«QU­E­RO CO­NHE­CER OU­TRAS PES­SO­AS NOU­TROS SIS­TE­MAS SO­LA­RES»

PC Guia - - HIGH-TECH GIRL - Gwyn­ne Shotwell

Gwyn­ne Shotwell é mem­bro do Ins­ti­tu­to Ame­ri­ca­no de Ae­ro­náu­ti­ca e As­tro­náu­ti­ca, in­te­gra o cor­re­dor da fa­ma do Wo­men in Te­ch­no­logy In­ter­na­ti­o­nal e re­ce­beu o World Te­ch­no­logy Award pa­ra Re­a­li­za­ção in­di­vi­du­al no Es­pa­ço. ‘Exe­cu­tar mis­sões que pa­re­cem im­pos­sí­veis e man­ter me­tas in­sa­na­men­te am­bi­ci­o­sas’. Es­te tó­pi­co en­ca­be­ça a lis­ta de li­nhas mes­tras com as quais a Spa­ceX se go­ver­na. E o pa­pel de Gwyn­ne Shotwell é fun­da­men­tal nes­ta “en­gre­na­gem”. Tra­ba­lha di­re­ta­men­te com Elon Musk e co­nhe­ce a em­pre­sa co­mo a pal­ma da sua mão. Em 2002, era a fun­ci­o­ná­ria nú­me­ro se­te na re­cém-inau­gu­ra­da Spa­ceX, na al­tu­ra com ape­nas ca­tor­ze tra­ba­lha­do­res. Ho­je con­ta com seis mil fun­ci­o­ná­ri­os pa­ra dar vi­da em tem­po re­cor­de às am­bi­ci­o­sas pro­pos­tas do seu fun­da­dor.

A CHE­GA­DA DE GWYN­NE AO “ES­PA­ÇO”

O cur­rí­cu­lo es­co­lar era exem­plar mas, co­mo a gran­de mai­o­ria dos ado­les­cen­tes qu­an­do che­gam à ida­de de es­co­lher um cur­so, Gwyn­ne Shotwell não fa­zia ideia de que car­rei­ra se­guir. Até que um dia, a mãe, uma ar­tis­ta, le­vou-a a uma con­fe­rên­cia na So­ci­e­da­de de Mu­lhe­res En­ge­nhei­ras do Il­li­nois, em Chi­ca­go, on­de vi­via. Foi a con­tra­gos­to, mas qu­an­do che­gou en­can­tou-se com o dis­cur­so de uma en­ge­nhei­ra me­câ­ni­ca. A al­guns mei­os de co­mu­ni­ca­ção re­ve­lou: «Fi­quei fas­ci­na­da com o que ela dis­se. Era dona da sua pró­pria em­pre­sa, de­sen­vol­via ma­te­ri­ais de cons­tru­ção ami­gos do am­bi­en­te e tra­ba­lha­va com ener­gia so­lar. Tam­bém fi­quei en­can­ta­da com a rou­pa que usa­va. No fim da pa­les­tra, fui fa­lar-lhe so­bre a rou­pa e tam­bém so­bre o tra­ba­lho que de­sen­vol­via. Saí da­que­le even­to a pen­sar que po­dia ser uma en­ge­nhei­ra me­câ­ni­ca». E as­sim foi. Mal ter­mi­nou o cur­so e mes­tra­do em En­ge­nha­ria Me­câ­ni­ca e Ma­te­má­ti­ca Apli­ca­da, en­trou pa­ra a Chrys­ler Mo­tors. A in­dús­tria au­to­mó­vel era o seu des­ti­no, pen­sa­va. Mas

