ON­DE CO­MER

Publico - Fugas - - CAPA -

se um blu­são não cons­ti­tuir um pro­ble­ma o pe­río­do que vai de No­vem­bro a Abril tam­bém pode en­cer­rar os seus en­can­tos, se bem que os ter­mó­me­tros va­ri­em en­tre os 0 e os 10 graus. Ja­nei­ro é, nes­ta fa­se, o mês que, em mé­dia, pro­por­ci­o­na tem­pe­ra­tu­ras mais bai­xas, não ra­ras ve­zes ne­ga­ti­vas, en­quan­to, no ou­tro ex­tre­mo, Agos­to é aque­le que se re­ve­la mais quen­te – mas quen­te sig­ni­fi­ca qual­quer coi­sa en­tre os 18 e 23 graus, uma vez mais em mé­dia. Ain­da que se dei­xe en­can­tar pe­lo cen­tro da cidade, o me­lhor mes­mo, lo­go que o ape­ti­te o acom­pa­nhe, é apres­sar o pas­so na di­rec­ção de Rüt­tens­cheid (para os mais ín­ti­mos o Rü) ou es­pe­rar pe­lo U11 que o dei­xa­rá em Mar­tins­tras­se, a cur­ta dis­tân­cia de um pe­que­no mun­do on­de os ba­res ri­va­li­zam com os res­tau­ran­tes. A es­co­lha pode re­ve­lar-se com­pli­ca­da mas não há na­da co­mo ex­pe­ri­men­tar para poder co­men­tar – ten­te o Zo­di­ac, fe­cha­do às ter­ças e aber­to so­men­te para jan­ta­res, na Wit­te­rings­tras­se, 41, um dos me­lho­res lo­cais para ve­ge­ta­ri­a­nos, o Raum.eins, na Rüt­tens­chei­der Stras­se, 154, com as su­as lu­zes que con­fe­rem ao es­pa­ço uma at­mos­fe­ra ín­ti­ma, sem esquecer a es­pla­na­da on­de pode be­ber uma cer­ve­ja an­tes da re­fei­ção, mas tam­bém o Ca­si­no Zoll­ve­rein, na Gel­sen­kir­ch­ner Stras­se, 181, on­de é acon­se­lhá­vel re­ser­var, ou, fi­nal­men­te, o Scho­te, na Em­mas­tras­se, 25, com uma cri­a­ti­vi­vi­da­de que mis­tu­ra sa­bo­res re­gi­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. su­pre­sa para to­dos aqueles que a de­fi­nem co­mo uma cidade in­dus­tri­al – pas­se pe­lo Co­los­seum, na Al­ten­do­fer Stras­se, 1, um te­a­tro que fun­ci­o­na nu­ma an­ti­ga fá­bri­ca do sé­cu­lo XIX, ex­pe­ri­men­te o Sa­al­bau, na Huys­se­nal­lee, 53, on­de a Or­ques­tra Fi­lar­mó­ni­ca ac­tua des­de 2004, fa­ça um es­for­ço para en­con­trar o Mu­dia Art, na Froh­nhau­ser Stras­se, 75, o pri­mei­ro tem­plo de dan­ça de Es­sen, tam­bém lo­ca­li­za­do nu­ma an­ti­ga fá­bri­ca; a es­ta ho­ra, de­pois de ter pre­en­chi­do a sua agen­da com to­dos es­tes e mais al­guns lo­cais, a cidade mi­nei­ra não se­rá mais uma cidade mi­nei­ra – se­rá uma ur­be que, sen­do ver­de, um es­ta­tu­to que o tem­po se en­car­re­ga­rá de fa­zer esquecer, re­ve­la tam­bém uma es­pe­ci­al ap­ti­dão para as ar­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.