O que vem à re­de

A guer­ra dos clo­nes

PC Guia - - ON - ALEX GAMELA Twit­ter: @alex­ga­me­la

Se tu­do es­tá a fi­car igual, por on­de co­me­ça­mos a mu­dan­ça? O Mes­sen­ger do Fa­ce­bo­ok foi bus­car al­gu­mas fun­ci­o­na­li­da­des ao Snap­chat, que já ti­nha si­do co­pi­a­do pe­lo Ins­ta­gram que, ba­si­ca­men­te, é um Tum­blr de fo­tos pes­so­ais pa­ra ami­gos, com fil­tros que dão pin­ta às fo­tos que ti­ra­mos. É um abu­so, e is­so vê-se pe­lo es­pa­ço que a apli­ca­ção ocu­pa na me­mó­ria do smartpho­ne, um apa­re­lho que de­ri­va de ou­tro que an­tes ser­via pa­ra fa­zer cha­ma­das. Porquê es­ta ma­nia de ter fer­ra­men­tas com um pro­pó­si­to ini­ci­al sim­ples e de­sen­vol­vê-las ao pon­to de nem nos lem­brar­mos pa­ra que é que ser­vi­am no iní­cio? No ca­so do Fa­ce­bo­ok, a es­tra­té­gia pa­re­ce ser du­pla: pri­mei­ro, emu­lam as me­lho­res fun­ci­o­na­li­da­des da con­cor­rên­cia (mal, mas ten­tam) pa­ra não fi­ca­rem pa­ra trás; se­gun­do, con­cen­tram nu­ma só fun­ci­o­na­li­da­de tu­do o que ti­nham na sua pla­ta­for­ma prin­ci­pal. Ou se­ja, o fu­tu­ro do Fa­ce­bo­ok não é o per­fil pes­so­al, mas o chat hi­per­fun­ci­o­nal, com bots e tu­do. O pro­ble­ma é que, em vez de con­ver­sar, os uti­li­za­do­res tor­na­ram-se mes­tres em mo­nó­lo­gos. E do eco, por­que é uma eco­no­mia de par­ti­lha, ape­sar de ser ca­da vez mais fe­cha­da ao que é di­fe­ren­te. Se to­das as re­des so­ci­ais es­tão a fi­car iguais, se to­da a gen­te acha que as re­des so­ci­ais são a in­ter­net, o que é que vi­rá de no­vo? Tim Ber­ners-Lee dis­se re­cen­te­men­te que fomos to­dos nós a cons­truir a Web que te­mos, e que te­mos que ser nós a de­fi­nir a que queremos. Eu con­cor­do, mas acho que já va­mos tar­de. Nes­te mo­men­to so­mos me­ros pas­sa­gei­ros em vez de vi­a­jan­tes, e há uma gran­de di­fe­ren­ça en­tre ver a pai­sa­gem ou des­co­bri-la. O que te­mos é uma in­va­são das nar­ra­ti­vas ex­po­si­ti­vas em in­ter­fa­ces con­ver­sa­ci­o­nais, e fi­ca­mos to­dos a per­der. A ar­te do diá­lo­go es­tá ca­da vez mais po­bre, sem que se me­lho­re mui­to a ar­te do dis­cur­so.

Se to­das as re­des so­ci­ais es­tão a fi­car iguais, se to­da a gen­te acha que as re­des so­ci­ais são a in­ter­net, o que é que vi­rá de no­vo?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.