Co­o­perVi­si­on apre­sen­ta len­tes Bi­o­fi­nity Energys com pom­pa, cir­cuns­tân­cia e mui­to hu­mor

Opticapro - - Reportagem -

O Mu­seu do Ori­en­te ves­tiu-se a ri­gor no fi­nal de ja­nei­ro pa­ra re­ce­ber os con­vi­da­dos da Co­o­perVi­si­on, num even­to que pre­ten­dia dar a co­nhe­cer a no­va len­te Bi­o­fi­nity Energys, es­pe­ci­al­men­te de­sen­vol­vi­da pa­ra uti­li­za­do­res de dis­po­si­ti­vos di­gi­tais. Tiago Ferreira, res­pon­sá­vel do de­par­ta­men­to de mar­ke­ting e ser­vi­ços téc­ni­cos, apre­sen­tou for­mal­men­te o pro­du­to, en­quan­to que o hu­mo­ris­ta Bruno No­guei­ra abri­lhan­tou o fi­nal da noite com um es­pe­tá­cu­lo que con­fir­ma a regra: rir é mes­mo o melhor re­mé­dio.

Pas­sa mui­to tem­po em fren­te ao seu com­pu­ta­dor? Não re­sis­te a na­ve­gar na in­ter­net no seu smartpho­ne ou ta­blet ho­ras a fio? E nes­sas oca­siões sen­te os seus olhos can­sa­dos, se­cos e do­ri­dos? Pois bem, a Co­o­perVi­si­on tem a so­lu­ção. Segundo os es­tu­dos re­a­li­za­dos, uti­li­zar dis­po­si­ti­vos di­gi­tais du­ran­te mais de du­as ho­ras por dia co­lo­ca-o em ris­co de so­frer fa­di­ga vi­su­al di­gi­tal, o que significa al­go tão sim­ples qu­an­to ne­ces­si­tar de umas len­tes de­se­nha­das pa­ra o seu estilo de vida. Com o de­se­nho óti­co Di­gi­tal Zo­ne Op­tics e com a tec­no­lo­gia Aqua­form, a Co­o­perVi­si­on pre­ten­de com o seu no­vo pro­du­to re­vo­lu­ci­o­nar o mer­ca­do. A di­fe­ren­ça é

abis­mal, segundo Tiago Ferreira, res­pon­sá­vel do de­par­ta­men­to de mar­ke­ting e ser­vi­ços téc­ni­cos. “A Bi­o­fi­nity Energys re­tém a hi­dra­ta­ção na len­te, mantendo-a su­a­ve e tor­nan­do a ex­pe­ri­ên­cia de uso mais con­for­tá­vel, pois com o seu ino­va­dor de­se­nho óti­co - Di­gi­tal Zo­ne Op­tics - aju­da-os a ver com cla­re­za as ati­vi­da­des nos dis­po­si­ti­vos di­gi­tais e fo­ra des­tes, com me­nos es­for­ço”, ga­ran­tiu no início da sua in­ter­ven­ção. Por ou­tro la­do, Tiago aler­tou pa­ra a di­fe­ren­ça ra­di­cal no mo­do de vida do ser hu­ma­no: “Em al­guns milhares de anos pas­sá­mos de ca­çar ani­mais com lan­ças pa­ra “ca­çar” po­ke­mons com te­le­mó­veis. His­to­ri­ca­men­te os nossos olhos es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra a vi­são ao lon­ge, mas hoje em dia, qual­quer ati­vi­da­de é trans­for­ma­da nu­ma si­tu­a­ção de vi­são ao perto”. Com o au­di­tó­rio do Mu­seu do Ori­en­te pra­ti­ca­men­te cheio, a apre­sen­ta­ção con­ti­nu­ou com ri­gor e cla­re­za nas idei­as que pre­ten­di­am ir ao en­con­tro dos in­te­res­ses dos par­cei­ros da em­pre­sa. A opor­tu­ni­da­de é enor­me, ao al­can­ce de uma fa­tia gi­gan­tes­ca da po­pu­la­ção por­tu­gue­sa: três milhões de pes­so­as não usam len­tes de con­tac­to, so­fren­do de fa­di­ga vi­su­al di­gi­tal, sen­do que o nú­me­ro de uti­li­za­do­res des­te pro­du­to é de ape­nas 150 mil. Segundo a Co­o­perVi­si­on, a vida e os olhos dos uti­li­za­do­res de len­tes de con­tac­to al­ter­na cons­tan­te­men­te en­tre ati­vi­da­des com e sem mo­ni­tor. Com a mu­dan­ça de há­bi­tos, com o uso diá­rio e cons­tan­te de dis­po­si­ti­vos di­gi­tais du­ran­te to­do o dia, co­mo fer­ra­men­ta de tra­ba­lho e la­zer, em que as re­des so­ci­ais têm uma enor­me im­por­tân­cia, as len­tes Bi­o­fi­nity Energys, com múl­ti­plas cur­vas as­fé­ri­cas na su­per­fí­cie fron­tal pre­ten­dem re­du­zir os sin­to­mas as­so­ci­a­dos à fa­di­ga vi­su­al di­gi­tal. O de­se­nho, es­cla­re­ceu Tiago Ferreira, “aju­da a di­mi­nuir o can­sa­ço ocu­lar as­so­ci­a­do à fa­di­ga vi­su­al di­gi­tal, nu­ma era em que mais de 50% dos jo­vens en­tre os 18 e os 34 anos pas­sam no­ve ho­ras ou mais por dia com es­te ti­po de dis­po­si­ti­vos e em que 90% dos adul­tos os usam pe­lo me­nos du­as ho­ras”. Ao ter­mi­nar a sua pa­les­tra, Tiago fez ques­tão de re­fe­rir que “oi­to em ca­da dez uti­li­za­do­res de equi­pa­men­tos di­gi­tais dis­se­ram não sen­tir fa­di­ga vi­su­al ao usar es­ta no­va len­te, ao pas­so que no­ve em ca­da dez con­cor­da­ram que as Bi­o­fi­nity Energys fi­ze­ram com que os seus olhos se sen­tis­sem bem”, con­cluiu. A no­vi­da­de da Co­o­pervi­si­on es­ta­va apre­sen­ta­da, uma so­lu­ção que pos­si­bi­li­ta a cri­a­ção de uma di­fe­ren­ça sig­ni­fi­ca­ti­va