Onão tar­dou em mu­dar. Foi pa­ra a Ae­ros­pa­ce Cor­po­ra­ti­on, on­de tra­ba­lhou du­ran­te dez anos até em­bar­car no lan­ça­men­to da Spa­ceX. Apren­der ra­pi­da­men­te com os er­ros Com as fa­lhas, apren­de-se e, mes­mo não ten­do si­do bem-su­ce­di­da nos seus pri­mei­ros lançamentos, a Spa­ceX con­se­guiu con­tra­tos im­por­tan­tes com a NASA. dia 24 de Maio, o úl­ti­mo dia an­tes da apli­ca­ção do Re­gu­la­men­to Ge­ral de Pro­tec­ção de Da­dos, foi mar­ca­do por uma en­xur­ra­da de emails nas nos­sas cai­xas de cor­reio. Men­sa­gens de quem pro­duz as news­let­ters que as­si­ná­mos vo­lun­ta­ri­a­men­te, das que ‘as­si­na­ram por nós’ ou de ou­tras tan­tas en­ti­da­des que nem sa­bía­mos que ti­nham os nos­sos da­dos. Vi­nham pe­dir a tal au­to­ri­za­ção ex­pres­sa pa­ra os usa­rem. Creio que a mai­o­ria das pes­so­as per­ma­ne­ceu iner­te e pou­co ou na­da fez. E mui­tas das news­let­ters con­ti­nu­am a che­gar. Ago­ra, a gran­de mai­o­ria dos si­tes a ope­rar na Eu­ro­pa apre­sen­tam Po­lí­ti­cas de Co­o­ki­es com­ple­xas, e mui­tas con­fun­dem mais que es­cla­re­cem. Per­gun­to-me quan­tos Da fa­lha (e ex­plo­são) do Fal­con 9 em 2016 ao su­ces­so do lan­ça­men­to de um no­vo Fal­con 9 (qu­a­tro me­ses de­pois) e do bem-su­ce­di­do lan­ça­men­to do fo­gue­tão mais po­ten­te do mun­do, o Fal­con He­avy, es­te ano, fo­ram es­pa­ços de tem­po ex­tre­ma­men­te cur­tos. Apren­der e re­pa­rar er­ros ra­pi­da­men­te é ou­tro dos prin­cí­pi­os da Spa­cex re­ve­la­dos por Gwenny Shotwell. No ano pas­sa­do, a em­pre­sa re­a­li­zou de­zoi­to mis­sões es­pa­ci­ais e até ao fim des­te ano pre­ten­de re­a­li­zar ou­tras trin­ta. O Fal­con He­avy, pe­las su­as gran­des di­men­sões, per­mi­te pôr em ór­bi­ta sa­té­li­tes que a con­cor­rên­cia não con­se­gue. E mais: a re­cu­pe­ra­ção e reu­ti­li­za­ção dos lan­ça­do­res faz com que o seu lan­ça­men­to se­ja mui­to mais ba­ra­to do que os da con­cor­rên­cia, re­vo­lu­ci­o­nan­do o sec­tor.

OU­TRAS GALÁXIAS

Nu­ma en­tre­vis­ta re­cen­te con­du­zi­da pe­lo cu­ra­dor da or­ga­ni­za­ção TED, Ch­ris An­der­son, Shotwell re­ve­lou o pro­jec­to da Spa­ceX de vo­os pon­to a pon­to na ter­ra, a per­mi­tir vi­a­gens de pas­sa­gei­ros com du­ra­ção de pou­co mais de trin­ta mi­nu­tos en­tre No­va Ior­que e Xan­gai, por exem­plo. Um pro­jec­to que Gwyn­ne Shotwell as­se­gu­ra que es­ta­rá ope­ra­ci­o­nal na pró­xi­ma dé­ca­da, com pre­ços per­to da­que­les co­bra­dos pa­ra vo­os nor­mais em exe­cu­ti­va. O trans­por­te de pas­sa­gei­ros a Mar­te tam­bém es­tá pre­vis­to pa­ra a pró­xi­ma dé­ca­da. Na en­tre­vis­ta, a pre­si­den­te da Spa­ceX ex­pli­cou a ra­zão de apos­tar num pro­jec­to pa­ra ex­plo­rar Mar­te se há tan­to por fa­zer na Ter­ra: «Há mui­to que fa­zer na Ter­ra, re­al­men­te, e há mui­tas em­pre­sas a tra­ba­lhar nis­so. Nós es­ta­mos a bus­car um ou­tro lo­cal pa­ras as pes­so­as po­de­rem vi­ver, so­bre­vi­ver e de­sen­vol­ver-se». E, aqui, Shotwell re­ve­la-se ain­da mais am­bi­ci­o­sa que Elon Musk: «Le­var pes­so­as pa­ra Mar­te é um pri­mei­ro pas­so pa­ra che­gar a ou­tros sis­te­mas e ou­tras galáxias. Qu­e­ro co­nhe­cer ou­tras pes­so­as nou­tros sis­te­mas so­la­res». uti­li­za­do­res, efec­ti­va­men­te, en­tram na área de ges­tão de co­o­ki­es e de­ter­mi­nam o que pre­ten­dem, de si­te em si­te? Quan­tos sim­ples­men­te cli­cam ‘ok’ e se­guem co­mo sem­pre? Es­ta é uma for­ma de pro­te­ger a pri­va­ci­da­de das pes­so­as, é ver­da­de. Mas não se­ria pru­den­te, além des­tas im­po­si­ções le­gais, tam­bém es­cla­re­cer as pes­so­as?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.