É pos­sí­vel ma­tar um cacto? O Ri­car­do Durand acha que sim.

PC Guia - - EDITORIAL | ÍNDICE -

An­tes que co­me­cem já a pen­sar que es­ta co­lu­na é so­bre bo­tâ­ni­ca, des­can sem: não é. Tam­bém não é so­bre vi­a­gens ao de­ser­to. Aliás, ma­tar um cacto é uma ta­re­fa que co­lo­ca dú­vi­das: dei­xa-se mor­rer à se­de ou re­ga-se abun­dan­te­men­te com água? Na ver­da­de es­ta cró­ni­ca é so­bre o as­sas­si­na­to co­me­ti­do pe­la Ci­tro­en a um do seus mais en­tu­si­as­man­tes, di­fe­ren­ci­a­do­res, ino­va­do­res, ca­ti­van­tes (e por aí fo­ra) automóveis dos úl­ti­mos trin­ta anos: Ci­tro­en C4 Cac­tus. Ain­da an­tes de de­nun­ci­ar o cri­me, com de­ta­lhes, cla­ro, pri­mei­ro há que fa­zer o con­tex­to: a mi­nha his­tó­ria com es­te au­to­mó­vel co­me­ça no Frank­furt Mo­tor Show de 2007. Foi aqui que a mar­ca fran­ce­sa lan­çou um pro­tó­ti­po de cros­so­ver, o C-Cac­tus, em que tu­do era di­fe­ren­te do que ti­nha vis­to até en­tão. Li­nhas ar­re­don­da­das, tec­to em vi­dro, gran­de óp­ti­cas, umas es­pé­ci­es de en­tra­das de ar à fren­te e uma tra­sei­ra que pa­re­cia ter saí­do do fil­me 2001: Odis­seia no Es­pa­ço. Lo­go aí pro­me­ti a mim mes­mo: es­te ti­nha de ser o meu fu­tu­ro au­to­mó­vel. No Cac­tus que, fi­nal­men­te, se­ria apre­sen­ta­do qua­se se­te anos de­pois, tu­do me con­quis­tou: a fren­te ca­ris­má­ti­ca, as la­te­rais co­ber­tas pe­los in­te­li­gen­tes AirBumps, a tra­sei­ra a re­cu­pe­rar al­gu­ma nos­tal­gia de automóveis de an­ti­ga­men­te. Em su­ma, a Ci­tro­en ti­nha no Cac­tus o úni­co au­to­mó­vel que ver­da­dei­ra­men­te va­lia a pe­na ter. Quan­do fi­nal­men­te o com­prei, em ama­re­lo (pa­ra ser ain­da mais di­fe­ren­te), o ci­clo ini­ci­a­do em 2007 fe­chou. A mar­ca fran­ce­sa ti­nha con­se­gui­do não só cri­ar uma gran­de pe­ça de de­sign au­to­mó­vel, mas tam­bém um su­ces­so de ven­das. Por is­so, o que acon­te­ceu em 2017 é, além de ser um as­sas­si­na­to, uma trai­ção. A Ci­tro­en de­ci­diu apa­gar tu­do aqui­lo que o au­to­mó­vel ti­nha de bom e trans­for­mou o Cac­tus num pa­ra­le­li­pí­pe­do com ro­das. Sem iden­ti­da­de, sem ca­ris­ma e, pi­or, sem no­ção ne­nhu­ma de que, as­sim, traiu a con­fi­an­ça dos fãs da mar­ca que es­pe­ra­vam uma evo­lu­ção ain­da mais fan­tás­ti­ca des­te mo­de­lo que se di­fe­ren­ci­ou exac­ta­men­te por ser o que es­te não é: ca­ti­van­te. Ma­tar um cacto é qua­se im­pos­sí­vel. A não ser que es­te­ja­mos em Fran­ça, no ga­bi­ne­te de de­sign da Ci­tro­en.

RI­CAR­DO DURAND Edi­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.