MAN­JE­RI­CÃO, A “ALE­GRIA DA HOR­TA” – E OU­TRAS DI­CAS ÚTEIS

Publico - Fugas - - JARDINAGEM -

No li­vro A Hor­ta-Jardim Bi­o­ló­gi­ca, edi­ta­do em Por­tu­gal pe­la Ar­teP­lu­ral Edi­ções, Ma­ri­a­no Bu­e­no e Je­sús Ar­nau re­ve­lam inú­me­ras di­cas prá­ti­cas so­bre agri­cul­tu­ra bi­o­ló­gi­ca, co­mo cul­ti­var em es­pa­ços pe­que­nos ou quais as van­ta­gens em ter uma “hor­tajar­dim”. Fun­da­men­tal­men­te: ter um es­pa­ço ver­de que fun­ci­o­ne co­mo um “equi­lí­brio das du­as par­tes do ser hu­ma­no”, com uma “hor­ta que ali­men­ta o cor­po e um jardim que ali­men­ta o es­pí­ri­to”.

Ou­tra das van­ta­gens é apro­vei­tar as “si­ner­gi­as” que se cri­am en­tre algumas plan­tas e que tornam to­do o con­jun­to mais sau­dá­vel, vi­ço­so e pro­du­ti­vo. Nes­se cam­po, ne­nhu­ma é mais “so­ciá­vel” que o man­je­ri­cão. “Es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos com­pro­vam que é an­ti-de­pres­si­va e me­lho­ra o hu­mor. Em Es­pa­nha, di­ze­mos que é a ale­gria da hor­ta”. Para a pes­soa que a cul­ti­va e para as plan­tas que o cir­cun­dam. “Cres­cem me­lhor, não há pa­ra­si­tas e tem um aro­ma mui­to agra­dá­vel. É co­mo uma pes­soa mui­to ale­gre e sim­pá­ti­ca, que con­ta­gia os que a ro­dei­am”, des­cre­ve.

Além dis­so, a as­so­ci­a­ção en­tre di­fe­ren­tes es­pé­ci­es hor­tí­co­las per­mi­te ren­ta­bi­li­zar o es­pa­ço exis­ten­te. Por exem­plo, ter plan­tas al­tas jun­to ao pe­rí­me­tro

No en­tan­to, nas úl­ti­mas dé­ca­das, “so­ci­e­da­des tão ri­cas cul­tu­ral­men­te co­mo a por­tu­gue­sa e a es­pa­nho­la têm-se ven­di­do a mo­de­los de vi­da pu­ra­men­te nor­te-ame­ri­ca­nos, cor­po­ra­ti­vis­tas, eco­no­mi­cis­tas”, de­fen­de o es­pe­ci­a­lis­ta es­pa­nhol de 59 anos, ve­ge­ta­ri­a­no há 42. “Quan­do não sa­be­mos de on­de vem tu­do o que se co­me, há um de­sen­rai­za­men­to so­ci­al, per­dem- se as re­fe­rên­ci­as”, rei­te­ra. Há que re­cu­ar, vol­tar “a in­ter­li­gar a re­de hu­ma­na que a glo­ba­li­za­ção es­tá a des- do va­so ou do can­tei­ro (co­mo alho, alho fran­cês ou to­ma­tei­ros) e, ao cen­tro, es­pé­ci­es de por­te pe­que­no e re­don­do (al­fa­ces, cou­ves, rú­cu­la), in­ter­ca­la­das com es­pé­ci­es de raiz (co­mo as ce­bo­las). Sem esquecer as aro­má­ti­cas, co­mo o to­mi­lho, a sál­via, o ale­crim, que têm pro­pri­e­da­des me­di­ci­nais e aju­dam a tem­pe­rar as re­fei­ções.

O es­sen­ci­al, de­fen­de, é que “a ter­ra se­ja ne­gra”, ri­ca em nu­tri­en­tes, com “mui­ta ma­té­ria or­gâ­ni­ca, mui­to com­pos­to”. De­pois, o ide­al é dar-lhe, de vez em quan­do, uma do­se ex­tra de “co­mi­da rá­pi­da”, mas na­tu­ral: jun­tar hú­mus ne­gro, “pro­du­zi­do pe­las mi­nho­cas”, a um li­tro de água, agi­tar e “re­gar ou pul­ve­ri­zar di­rec­ta­men­te nas fo­lhas”.

