SAIR DA ZO­NA DE CON­FOR­TO

PC Guia - - LINUX -

O pri­mei­ro pas­so que con­tri­buiu pa­ra es­ta acei­ta­ção, foi te­rem co­nhe­ci­men­to, sa­ber que exis­te uma al­ter­na­ti­va que po­de ser efec­ti­va­men­te vá­li­da. Is­to cri­ou ex­pec­ta­ti­va e von­ta­de de sa­ber mais. Ac­tu­al­men­te, o que se faz com Windows, tam­bém se faz em Li­nux. Mas, co­mo é ób­vio, al­gu­mas coi­sas são di­fe­ren­tes. Is­to le­va-me ao se­gun­do pas­so: as pes­so­as re­co­nhe­ce­rem que se tra­ta de um sis­te­ma diferente. As­sim co­mo macOS é diferente de Windows ou An­droid é diferente de iOS, as­sim acon­te­ce com Li­nux. Te­rem es­sa cons­ci­ên­cia foi im­por­tan­te pa­ra não se­rem cri­a­das ex­pec­ta­ti­vas ir­re­a­lis­tas e com­pa­ra­ções que não fa­zem sen­ti­do. O ter­cei­ro pas­so foi tes­tar. Co­mo men­ci­o­nei a pou­co, sair da zo­na de con­for­to nem sem­pre é fá­cil, tu­do o que é no­vo e não do­mi­na­mos, re­gra ge­ral, exis­te uma cer­ta re­lu­tân­cia, mas qu­an­do es­sa bar­rei­ra foi ul­tra­pas­sa­da, aca­ba­ram por re­co­nhe­cer que o Li­nux re­al­men­te fun­ci­o­na. Após is­so um quar­to e úl­ti­mo pas­so foi te­rem pa­ci­ên­cia. Já diz o po­vo que «a pa­ci­ên­cia é uma vir­tu­de» e apren­der a usar um no­vo sis­te­ma, im­pli­ca ser pa­ci­en­te pa­ra sa­ber co­mo fun­ci­o­na. É não de­sis­tir ao pri­mei­ro pro­ble­ma, é dar uma opor­tu­ni­da­de. Mas cla­ro, o Li­nux não é pa­ra to­dos, nem to­dos vão gos­tar e nem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.