Doom Skyrim Player Unknown Bat­tle­grounds Football Ma­na­ger

Aca­be com os de­mó­ni­os on­de quer que es­te­ja!

PC Guia - - EDITORIAL | ÍNDICE -

Em Maio de 2016 pu­bli­cá­mos a nos­sa re­vi­ew ao re­bo­ot de Doom que a Bethes­da Soft­ware lan­çou pa­ra PS4, Xbox One e PC. Ago­ra che­gou a vez da es­pe­ra­da ver­são pa­ra a Nin­ten­do Swit­ch, a mais re­cen­te con­so­la da Nin­ten­do. A pri­mei­ra coi­sa que me sur­pre­en­deu nes­ta ver­são de Doom foi che­gar à pla­ta­for­ma des­ta edi­to­ra, aque­la em­pre­sa que fa­zia ques­tão de ter ape­nas jo­gos fa­mi­li­a­res com um mí­ni­mo pos­sí­vel de ce­nas com san­gue e tri­pas. Ora ‘san­gue e tri­pas’ é o que não fal­ta em Doom, mes­mo nes­ta ver­são pa­ra Swit­ch. A his­tó­ria é exac­ta­men­te a mes­ma: a nos­sa per­so­na­gem acor­da nu­ma en­fer­ma­ria pres­tes a ser de­vo­ra­da por mons­tros. De­pois de se li­vrar de­les te­rá de en­con­trar a ar­ma­du­ra, as ar­mas e des­co­brir por­que é que fi­cou na­que­la si­tu­a­ção de­li­ca­da. A ac­ção pas­sa-se nu­ma ba­se no pla­ne­ta Mar­te on­de se es­ta­vam a fa­zer ex­pe­ri­ên­ci­as pa­ra ten­tar usar a ener­gia do In­fer­no pa­ra ali­men­tar a ci­vi­li­za­ção hu­ma­na. Co­mo se po­de per­ce­ber, tem tu­do pa­ra correr bem… Em ter­mos grá­fi­cos, a ver­são Swit­ch de Doom es­tá um pou­co re­du­zi­da. As tex­tu­ras são al­go pi­o­res e o de­ta­lhe dos objectos, me­nor. No en­tan­to, tu­do flui co­mo nas ou­tras pla­ta­for­mas pa­ra as quais o jo­go foi lan­ça­do ori­gi­nal­men­te. A ver­são que tes­tei na pri­mei­ra re­vi­ew que fiz foi pa­ra Win­dows e pos­so di­zer que na­da, mes­mo na­da, che­ga à ex­pe­ri­ên­cia de jo­go com te­cla­do e ra­to.

AI, OS CON­TRO­LOS!

É exac­ta­men­te nos con­tro­los que es­tá o pro­ble­ma des­te Doom: a adap­ta­ção que a Bethes­da fez não te­ve pra­ti­ca­men­te em con­ta as di­fe­ren­ças de jo­gar com te­cla­do e ra­to ou com os co­man­dos de uma con­so­la. Na Swit­ch, fa­zer um he­adshot re­pe­ti­da­men­te é mais uma ques­tão de sor­te, que de téc­ni­ca, is­to por­que os con­tro­los, por de­fei­to, es­tão sen­sí­veis de­mais. Por is­so, é mui­to mais fá­cil de cri­var um ini­mi­go de ba­las no cor­po que con­se­guir ma­tá-lo com um ou dois ti­ros na ca­be­ça. Ou­tra coi­sa me­nos boa é que o jo­go de­via in­clui uma lu­pa pa­ra quan­do se tem de na­ve­gar pe­los me­nus quan­do se es­tá a jo­gar com a Swit­ch em mo­do por­tá­til. Sim­ples­men­te, as le­tras são tão pe­que­nas que se con­se­gue ler ab­so­lu­ta­men­te na­da. E não es­tou a fa­lar de mim: mes­mo uma pes­soa com uma vi­são 20/20 tem di­fi­cul­da­de. Aqui no­ta-se que hou­ve al­gu­ma pre­gui­ça pa­ra pôr o jo­go a de­tec­tar o mo­do de fun­ci­o­na­men­to da con­so­la e ajus­tar o ta­ma­nho da le­tra nos me­nus. De res­to, es­tá lá tu­do: o san­gue, as tri­pas e to­dos os mo­dos jo­go dis­po­ní­veis na ver­são ori­gi­nal, in­cluí­do os mul­ti­player, ca­so te­nha um ami­go com Swit­ch e com o Doom. Mas não, não dá pa­ra jo­gar con­tra os uti­li­za­do­res de ou­tras pla­ta­for­mas. In­fe­liz­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.