no dia-a- dia das pes­so­as, segundo os seus res­pon­sá­veis. Es­ta­va da­do o mo­te pa­ra o mo­men­to de hu­mor, a car­go de Bruno No­guei­ra, que du­ran­te cer­ca de meia ho­ra le­vou o pú­bli­co às lá­gri­mas de tan­to rir. A au­di­ên­cia es­te­ve em de­lí­rio de tan­tas gar­ga­lha­das e exis­ti­ram mo­men­tos de ver­da­dei­ra di­ver­são e boa- dis­po­si­ção com o hu­mor ca­rac­te­rís­ti­co e bem vin­ca­do de tão pres­ti­gi­a­do hu­mo­ris­ta. Pa­ra Efrén Me­nén­dez Ari­as, res­pon­sá­vel co­mer­ci­al da Co­o­perVi­si­on em Por­tu­gal, “o even­to foi uma for­ma de agra­de­cer a pre­fe­rên­cia aos nossos par­cei­ros, além de uma opor­tu­ni­da­de pa­ra apre­sen­tar um pro­du­to no­vo, umas len­tes de con­tac­to ver­da­dei­ra­men­te ino­va­do­ras”. O balanço foi cla­ra­men­te po­si­ti­vo, até pe­la pre­sen­ça de Bruno No­guei­ra. “Ele é áci­do, não dei­xa nin­guém in­di­fe­ren­te”, re­fe­riu en­tre sorrisos. Pa­ra Efrén, foi uma oca­sião pro­pí­cia pa­ra es­ta­be­le­cer no­vos con­tac­tos, e apre­sen­tar as idei­as e di­nâ­mi­cas da no­va equi­pa em Por­tu­gal. “Pre­ci­sá­va­mos de fa­zer um mai­or es­for­ço aqui, com mais pes­so­as e um mai­or acom­pa­nha­men­to jun­to dos nossos cli­en­tes. Há um pa­ra­le­lis­mo com o mer­ca­do es­pa­nhol, mas o ní­vel dos pro­fis­si­o­nais em Por­tu­gal é su­pe­ri­or a ní­vel técnico. Sen­do mer­ca­dos si­mi­la­res, Por­tu­gal es­tá mais à fren­te que Es­pa­nha, sem dúvida”. Re­la­ti­va­men­te às no­vas len­tes apre­sen­ta­das, o res­pon­sá­vel es­tá con­vic­to do su­ces­so do pro­du­to. “Os úl­ti­mos lan­ça­men­tos que che­ga­ram ao mer­ca­do não ti­ve­ram em li­nha de con­ta a de­pen­dên­cia das pes­so­as com os smartpho­nes. É ne­ces­sá­rio ter em aten­ção que as pes­so­as in­te­res­sa­das nestes pro­du­tos têm uma pre­pon­de­rân­cia mai­or na vi­são ao perto. Es­tas len­tes es­tão pre­pa­ra­das pa­ra a exi­gên­cia di­gi­tal dos nossos cli­en­tes. O fe­ed­back é es­pe­ta­cu­lar. Ao ní­vel das ven­das es­ta­mos a su­pe­rar qual­quer ex­pec­ta­ti­va, tem si­do um su­ces­so. Em 2017 que­re­mos con­so­li­dar a nossa pre­sen­ça no se­tor com es­tas len­tes, que têm um pre­ço per­fei­ta­men­te aces­sí­vel”, re­fe­riu Efrén à Óp­ti­caP­ro an­tes de uma fo­to­gra­fia em con­jun­to com a res­tan­te equi­pa e, cla­ro, Bruno No­guei­ra, a es­tre­la da noite.

Bruno No­guei­ra

Tiago Ferreira

Bruno No­guei­ra com a equi­pa da Co­o­perVi­si­on

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.