Quem tem – ou qu­er ter – uma hor­ta na va­ran­da, pre­ci­sa ain­da de ter em con­ta a ex­po­si­ção so­lar. Se o es­pa­ço re­ce­be pou­ca luz, é pos­sí­vel “cri­ar to­das as plan­tas de fo­lha”, co­mo al­fa­ces e cou­ves, mas é me­lhor esquecer as plan­tas de fru­to, co­mo to­ma­tei­ros e pi­men­tei­ros. “Têm de re­ce­ber sol di­rec­to, se­não ca­em as flo­res mas não fru­ti­fi­cam”, in­di­ca. “Ou­tro pro­ble­ma que de­tec­tá­mos quan­do se cul­ti­va em va­so é o fac­to de se eva­po­rar mui­ta água por cau­sa do sol. A plan­ta so­fre mui­to e não cres­ce bem.” Nes­te ca­so, a so­lu­ção pas­sa por ins­ta­lar re­ga au­to­má­ti­ca go­ta-

truir” e a “res­pei­tar os ci­clos da na­tu­re­za”. Um pas­so de ca­da vez. Pri­mei­ro, enu­me­ra, há que re­co­nhe­cer “que a ali­men­ta­ção é a-go­ta ou plan­tar em hi­dro­va­sos (que po­dem ser ad­qui­ri­dos ou cons­truí­dos a par­tir de gar­ra­fões – o li­vro en­si­na co­mo).

E, de­pois, pro­cu­rar na co­zi­nha to­dos os re­mé­di­os para os ma­les que pos­sam sur­gir. Na agri­cul­tu­ra bi­o­ló­gi­ca, diz, há uma re­gra: “não po­nhas na­da nu­ma plan­ta que não usas­ses para tem­pe­rar uma sa­la­da”. Se tem fun­gos, há que jun­tar io­gur­te a um li­tro de água. Já as pul­gas não su­por­tam o pi­can­te (é mis­tu­rar três ma­la­gue­tas, três den­tes de alho e água) e os ca­ra­cóis o ca­fé. As les­mas, pe­lo con­trá­rio, ca­çam-se (ou afo­gam-se) com uma do­ce cer­ve­ja (qu­an­to mais ado­ci­ca­da me­lhor). E uma ar­te­sa­nal, ri­ca em or­ga­nis­mos pro­bió­ti­cos, aju­da as plan­tas a de­sen­vol­ve­rem de­fe­sas e dei­xa-as lo­go “mais con­ten­tes” (mis­tu­ra­da com água, uma vez por mês).

An­ti­ga­men­te, os agri­cul­to­res eram “mui­to con­ser­va­do­res”. “Não ou­sa­vam fa­zer gran­des al­te­ra­ções ou ex­pe­ri­ên­ci­as, por­que se cor­res­se mal per­di­am to­da a co­lhei­ta e pas­sa­vam fo­me.” Hoje em dia, um pe­que­no de­sai­re nu­ma pro­du­ção ca­sei­ra é mais fa­cil­men­te col­ma­ta­da, por is­so, de­fen­de Ma­ri­a­no Bu­e­no, o mais im­por­tan­te é “atre­ver­mo-nos a ex­pe­ri­men­tar”.

uma das ba­ses da saú­de” e pro­cu­rar aqui­lo que, den­tro do con­tex­to de ca­da um, é “mais aces­sí­vel eco­no­mi­ca­men­te e mais fá­cil de al­te­rar” nos há­bi­tos ali­men­ta­res. A es­co­lha pode re­cair na com­pra de pro­du­tos bi­o­ló­gi­cos cul­ti­va­dos nos ar­re­do­res da lo­ca­li­da­de on­de se re­si­de – apoi­an­do os pe­que­nos pro­du­to­res e con­tri­buin­do para a eco­no­mia lo­cal, ao mes­mo tem­po que se di­mi­nui a pe­ga­da eco­ló­gi­ca. Ou na cri­a­ção de uma pe­que­na hor­ta, na va­ran­da ou no quin­tal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.