O CÓ­DI­GO DO CIR­CO

PC Guia - - BOOT -

Qu­an­do es­ta­va a que­rer mu­dar de ginásio, hou­ve um con­cei­to iné­di­to que me cha­mou a aten­ção. Cha­ma­vam-lhe o ‘bou­ti­que gym’ e, su­pos­ta­men­te, era pre­ci­so de­ci­frar um có­di­go pa­ra dar com ele: ‘Can you crack the co­de?’ ou qual­quer coi­sa do gé­ne­ro. E, a ver­da­de, é que o es­pa­ço era mui­to bom, bem lo­ca­li­za­do, e com um ex­ce­len­te am­bi­en­te: cor­re­do­res es­cu­ros, bal­neá­ri­os que pa­re­ci­am ca­ma­rins, com hi­dra­tan­te pa­ra a ca­ra e água mi­ce­lar; ha­via ain­da co­to­ne­tes, dis­cos de al­go­dão e es­pu­ma pa­ra o ca­be­lo (que dis­pen­so, na­tu­ral­men­te). Por fa­lhas da res­pon­sa­bi­li­da­de do ginásio, du­ran­te qua­se dois me­ses fui obri­ga­do a usar ou­tro bal­neá­rio e a con­tra­par­ti­da ofe­re­ci­da foi po­der usar o ginásio sem li­mi­tes, em­bo­ra pa­gan­do pa­ra ter ape­nas do­ze au­las por mês. Gran­de ati­tu­de. Mas, co­mo acon­te­ce na tec­no­lo­gia, qu­an­do mais usa­mos uma coi­sa, mais co­me­ça­mos a ver pro­ble­mas. O pri­mei­ro co­me­çou a ser o es­ta­ci­o­na­men­to. Num par­que que de­via ser pri­va­do e re­ser­va­do aos cli­en­tes do ginásio qual­quer pes­soa po­dia dei­xar o au­to­mó­vel. Re­sul­ta­do: qu­an­do che­ga­va mui­tas ve­zes ti­nha de dei­xar o meu car­ro mal es­ta­ci­o­na­do ou mes­mo fo­ra do zo­na re­ser­va­da. Cha­mei vá­ri­as ve­zes a aten­ção, mas co­mo é ra­ro as pes­so­as quei­xa­rem-se qu­an­do es­tá al­gu­ma coi­sa mal, es­ta­va so­zi­nho na mi­nha lu­ta. An­dei nis­to seis me­ses e, por ve­zes, fui bas­tan­te as­ser­ti­vo a mos­trar o meu des­con­ten­ta­men­to. O ginásio pre­fe­riu por pan­fle­tos pro­mo­ci­o­nais nos car­ros a cha­mar o re­bo­que ou a avi­sar as pes­so­as de que não po­di­am es­ta­ci­o­nar ali. O se­gun­do foi o fac­to de al­guns anor­mais en­tra­rem nas sa­las das au­las (que por aca­so ti­nham chão ne­gro) com os ténis vin­dos da rua. Re­sul­ta­do: fi­ca­va sem­pre tu­do su­jo e co­me­ça­va a ser im­pos­sí­vel fa­zer al­guns exer­cí­ci­os. A to­das es­tas crí­ti­cas (e a mais al­gu­mas) os res­pon­sá­veis li­ga­ram ze­ro. Che­guei mes­mo a fa­zer co­men­tá­ri­os so­bre is­to nas re­des so­ci­ais, al­go que o ginásio le­vou a mal - em vez de re­sol­ver o pro­ble­ma, pre­fe­ri­am mos­trar fo­to­gra­fi­as de blog­gers acé­fa­las a fin­gir que fa­zi­am exer­cí­cio nas sa­las. «Me­nos cir­co, mais ac­ção», dis­se. Não gos­ta­ram, e tam­bém no dia que ti­nha de­ci­di­do sair do ginásio, a club ma­na­ger con­vi­dou-me gen­til­men­te «res­cin­dir o con­tra­to co­mer­ci­al». E eu fi­quei ali­vi­a­do: no cir­co que é o The Co­de, só é pa­lha­ço quem quer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.