Last Man Stan­ding

PC Guia - - ON -

Te­nho sau­da­des do tem­po em que trin­ta mi­nu­tos por se­ma­na bas­ta­vam pa­ra me ac­tu­a­li­zar so­bre os úl­ti­mos lan­ça­men­tos re­le­van­tes de soft­ware pa­ra iOS. Na ver­da­de, pas­sei anos a es­pe­rar que es­ses trin­ta mi­nu­tos não me che­gas­sem, o que só com­pro­va a te­o­ria de que ‘é pre­ci­so ter cui­da­do com o que de­se­ja­mos…’ Pa­ra es­tar ac­tu­a­li­za­do so­bre no­vi­da­des re­le­van­tes ou emer­gen­tes, te­nho um gru­po de ami­gos que, em di­ver­sas áre­as me ser­vem de fon­te ou de amos­tra­gem pa­ra o que “es­ti­ver a dar” no mer­ca­do. Pa­ra lá dos tops dos di­ver­sos mer­ca­dos, te­nho ou­tras fon­tes de in­for­ma­ção. E num mer­ca­do tão di­fí­cil co­mo o dos dez aos de­zas­seis, te­nho mes­mo “in­for­ma­do­res” es­pe­ci­ais. Foi por um des­ses jo­vens “in­for­ma­do­res” que fui as­sis­tin­do a mais um fe­nó­me­no de ven­das que dá pe­lo no­me de Fort­ni­te. Ape­sar de ser um jo­go on­li­ne, é mui­to mais que is­so e cor­po­ri­za um fe­nó­me­no cul­tu­ral (mais um) que tal­vez ex­pli­que que cen­to e vin­te e cin­co mi­lhões de al­mas o jo­guem com al­gu­ma re­gu­la­ri­da­de. Lan­ça­do pe­la EPIC em 2017, Fort­ni­te se­rá mui­to pro­va­vel­men­te o mai­or fe­nó­me­no do ga­ming on­li­ne em 2018 (e ain­da es­ta­mos a al­guns me­ses do fi­nal, con­ce­do). Não é na­da de ab­so­lu­ta­men­te avas­sa­la­dor do pon­to de vis­ta grá­fi­co ou de usa­bi­li­da­de, mas é um jo­go de so­bre­vi­vên­cia em que cem jo­ga­do­res se en­con­tram num es­pa­ço ma­pe­a­do, su­jei­tos a in­te­ra­ção até ao ‘last man stan­ding’. Mas dei­xo o jo­go em si pa­ra os ana­lis­tas, o que aqui me im­por­ta são ou­tras con­tas. Es­ta­mos a fa­lar de 125 mi­lhões de jo­ga­do­res (en­quan­to ler es­tas li­nhas o nú­me­ro de jo­ga­do­res es­ta­rá de­sac­tu­a­li­za­do em mui­tos mi­lha­res) e pa­ra que is­to acon­te­ça há uma re­gra de ou­ro que qual­quer pro­du­tor de soft­ware não po­de ig­no­rar: a dis­tri­bui­ção do tí­tu­lo. Fort­ni­te é mul­ti­pla­ta­for­ma. Che­ga a to­dos os mer­ca­dos e for­ma­tos. Com um pe­que­no de­ta­lhe: a pro­du­to­ra EPIC de­ci­diu não dis­tri­buir o tí­tu­lo pe­la Play Sto­re, o que sen­do in­co­mum, me­re­ce al­gu­ma re­fle­xão. Nu­ma es­ca­la tão gran­de quan­to es­ta (que qual­quer pro­gra­ma­dor de soft­ware gos­ta­ria de ter…), a pou­pan­ça de co­mis­sões a pa­gar à Go­o­gle es­tá es­ti­ma­da em cin­quen­ta mi­lhões de dó­la­res. Sim, leu bem, cin­quen­ta mi­lhões de dó­la­res que a EPIC dei­xa de ter de pa­gar nos 30% de co­mis­são do res­pec­ti­vo mar­ket e que em­bol­sa de­vi­do à dis­tri­bui­ção di­rec­ta. É ou­sa­da a de­ci­são, mas só é pos­sí­vel pe­la per­mis­si­vi­da­de das re­gras An­droid. Na sto­re on­de a se­gu­ran­ça fia mais fi­no (App Sto­re) não há cá fu­gas des­tas... é o pre­ço a pa­gar pe­lo des­can­so.

PE­DRO ANICETO aniceto@mac.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.