O FIM DO FAROESTE? OU O CO­ME­ÇO DA CENSURA ?

PC Guia - - CONTENTS - PE­DRO TRÓIA Di­rec­tor

An­to­nio Ta­ja­ni sau­dou a apro­va­ção da po­lé­mi­ca lei de re­for­ma de di­rei­tos de au­tor eu­ro­peia com a afir­ma­ção de que es­ta no­va di­rec­ti­va se­rá “o fim do faroeste di­gi­tal”. Co­mo pes­soa que an­da nis­to há al­gum tem­po, e com a al­gu­ma sa­be­do­ria que os meus qua­se 50 anos de vi­da me dão, o pre­si­den­te do Par­la­men­to Eu­ro­peu não po­dia es­tar tão lon­ge da ver­da­de. Quem pi­ra­teia vai con­ti­nu­ar a pi­ra­te­ar e quem con­so­me con­teú­dos “pi­ra­tas” vai con­ti­nu­ar a con­su­mi-los. As pla­ta­for­mas di­gi­tais mais co­nhe­ci­das po­dem im­por os fil­tros que qui­se­rem: os úni­cos que se­rão pre­ju­di­ca­dos se­rão os uti­li­za­do­res “le­gais” por­que, co­mo to­dos sa­be­mos (me­nos os de­pu­ta­dos eu­ro­peus), os fil­tros de uplo­ad não con­se­guem dis­tin­guir en­tre o que é uti­li­za­ção le­gal e ile­gal de um qual­quer con­teú­do. E se os ar­tis­tas, que tan­ta cam­pa­nha fi­ze­ram pe­la apro­va­ção des­ta di­rec­ti­va, acham que vão ga­nhar mais, po­dem ti­rar daí o sen­ti­do. Por fa­lar nis­to, al­guém sa­be se eles ga­nham mais por cau­sa da ta­xa que se pa­ga qu­an­do se com­pra um dis­po­si­ti­vo ca­paz de guar­dar con­teú­dos? Pois, eu tam­bém não… o que é cer­to é que eles se con­ti­nu­am a quei­xar. Ine­vi­ta­vel­men­te, a ten­dên­cia se­rá pa­ra alar­gar es­tes fil­tros a ou­tros as­pec­tos da nos­sa vi­da di­gi­tal e, as­sim, per­ver­ter com­ple­ta­men­te a ideia ini­ci­al da cri­a­ção des­te es­pa­ço, co­mo lo­cal de par­ti­lha li­vre de idei­as. Na prá­ti­ca, it­so vai con­di­ci­o­nar a for­ma co­mo os uti­li­za­do­res pen­sam e se­rá mui­to mais efi­caz que qual­quer ou­tra coi­sa pa­ra ten­tar eli­mi­nar al­go que não es­te­ja de acor­do com o sta­tus quo. Em Por­tu­gal já exis­te uma coi­sa al­go di­ta­to­ri­al que é uma lis­ta de si­tes que a blo­que­ar pe­los ISP pa­ra ten­tar evi­tar o aces­so por par­te do pú­bli­co. Tu­do sem pro­ces­so e con­tra­di­tó­rio, bas­ta es­cre­vi­nhar um URL num email (ou mes­mo nu­ma folha de pa­pel), en­viá-lo pa­ra os ISP e o si­te é blo­que­a­do. E is­to pas­sa-se num “es­ta­do de di­rei­to”… In­de­pen­den­te­men­te dis­to, os pi­ra­tas con­ti­nu­am a pi­ra­te­ar e os con­su­mi­do­res a con­su­mir. A li­ber­da­de, tão apre­go­a­da por to­dos da es­quer­da à di­rei­ta, é que fi­ca a per­der.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.