Lis­boa é “linda” e “úni­ca”. “Se­nhor au­tar­ca, não a ar­ran­je mais”

Publico - Fugas - - ZOOM -

me­di­da que o Ve­rão se apro­xi­ma, Lis­boa vol­ta a sur­gir em for­ça na im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal, des­fi­lan­do en­tre elo­gi­os, da CNN ao The Gu­ar­di­an, do El País ao The Te­le­graph.

No El País, o no­vo ta­pe­te de cal­ça­da por­tu­gue­sa do Cais do So­dré, que o jor­nal es­pa­nhol de­fi­ne co­mo sen­do o “cen­tro tu­rís­ti­co de Lis­boa”, é um “es­pec­tá­cu­lo” que dei­xa os tu­ris­tas “bo­qui­a­ber­tos”, en­quan­to ti­ram fo­to­gra­fi­as aos cal­ce­tei­ros, que trabalham in­di­fe­ren­tes aos dis­pa­ros das fo­to­gra­fi­as. Os “bor­da­dos de pe­dra ne­gra” sur­gem em des­ta­que no ar­ti­go que o jor­nal es­pa­nhol de­di­cou à ca­pi­tal por­tu­gue­sa, se­gui­dos de mais “30 ex­pe­ri­ên­ci­as úni­cas em Lis­boa”.

A mar­gem di­rei­ta do Te­jo tor­nou­se uma “pe­re­gri­na­ção contínua de tu­ris­tas”, que sal­tam de bar em es­pla­na­da, de res­tau­ran­te em dis­co­te­ca, en­tre ca­sas icó­ni­cas e es­pa­ços da mo­da. “Lis­boa man­tém a ten­são en­tre a tra­di­ção, que lhe dá a sua sin­gu­la­ri­da­de, e a mo­der­ni­da­de, que lhe dá o di­nhei­ro pa­ra le­van­tar os pa­lá­ci­os que caíam em de­ca­dên­cia”, des­cre­ve o au­tor do ar­ti­go.

Ape­sar das no­vas e mo­der­nas atrac­ções da ca­pi­tal por­tu­gue­sa tra­ze­rem ca­da vez mais tu­ris­tas à ci­da­de — re­fe­rên­cia à “me­ga­lo­ma­nia ar­qui­tec­tó­ni­ca do MAAT” —, Ja­vi­er Mar­tín dei­xa um con­se­lho ao “se­nhor au­tar­ca”: “Lis­boa é linda, Lis­boa é úni­ca, não a ar­ran­je mais”. De­pois elen­ca “dez atrac­ções que não exis­ti­am há um ano”: o miradouro do cen­tro co­mer­ci­al das Amo­rei­ras; Mu­seu de Ar­qui­tec­tu­ra, Ar­te e Tec­no­lo­gia (MAAT); Mu­seu do Di­nhei­ro; Mu­seu de Art Dé­co; jar­dins do Pa­lá­cio de São Ben­to; no­vos res­tau­ran­tes dis­tin­gui­dos com es­tre­las Mi­che­lin; terminal de cruzeiros de San­ta Apo­ló­nia; Cam­po das Ce­bo­las; ex­po­si­ção so­bre Al­ma­da Ne­grei­ros da Fun­da­ção Gulbenkian; e o re­gres­so do Web Sum­mit. O ar­ti­go elen­ca ain­da “dez res­tau­ran­tes au­tên­ti­cos” e “dez ex­pe­ri­ên­ci­as úni­cas”, co­mo “re­zar” na igre­ja de São Ro­que ou as­sis­tir ao ama­nhe­cer no Pa­lá­cio de Bel­mon­te.

Já o bri­tâ­ni­co The Te­le­graph dá “19 ra­zões” pa­ra que Lis­boa es­te­ja en­tre os pró­xi­mos des­ti­nos pa­ra uma “es- ca­pa­da ci­ta­di­na”, op­tan­do por um le­que de su­ges­tões mais pre­vi­sí­vel. Em pri­mei­ro lu­gar, re­fe­re os três no­vos res­tau­ran­tes da ci­da­de ga­lar­do­a­dos com uma es­tre­la Mi­che­lin (Lo­co, Al­ma e LAB by Ser­gi Aro­la), se­guin­do de­pois pa­ra o cus­to de vi­da na ci­da­de.

En­tre as su­ges­tões es­tão ain­da al- gu­mas das atrac­ções tu­rís­ti­cas mais afa­ma­das de Lis­boa: o Pa­drão dos Des­co­bri­men­tos e o Mosteiro dos Je­ró­ni­mos, os eléc­tri­cos e os as­cen­so­res tra­di­ci­o­nais, o “as­sus­ta­dor” ele­va­dor de San­ta Justa, os en­chi­dos, o vi­nho do Por­to e os pas­téis de Be­lém, o Cris­to Rei, a ar­te ur­ba­na, a pon­te Vas­co da Ga­ma, as vis­tas que se al­can­çam das se­te co­li­nas e dos ba­res que têm nas­ci­do nos ter­ra­ços da ci­da­de, o sol, as prai­as “a 30 mi­nu­tos de dis­tân­cia”, Sintra e, por úl­ti­mo, um “ae­ro­por­to con­ve­ni­en­te”, lo­ca­li­za­do “ape­nas a 6,2 qui­ló­me­tros do cen­tro da ci­da­de”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.