A In­ter­net é pa­ra os gran­des

PC Guia - - ON - AN­DRÉ GON­ÇAL­VES con­cept@hu­ma­noid.net

Es­te mês fi­cou mais uma vez mar­ca­do pe­la ne­ga­ti­va com a apro­va­ção da re­for­ma dos di­rei­tos de au­tor pe­lo Par­la­men­to Eu­ro­peu. De­pois de vá­ri­os mo­vi­men­tos on-li­ne co­mo o #Sa­veYourIn­ter­net, ma­ni­fes­ta­ções pú­bli­cas, bem fun­da­men­ta­das de es­pe­ci­a­lis­tas na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais e o cul­mi­nar com o chum­bo da re­for­ma em ju­nho des­te ano, mui­tos eu­ro­peus res­pi­ra­ram de alí­vio re­la­ti­va­men­te a es­te as­sun­to.

Mas em me­nos de dois me­ses (de silly se­a­son) a re­for­ma rein­ven­tou-se com 250 al­te­ra­ções “cos­mé­ti­cas”, man­te­ve o seu es­pí­ri­to e foi apro­va­da. Pa­ra mim o mais cho­can­te con­ti­nua a ser a fal­ta de en­ten­di­men­to do as­sun­to por par­te de quem vo­tou nes­ta re­for­ma. Uma re­for­ma que cla­ra­men­te apon­ta as su­as ar­mas aos gran­des gru­pos co­mer­ci­ais ame­ri­ca­nos da In­ter­net os co­nhe­ci­dos GAFA (Go­o­gle, Ap­ple, Fa­ce­bo­ok e Amazon) mas atin­ge fa­tal­men­te as pe­que­nas em­pre­sas, mui­tas de­les eu­ro­pei­as, que ten­tam cri­ar so­lu­ções al­ter­na­ti­vas a eles.

Os ar­ti­gos 11.º e 13.º des­ta re­for­ma (se­gu­ra­men­te os mais po­lé­mi­cos) man­ti­ve­ram a sua pre­sen­ça, exi­gin­do a cri­a­ção de fil­tros “má­gi­cos” que re­co­nhe­çem e re­mo­vem to­dos os con­teú­dos pas­sí­veis de di­rei­tos de au­tor que são par­ti­lha­dos pe­los uti­li­za­do­res nas pla­ta­for­mas, sen­do o de­ten­tor do ser­vi­ço res­pon­sá­vel pe­los cus­tos de uti­li­za­ção dos con­teú­dos sem au­to­ri­za­ção. Es­tes ar­ti­gos li­mi­tam tam­bém sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te os ter­mos e ca­pa­ci­da­des de ci­tar e pro­mo­ver li­ga­ções a con­teú­dos ex­ter­nos, al­go que atro­fia mui­tos dos con­cei­tos bá­si­cos da World Wi­de Web. Um es­for­ço que já se con­fir­mou in­fru­tí­fe­ro atra­vés das ten­ta­ti­vas de le­gis­la­ções na­ci­o­nais de paí­ses Eu­ro­peus co­mo a Es­pa­nha e a Ale­ma­nha.

O gran­de pro­ble­ma des­ta si­tu­a­ção é que os gran­des gru­pos são os úni­cos ca­pa­zes de sub­sis­tir a es­te ti­po de le­gis­la­ção, cri­an­do as es­tru­tu­ras ne­ces­sá­ri­as pa­ra o cum­pri­men­to das re­gras ou em úl­ti­mo ca­so pa­gar as mul­tas e di­rei­tos exi­gi­dos. A ubi­qui­da­de da In­ter­net e o po­der eco­nó­mi­co que acar­re­ta obri­ga a uma le­gis­la­ção es­pe­cí­fi­ca e efi­ci­en­te. Mas pa­ra que tal acon­te­ça é im­por­tan­te ou­vir aque­les que efec­ti­va­men­te in­ter­vêm ne­la de uma for­ma ac­ti­va e le­gí­ti­ma, e não apli­car re­gras pro­te­ci­o­nis­tas ba­se­a­das nas es­tru­tu­ras de fun­ci­o­na­men­to clás­si­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.