A jóia da co­roa e da co­zi­nha so­bre os car­ris do Dou­ro

Publico - Fugas - - PASSEIO -

É des­cri­ta co­mo uma “ex­pe­ri­ên­cia gas­tro­nó­mi­ca de lu­xo”, que reú­ne no mes­mo es­pa­ço os me­lho­res vi­nhos do Dou­ro, pro­du­tos lo­cais e três chefs es­tre­la­dos, mas o úni­co que me­re­ce as cin­co es­tre­las é mes­mo o Com­boio Pre­si­den­ci­al. E o res­to é pai­sa­gem (mas que pai­sa­gem). Re­na­ta Mon­tei­ro

As vi­a­gens pe­lo Dou­ro num com­boio que pa­re­ce saí­do de um con­to de fa­das co­me­ça­ram o ano pas­sa­do. E, co­mo qua­se to­dos os con­tos de fa­das, co­me­ça­ram com uma his­tó­ria de amor. Ain­da por ci­ma, um amor à pri­mei­ra vis­ta.

Gon­ça­lo Cas­tel-Bran­co es­ta­va à pro­cu­ra de um com­boio an­ti­go pa­ra ar­ran­car um ou­tro pro­jec­to com con­cer­tos a bor­do, uma pai­xão an­ti­ga que co­me­çou nu­ma vi­a­gem pe­los Es­ta­dos Uni­dos, quan­do en­con­trou o ve­lhi­nho Com­boio Pre­si­den­ci­al. Ago­ra, per­mi­tam-nos des­cre­vê-lo ao por­me­nor pa­ra que per­ce­bam a as­so­ber­ba­da re­ac­ção do em­pre­sá­rio mal des­co­briu que a mais char­mo­sa aqui­si­ção do Mu­seu Na­ci­o­nal Fer­ro­viá­rio ti­nha si­do res­tau­ra­da e ain­da an­da­va.

Sa­be-se que qual­quer por­tu­en­se se or­gu­lha da Es­ta­ção de São Ben­to e dos his­tó­ri­cos pai­néis de azu­le­jos azuis que a re­ves­tem. E qual­quer por­tu­en­se sa­be o que é ten­tar apa­nhar o com­boio e lan­çar-se nu­ma ver­da­dei­ra cor­ri­da de obs­tá­cu­los en­tre de­ze­nas de tu­ris­tas de câ­ma­ra apon­ta­da pa­ra es­te edi­fí­cio cen­te­ná­rio.

No en­tan­to, às 10h30 da ma­nhã do dia em que a Fu­gas fez a vi­a­gem no Pre­si­den­ci­al, to­das es­tas câ­ma­ras dos mui­tos tu­ris­tas que apro­vei­ta­vam o dia de sol es­ta­vam apon­ta­das pa­ra um com­boio que es­pe­ra­va, pa­ci­en­te, a hora da par­ti­da na linha 6. Du­ran­te as res­tan­tes no­ve ho­ras da jor­na­da, vá­ri­as ou­tras câ­ma­ras vol­ta­ri­am a vi­rar cos­tas às ine­bri­an­tes mar­gens do rio pa­ra apon­tar a len­te às li­nhas fer­ro­viá­ri­as do Dou­ro.

Afi­nal, não se­rá to­dos os di­as que se vê par­te integrante do pa­tri­mó­nio na­ci­o­nal fo­ra de um mu­seu, com­ple­ta­men­te res­tau­ra­do e pron­to a se­guir ca­mi­nho a to­do o va­por.

A his­tó­ria do Pre­si­den­ci­al ini­cia-se com ou­tro no­me, na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XIX, cer­ca de 1890, quan­do foi man­da­do cons­truir por D. Luís I, na al­tu­ra em que co­me­ça­ram a sur­gir os pri­mei­ros com­boi­os re­ais. Com pom­pa e mui­ta cir­cuns­tân­cia, es­te mes­mo com­boio, que du­ran­te as úl­ti­mas du­as se­ma­nas fez vi­a­gens tu­rís­ti­cas, es­ta­va ha­bi­tu­a­do a trans­por­tar reis, rai­nhas (mui­tos anos de­pois trans­por­ta­ria a Rai­nha Isa­bel II) e im­pe­ra­do­res.

