ASUS ROG ZEPHY­RUS GX501

Na al­tu­ra con­si­de­ra­do co­mo o por­tá­til de ga­ming mais po­ten­te e fi­no do mer­ca­do, o Zephy­rus GX501 im­pres­si­o­na por ter tan­to po­der de pro­ces­sa­dor a sair de um chas­sis tão es­trei­to.

PC Guia - - CAPA -

Fa­lar no Zephy­rus é co­mo fa­lar nu­ma es­pé­cie de “Lewis Ha­mil­ton” dos ul­tra­bo­oks: po­de-se não gos­tar de­le, do de­sign ou da mar­ca, mas nin­guém fi­ca in­di­fe­ren­te do desempenho dis­po­ni­bi­li­za­do por es­te chas­sis tão es­trei­to. Com uma al­tu­ra má­xi­ma de chas­sis de ape­nas 17,9 mm e ape­nas 2,2 kg (pa­ra um com­pu­ta­dor de cons­tru­ção to­tal­men­te me­tá­li­ca e com um dos mais avan­ça­dos sis­te­mas de ar­re­fe­ci­men­to do mer­ca­do), es­te por­tá­til des­ta­ca-se ain­da por usar uma ino­va­do­ra do­bra­di­ça: ao le­van­tar o ecrã, per­mi­te ele­var to­do o chas­sis, fa­ci­li­tan­do as­sim a cap­ta­ção de ar fres­co e a ex­trac­ção do quen­te.

LI­MI­TA­ÇÕES

Cla­ro que um chas­sis com es­tas ca­rac­te­rís­ti­cas aca­ba por ter as su­as li­mi­ta­ções, co­mo o fac­to de não exis­tir qual­quer ti­po de pos­si­bi­li­da­de de ex­pan­dir os seus com­po­nen­tes, nem mes­mo a me­mó­ria RAM, já que dos 24 GB do ti­po DDR4 dis­po­ní­veis, 8 es­tão sol­da­dos na mother­bo­ard e os res­tan­tes 16 es­tão num mó­du­lo de me­mó­ria SO-DIMM, atin­gin­do as­sim o li­mi­te de me­mó­ria su­por­ta­da pe­la mother­bo­ard do com­pu­ta­dor. Nem mes­mo no ar­ma­ze­na­men­to po­de­rá fa­zer al­gu­ma coi­sa, já que o mó­du­lo SSD de 512 GB es­tá tam­bém in­te­gra­do na mother­bo­ard. Por fim, te­mos aque­las que são as mai­o­res li­mi­ta­ções en­con­tra­das du­ran­te a uti­li­za­ção des­te equi­pa­men­to: a fal­ta de con­for­to pro­por­ci­o­na­da pe­la sua uti­li­za­ção de­vi­do à dis­po­si­ção dos seus pe­ri­fé­ri­cos, co­mo o tou­ch­pad co­lo­ca­do on­de de­ve­ria es­tar o te­cla­do nu­mé­ri­co, e o fac­to de o pró­prio te­cla­do es­tar po­si­ci­o­na­do na ex­tre­mi­da­de fron­tal do equi­pa­men­to, uma po­si­ção que foi, pa­ra nós, de­ma­si­a­do des­con­for­tá­vel. Es­te te­cla­do, po­rém, tem a par­ti­cu­la­ri­da­de de ter si­do de­sen­vol­vi­do a pen­sar no ga­ming (com a uti­li­za­ção de um sis­te­ma de re­troi­lu­mi­na­ção LED RGB atra­vés do sis­te­ma Asus Au­ra RGB), de ter as te­clas ‘QWER’ e ‘WASD’ em des­ta­que, de ter um mai­or cur­so (1,4 mm) em ca­da te­cla, e da cer­ti­fi­ca­ção da­da pe­la Asus: vin­te mi­lhões de cli­ques por te­cla.

DESEMPENHO

Além do chas­sis, o que di­fe­ren­cia es­te Asus ROG Zephy­rus dos res­tan­tes por­tá­teis é o fac­to de uti­li­zar um pro­ces­sa­dor In­tel Co­re i7-7700HQ de al­to desempenho e a já re­fe­ri­da pla­ca grá­fi­ca Nvidia GeFor­ce GTX 1080 Max-Q. Es­ta, in­fe­liz­men­te, não tem o mes­mo po­der de pro­ces­sa­men­to que uma GTX 1080 “tra­di­ci­o­nal”, vis­to es­tar li­mi­ta­da por ques­tões fí­si­cas, ou se­ja, se es­ti­ves­se a tra­ba­lhar com to­do o seu po­ten­ci­al, iria exi­gir a uti­li­za­ção de um cir­cui­to de ar­re­fe­ci­men­to sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te mai­or. Nes­te ca­so foi op­ti­mi­za­da pa­ra ti­rar par­ti­do da so­lu­ção tér­mi­ca pre­sen­te, so­lu­ção es­sa cri­a­da pe­la pró­pria Nvidia pa­ra dis­po­si­ti­vos se­me­lhan­tes (a Acer usa uma so­lu­ção idên­ti­ca no seu Pre­da­tor Tri­ton). Fal­ta des­ta­car um fac­to im­por­tan­te des­te com­pu­ta­dor – a uti­li­za­ção de um ecrã de 15,6 po­le­ga­das com re­so­lu­ção FullHD, com ma ta­xa de ac­tu­a­li­za­ção de 120 Hz e com­pa­ti­bi­li­da­de com a tec­no­lo­gia Nvidia G-Sync, pa­ra tor­nar a ima­gem mais su­a­ve e fluí­da. É ain­da pos­sí­vel li­gar es­te com­pu­ta­dor a mo­ni­to­res ex­ter­nos, bem co­mo a ócu­los de re­a­li­da­de vir­tu­al (co­mo HTC Vi­ve e Ocu­lus Rift) gra­ças às saí­das HDMI 2.0 e Dis­playPort, atra­vés da li­ga­ção USB 3.1 Gen2 Ty­pe-C (com­pa­tí­vel com Thun­der­bolt).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.