“Aqui­lo é o Fai­al?” — e o ma­pa da es­co­la ga­nha vi­da à nos­sa fren­te

Publico - Fugas - - AS FUGAS DOS LEITORES -

Pou­sa­mos na Dor­sal Mé­dia do Atlân­ti­co, ater­ran­do no Pi­co vin­dos de São Mi­guel. Há uma mon­ta­nha à nos­sa fren­te que, pa­ra­do­xal­men­te, não é o Pi­co, es­con­di­do pe­las nu­vens e pe­la oro­gra­fia da ilha. A mon­ta­nha é o Fai­al, uma man­cha ver­de imen­sa que mer­gu­lha no céu a par­tir da água.

São Jor­ge já nos ha­via des­lum­bra­do do al­to en­quan­to a so­bre­voá­mos no pe­que­no avião a hé­li­ce que nos trou­xe­ra de Pon­ta Del­ga­da. Por is­so, na pis­ta do ae­ro­por­to, a ilha no­vi­da­de con­vo­ca-nos o olhar e se­gu­ra-nos a aten­ção de mo­do qua­se ti­râ­ni­co.

Mur­mu­ra­mos “Aqui­lo é o Fai­al?” en­quan­to sen­ti­mos que o ma­pa vis­to ve­zes sem con­ta des­de a es­co­la pri­má­ria es­tá a ser tra­zi­do à vi­da mes­mo à nos­sa fren­te.

Fi­ca-se a olhar para aque­le Fai­al do ou­tro mun­do, com co­res que ne­nhu­ma pa­le­ta ou má­qui­na so­fis­ti­ca­da pode re­pro­du­zir. Co­mo é que a li­tos­fe­ra pro­du­ziu aque­las ilhas no meio da tor­men­ta oceâ­ni­ca, co­mo é que ge­rou ir­mãs tão pró­xi­mas e que mi­la­gre é este de fa­zer bro­tar um jo­vem ar­qui­pé­la­go a mil mi­lhas da Ter­ra Mãe?

Si­de­ra­dos, fo­mos bus­car o car­ro que tí­nha­mos alu­ga­do há um par de di­as a par­tir do só­li­do con­ti­nen­te. Pi­sa­mos chão com 200 mil anos e mes­mo olhos lei­gos o no­tam. Se a Eu­ro­pa fos­se um ho­mem de meia-ida­de, o Pi­co te­ria nas­ci­do na vés­pe­ra. É um be­bé bru­to, es­cu­ro, mis­te­ri­o­so e de vo­lu­me au­men­ta­do. Os diá­lo­gos bre­ves que en­ta­bu­la­mos não de­vem di­fe­rir mui­to dos dos as­tro­nau­tas na Lua.

Vi­a­ja­mos até S. Ro­que do Pi­co pe­la es­tra­da que bor­de­ja a cos­ta nor­te da ilha. São Jor­ge to­ma o ho­ri­zon­te e tor­na-se qua­se di­fí­cil con­du­zir na nos­sa ilha sem ti­rar os olhos da ou­tra. À dis­tân­cia, que é de uma de­ze­na de mi­lhas, pa­re­ce um dor­so, uma co­lu­na ver­te­bral sa­li­en­te. Por ve­zes as­se­me­lha-se ao mons­tro de Lo­ch Ness, mu­dan­do con­ti­nu­a­men­te de fei­ção à me­di­da que avan­ça­mos pe­la es­tra­da da ilha que pi­sa­mos.

Des­te la­do a pai­sa­gem de­vo­ra os pou­cos ca­sa­ri­os que se en­con­tram pe­lo ca­mi­nho, não se po­den­do di­zer que atra­ves­sa­mos vi­las ou al­dei­as. São lu­ga­res, tal­vez a for­ma mais ade­qua­da de vi­ver nu­ma ilha pou­co po­vo­a­da e que ga­nha al­ti­tu­de com ra­pi­dez al­pi­na.

À me­di­da que es­cu­re­ce e o cre­pús­cu­lo náu­ti­co to­ma o lu­gar do ci­vil, São Jor­ge en­gri­nal­da­se. As cons­te­la­ções, ful­gu­ran­tes na­que­le céu sem des­tro­ços de luz ter­re­na, pa­re­cem cair so­bre a ilha, me­ta­mor­fo­se­an­do-se em vi­las, al­dei­as, ca­mi­nhos e re­can­tos. Um en­can­to, um fei­ti­ço. Ali, a umas qu­an­tas bra­ças de mar, es­tá ou­tro mun­do, um mun­do que ape­te­ce pi­sar, chei­rar e pro­var.

Jan­ta­mos ra­pi­da­men­te num res­tau­ran­te com uma vis­ta que não ca­be em pa­pel e me­te­mo-nos no car­ro dis­pos­tos a su­bir um pou­co a mon­ta­nha. O ter­mó­me­tro pa­re­ce to­ma­do da pre­ci­são de um al­tí­me­tro e a ca­dên­cia da des­ci­da da tem­pe­ra­tu­ra é im­pres­si­o­nan­te.

O céu es­tá nu­bla­do, mas ain­da se vêem algumas es­tre­las e tre­chos de Via Lác­tea nu­ma to­na­li­da­de in­des­cri­tí­vel. Ori­on pa­re­ce à dis­tân­cia de um pu­lo mais vi­go­ro­so e Jú­pi­ter uma lan­ter­na apon­ta­da para nós. As nu­vens aden­sam-se e to­mam o céu, pa­re­cen­do su­ge­rir-nos que nos re­co­lha­mos e que guar­de­mos a su­bi­da para o dia se­guin­te.

To­dos os di­as há um no­vo dia a es­tre­ar, e a ma­dru­ga­da e a pro­mes­sa da des­co­ber­ta acor­dam­nos e em­pur­ram-nos com ve­e­mên­cia para a rua. Re­pe­ti­mos a es­tra­da de on­tem, mas des­ta vez com a luz ben­di­ta da ma­nhã.

To­das as to­na­li­da­des de ver­de, ou­ro e azul se pas­sei­am por nós na su­bi­da. A es­tra­da é es­trei­ta e pre­ta e o pi­so ir­re­pre­en­sí­vel. O tra­ce­ja­do branco do cen­tro pa­re­ce igual aos dos brin­que­dos. So­mos os úni­cos pas­se­an­tes e não se vê mais car­ro nenhum.

Há fi­a­pos de nu­vens e a me­te­o­ro­lo­gia pro­me­te não pro­me­ter na­da. Atrás de nós, São Jor­ge des­ce com o mar à volta e tor­na a mudar de apa­rên­cia de mo­do qua­se con­tí­nuo. As in­di­ca­ções na es­tra­da são des­ne­ces­sá­ri­as, bas­ta su­bir e tor­nar a su­bir, mas fi­nal­men­te um si­nal aos vi­a­jan­tes: La­jes do Pi­co em fren­te, Ma­da­le­na para a di­rei­ta. Para a fren­te des­ce­mos no­va­men­te para o mar, para a di­rei­ta en­tra­mos nu­ma es­pé­cie de pla­nal­to que aco­lhe o cu­me.

Cla­ro que to­ma­mos o ru­mo da Ma­da­le­na. Pedro Co­trim

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.