Tec­no­lo­gia de em­prés­ti­mo

PC Guia - - ON -

In­ge­nu­a­men­te, quan­do ad­qui­ri­mos um no­vo equi­pa­men­to, as­su­mi­mos que a par­tir des­se mo­men­to o va­mos po­der uti­li­zar de for­ma in­dis­cri­mi­na­da. Mas, na re­a­li­da­de, são ca­da vez mais os dis­po­si­ti­vos que efec­ti­va­men­te ape­nas as­se­gu­ram o em­prés­ti­mo da tec­no­lo­gia que es­ta­mos a com­prar. Is­to acon­te­ce, em gran­de par­te, de­vi­do às no­vas for­mas de de­sen­vol­vi­men­to de pro­du­to, que se ba­sei­am em pla­ta­for­mas de de­sen­vol­vi­men­to co­mum e no re­cur­so à aqui­si­ção ex­ter­na de tec­no­lo­gi­as, em de­tri­men­to de um de­sen­vol­vi­men­to in­te­gra­do. Es­sa foi a for­ma que as mar­cas en­con­tra­ram pa­ra po­der sa­tis­fa­zer a de­man­da dos seus con­su­mi­do­res no que diz res­pei­to à ino­va­ção, in­te­gra­ção de tec­no­lo­gia e pre­ço. Com is­to, ve­ri­fi­ca­mos que ac­tu­al­men­te ne­nhum pro­du­to di­gi­tal é 100% con­tro­la­do pe­la mar­ca que o co­mer­ci­a­li­za. E pro­va­vel­men­te a ver­ten­te mais ex­pos­ta des­sa fal­ta de con­tro­lo é o soft­ware que es­tes in­te­gram. De­vi­do à sua na­tu­re­za ca­da vez mais com­ple­xa, já ne­nhum dis­po­si­ti­vo ac­tu­al é com­pos­to ex­clu­si­va­men­te por hard­ware, in­clui sem­pre um con­jun­to de ele­men­tos de soft­ware que o fa­zem fun­ci­o­nar. E mui­tos des­tes ele­men­tos de soft­ware são cri­a­dos por em­pre­sas ex­ter­nas que po­dem ou não ga­ran­tir a ma­nu­ten­ção e fun­ci­o­na­li­da­de dos seus ser­vi­ços e por con­se­guin­te o fun­ci­o­na­men­to do nos­so hard­ware. Se is­so po­de ser re­la­ti­va­men­te bem acei­te nu­ma con­so­la de jo­gos ou lei­tor de me­dia por­tá­til de bai­xo cus­to, se­gu­ra­men­te não o se­rá quan­do acon­te­ce com o nos­so fri­go­rí­fi­co, car­ro ou até mes­mo a nos­sa ca­sa, que ain­da pre­ten­de­mos con­ti­nu­ar a uti­li­zar, mas dei­xa­mos de ter as ac­tu­a­li­za­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra os man­ter em ple­no fun­ci­o­na­men­to e prin­ci­pal­men­te em ple­na se­gu­ran­ça. Nor­mal­men­te, as­su­mi­mos que os nos­sos cus­tos de pos­se es­tão res­tri­tos ao va­lor de aqui­si­ção. Não te­mos no­ção dos cus­tos efec­ti­vos de ca­da uti­li­za­ção e ain­da es­ta­mos lon­ge de acei­tar o pa­ga­men­to de al­gum ti­po de va­lor de ma­nu­ten­ção do soft­ware que as­se­gu­ra a se­gu­ran­ça, no­vas fun­ci­o­na­li­da­des e bom fun­ci­o­na­men­to dos nos­sos equi­pa­men­tos. Is­to é al­go que de­ve­mos repensar com aten­ção, por­que aqui­lo de ad­qui­ri­mos dei­xa de ser nos­so a par­tir do mo­men­to em que não o po­de­mos con­ti­nu­ar a uti­li­zar.

(...) aqui­lo de ad­qui­ri­mos dei­xa de ser nos­so a par­tir do mo­men­to que não o po­de­mos con­ti­nu­ar a uti­li­zar

A N D R É G O N Ç A LV E S con­cept@hu­ma­noid.net

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.