa­lou-me de le­var­mos a mar­ca Er­go­vi­são pa­ra lá. En­con­trá­mos pes­so­as in­te­res­sa­das no pro­je­to, fui até lá pa­ra co­nhe­cer o mer­ca­do e de­ci­di­mos avan­çar. De sa­li­en­tar que a Er­go­vi­são An­go­la é uma em­pre­sa independente, exis­tin­do ape­nas um acor­do de ex­plo­ra­ção do nos­so no­me, ou se­ja, vão po­der ex­pan­dir a mar­ca em re­gi­me de fran­chi­sing. Nós não te­mos qual­quer par­ti­ci­pa­ção a não ser um con­tra­to de per­mis­são de ex­plo­ra­ção da mar­ca em An­go­la”. A pri­mei­ra lo­ja abriu a 11 de fe­ve­rei­ro, “mes­mo

à nossa ima­gem”, acres­cen­tou Emí­dio Rodrigues. “A óti­ca es­tá mui­to bo­ni­ta, vai cha­mar à aten­ção. As pes­so­as vão no­tar que há qual­quer coi­sa de di­fe­ren­te. Além dis­so, es­tá se­di­a­da na Ave­ni­da de Por­tu­gal, uma zona cen­tral de Lu­an­da e com mui­to mo­vi­men­to”. Segundo o res­pon­sá­vel, o ob­je­ti­vo é ex­pan­dir a mar­ca em to­do ter­ri­tó­rio an­go­la­no. “Há con­di­ções pa­ra is­so. Va­mos ver co­mo cor­re es­ta pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia. Es­pe­ro que se­ja um su­ces­so e que a mar­ca Er­go­vi­são An­go­la che­gue o mais lon­ge pos­sí­vel. So­mos a pri­mei­ra mar­ca de óti­ca a en­trar nes­te país. As lo­jas que exis­tem em ter­ri­tó­rio an­go­la­no são de mar­cas lo­cais”.

O mer­ca­do an­go­la­no

Emí­dio Rodrigues apro­vei­tou es­ta en­tre­vis­ta pa­ra abor­dar o mer­ca­do an­go­la­no. “Fi­quei sur­pre­en­di­do quan­do es­ti­ve em Lu­an­da e per­ce­bi que os me­lho­res es­ta­be­le­ci­men­tos de lá são ban­cos, far­má­ci­as e óti­cas. O ou­tro co­mér­cio não é atra­ti­vo. Em relação ao se­tor da óti­ca, há dois ou três ope­ra­do­res que con­tro­lam o mer­ca­do, com pro­du­tos ex­por­ta­dos de Por­tu­gal, sen­do que as prin­ci­pais mar­cas es­tão presentes nas óti­cas. É um mer­ca­do de gran­de di­men­são. E, ape­sar de 90% da po­pu­la­ção an­go­la­na pos­suir bai­xos ren­di­men­tos, pen­so que há mui­to es­pa­ço pa­ra crescer. An­go­la tem 26 milhões de ha­bi­tan­tes e 120 óti­cas, en­quan­to que em Por­tu­gal há 10 milhões de pes­so­as e cer­ca de 2.000 óti­cas. Ou­tro as­pe­to in­te­res­san­te é que, pa­ra se abrir uma óti­ca em An­go­la, é pre­ci­so ter uma li­cen­ça do Mi­nis­té­rio da Saú­de. A lo­ja es­tá pron­ta des­de de­zem­bro, mas es­ti­ve­ram até ago­ra à es­pe­ra des­sa li­cen­ça. O mer­ca­do an­go­la­no es­tá à nossa fren­te nes­se as­pe­to, exi­gin­do uma li­cen­ça pa­ra po­der ope­rar nes­te se­tor de saú­de”.

Emí­dio Rodrigues

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.