Mas­sa cin­zen­ta, on­de es­tás?

PC Guia - - ON - PE­DRO ANICETO aniceto@mac.com

Per­do­em-me se fu­jo mo­men­ta­ne­a­men­te e ao te­ma a que es­ta co­lu­na se su­jei­ta des­de a sua fun­da­ção, ação, mas a re­a­li­da­de que to­dos vi­ve­mos es­te lon­go o Ve­rão a is­so me im­pe­le e obri­ga. Mas há coi­sas que não en­ten­do d na re­a­li­da­de lid d tec­no­ló­gi­ca por­tu­gue­sa e che­gou o mo­men­to de dei­xar de fa­lar so­zi­nho pa­ra co­lo­car ques­tões mui­to cla­ra­men­te. Vi­ve­mos, não te­nham dú­vi­das, um ver­da­dei­ro es­ta­do de gu­er­ra nas nos­sas flo­res­tas. E ano após ano acei­ta­mos as bai­xas no nos­so exér­ci­to, sem que nin­guém que se re­vol­te ou opo­nha. O nos­so ar­se­nal tec­no­ló­gi­co é con­si­de­rá­vel, mas bem mai­or pa­re­ce ser o nos­so ca­pi­tal hu­ma­no na área téc­ni­ca e ci­en­tí­fi­ca. Não fal­ta hard­ware no mer­ca­do, de ca­da vez com me­nor cus­to. Sen­so­res, cai­xas, mi­ni-bo­ards, re­des de co­mu­ni­ca­ção, tu­do is­so exis­te. Pro­gra­ma­do­res, ma­kers, de­sen­vol­ve­do­res, pe­ri­tos no ter­re­no, é pú­bli­co que não nos fal­tam. O que nos fal­ta é uma voz que di­ga de uma vez que não qu­e­re­mos que nin­guém mor­ra por um fo­go sú­bi­to, um pré-aler­ta que com pre­ci­são nos in­for­me de uma tem­pe­ra­tu­ra anor­mal num sec­tor da flo­res­ta. Ca­ram­ba! Te­mos um Sol que ali­men­ta­ria sen­so­res de um sis­te­ma des­tes du­ran­te dé­ca­das. Te­mos uni­ver­si­da­des (que por ve­zes não sei on­de es­tão e pa­ra quem tra­ba­lham…). Ao lon­go das nos­sas vi­das to­dos já lemos na im­pren­sa múl­ti­plos pro­jec­tos que pa­re­cem ser bo­as idei­as e que mui­to ra­ra­men­te vêm a luz do dia. E pa­re­ce tão sim­ples de­sen­vol­ver um sis­te­ma de mo­ni­to­ri­za­ção de flo­res­tas com aler­tas rá­pi­dos a vi­gi­lan­tes flo­res­tais. Eu mesmo já vi pro­tó­ti­pos de idei­as que de­vi­da­men­te aca­ri­nha­das po­di­am mui­to bem já ter pou­pa­do vi­das. Nós te­mos mil ve­zes es­sa tec­no­lo­gia nos nos­sos bol­sos, nas nos­sas ca­sas, por­que não en­con­tra­mos uma so­lu­ção que não pas­se por uma ló­gi­ca em­pre­sa­ri­al em que al­guém tem de fi­car de bol­sos chei­os? Que­rem con­ven­cer-me de que não é pos­sí­vel cri­ar, em ter­mos por­tu­gue­ses, um con­cur­so de idei­as que re­ti­re dos nos­sos cri­a­do­res e pro­gra­ma­do­res o me­lhor de con­cei­tos des­te gé­ne­ro? Que uma (uma só) uni­ver­si­da­de não cri­a­va is­to por uma frac­ção do pre­ço de cem ho­ras de voo de um de­li-bom­bar­dei­ro? E se qui­ser­mos en­ve­re­dar por uma ló­gi­ca ca­pi­ta­lis­ta, quan­to não se pou­pa­ria do or­ça­men­to ac­tu­al em re­tor­no do in­ves­ti­men­to num pro­jec­to de có­di­go aber­to que po­de­ria en­vol­ver a par­ti­ci­pa­ção de TO­DAS as es­tru­tu­ras de edu­ca­ção des­te País na cri­a­ção (e no­tem que não uso a pa­la­vra in­ven­ção) de uma bo­la­cha ri­dí­cu­la, ali­men­ta­da por um sen­sor so­lar, es­tan­que e in­vi­o­lá­vel, que pu­des­se per­ma­ne­cer ao ser­vi­ço anos e anos pen­du­ra­da nu­ma ár­vo­re e cu­ja mis­são fos­se a de dis­pa­rar um si­nal que ati­vas­se uma uni­da­de rá­pi­da de in­ter­ven­ção (que até já te­mos)? Um pro­du­to que ho­je te­mos em qual­quer brin­que­do pro­du­zi­do em mas­sa em fá­bri­cas chi­ne­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.