Ini­ci­al­men­te era cons­ti­tuí­do por três sa­lões so­bre car­ris cons­truí­dos nu­ma fa­mo­sa ca­sa fran­ce­sa. O sa­lão re­al, o dos mi­nis­tros e o res­tau­ran­te (além de um fur­gão pa­ra co­lo­car as ba­ga­gens) eram pu­xa­dos por uma lo­co­mo­ti­va a va­por.

Mais tar­de, quan­do em 1910 se im­plan­ta a 1.ª Re­pú­bli­ca, o com­boio pas­sou a Pre­si­den­ci­al e fi­cou des­ti­na­do ao che­fe de Es­ta­do e seus mi­nis­tros e ga­nhou mais car­ru­a­gens, pas­san­do a ter um sa­lão pre­si­den­ci­al pa­ra as fi­gu­ras do es­ta­do a que se con­tra­pu­nha ou­tra car­ru­a­gem, na pon­ta opos­ta, des­ti­na­da aos jor­na­lis­tas. O com­boio já re­no­va­do per­cor­reu os ca­mi­nhos- de-fer­ro por­tu­gue­ses até 1970, ano da sua úl­ti­ma vi­a­gem até ao funeral de An­tó­nio Oli­vei­ra Sa­la­zar, des­de uma es­ta­ção im­pro­vi­sa­da em fren­te aos Je­ró­ni­mos até San­ta Com­ba Dão.

A dis­tân­cia en­tre car­ru­a­gens de go­ver­nan­tes e re­pór­te­res não era, por­tan­to, coin­ci­dên­cia e tan­tos anos de­pois os lu­ga­res da vi­a­gem de inau­gu­ra­ção da edi­ção da Pri­ma­ve­ra, no dia 3 de Maio, ain­da res­pei­ta­ram es­ta se­pa­ra­ção.

O es­pan­to ao en­trar nas res­pec­ti­vas car­ru­a­gens, no en­tan­to, foi co­mum a am­bas as par­tes. Do ex­te­ri­or, pin­ta­do em azul e ver­me­lho com apon­ta­men­tos em dou­ra­do, já se con­se­gui­am ver pe­las ja­ne­las al­guns dos de­ta­lhes do in­te­ri­or, re­ves­ti­do em ma­dei­ra.

Ou­vi­am- se com­pa­ra­ções di­vi­di­das en­tre os pla­nos ci­ne­ma­to­grá­fi­cos saí­dos do ima­gi­ná­rio do ame­ri­ca­no Wes An­der­son e o fa­mo­so com­boio de lon­gas dis­tân­ci­as, es­te bem re­al e a que cha­ma­ram o Ex­pres­so do Ori­en­te.

Per­cor­ren­do a pla­ta­for­ma da es­ta­ção via-se den­tro do com­boio um pi­a­no, um res­tau­ran­te (com mui­tos co­pos de vi­dro que, por sor­te ou mes­tria dos alu­nos da Es­co­la de Ho­te­la­ria e Tu­ris­mo do Por­to, che­ga­ram in­tac­tos ao fim de no­ve ho­ras de so­la­van­cos), e uma aper­ta­da co­zi­nha im­pro­vi­sa­da no va­gão on­de an­tes eram trans­por­ta­das ba­ga­gens, cor­reio e ani­mais vi­vos.

É den­tro des­te com­par­ti­men­to que três chefs pre­mi­a­dos com es­tre­las Mi­che­lin fo­ram de­sa­fi­a­dos a co­zi­nhar, por dia, 64 re­fei­ções gour­met sem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.