Vinho e cor­ti­ça, uma re­la­ção à pro­va do tem­po

Publico - Fugas - - VINHOS -

Ocres­ci­men­to no­tá­vel das ex­por­ta­ções na­ci­o­nais de cor­ti­ça, mais de 25% em oi­to anos, ape­nas foi pos­sí­vel por uma con­ju­ga­ção de fac­to­res: é, con­sis­ten­te­men­te, o ve­dan­te pre­fe­ri­do de quem faz vinho, de quem ven­de vinho e de quem con­so­me vinho.

O ac­tu­al su­ces­so da cor­ti­ça co­mo ele­men­to cru­ci­al no pac­ka­ging de vinho de qua­li­da­de é tal que, cen­te­nas de anos após o iní­cio da sua uti­li­za­ção, a cor­ti­ça é uti­li­za­da mun­di­al­men­te em se­te de ca­da 10 gar­ra­fas de vinho. Efec­ti­va­men­te, de um uni­ver­so de cer­ca de 18 mil mi­lhões de gar­ra­fas, apro­xi­ma­da­men­te 12 mil mi­lhões op­tam pe­la cor­ti­ça.

Tal re­gis­to his­tó­ri­co é ali­cer­ça­do num de­sem­pe­nho téc­ni­co ab­so­lu­ta­men­te in­ques­ti­o­ná­vel. O que não é o mes­mo que ofe­re­cer fal­sas pro­mes­sas de per­fei­ção. Foi imen­so o in­ves­ti­men­to e o tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do ao lon­go dos úl­ti­mos 15 anos por um sec­tor eco­nó­mi­co que te­ve, em 2016, um ano re­cor­de com qua­se 940 mi­lhões de eu­ros de ex­por­ta­ções. De­pois de anos com­pli­ca­dos, al­guns dos mai­o­res no­mes da in­dús­tria vi­ní­co­la mun­di­al ex­pres­sam, hoje, a sua pre­fe­rên­cia pe­la cor­ti­ça e o seu re­co­nhe­ci­men­to pe­los avan­ços téc­ni­cos ob­ti­dos. No­mes tão di­ver­sos co­mo Jo­sep Ro­ca ( som­me­li­er do El Cel­ler de Can Ro­ca, que já foi con­si­de­ra­do o me­lhor res­tau­ran­te do mun­do), Pe­ter Sis­seck do Do­mi­nio de Pin­gus, Ber­nard No­blet do Do­mai­ne de la Ro­ma­née-Con­ti, Ca­rol An­dré da Che­val Blanc, Co­rey Beck da Fran­cis Ford Cop­po­la, Ber­nard Ma­grez, ou San­dri­ne Gar­bay da Cha­te­au d’Yquem.

Pa­ra­le­la­men­te, inú­me­ras ou­tras ca­ves, co­mo Do­mai­ne La­ro­che, Klein Cons­tan­tia, Rus­den Wi­nes, St Fran­cis ou Sa­cred Hill, de­pois de ex­pe­ri­men­ta­rem so­lu­ções al­ter­na­ti­vas, re­gres­sa­ram à ro­lha de cor­ti­ça por con­si­de­rar que es­ta su­pe­ra, cla­ra­men­te, os ve­dan­tes ar­ti­fi­ci­ais.

Es­te ti­po de re­co­nhe­ci­men­to, in­con­tor­ná­vel pe­la sua di­men­são e re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de, é im­por­tan­te pa­ra a in­dús­tria da cor­ti­ça na­ci­o­nal e, si­mul­ta­ne­a­men­te, não dei­xa­rá de ser tam­bém po­si­ti­vo pa­ra a ima­gem do nos­so país.

Pa­ra­le­la­men­te ao de­sem­pe­nho téc­ni­co e ino­va­ção, for­mal­men­te re­co­nhe­ci­da in­clu­si­va­men­te por en­ti­da­des de re­fe­rên­cia téc­ni­ca e ci­en­tí­fi­ca da in­dús­tria do vinho co­mo AWRI (Aus­trá­lia) ou Gei­se­nheim (Ale­ma­nha), é tam­bém im­por­tan­te con­si­de­rar, a ní­vel mun­di­al, a es­ma­ga­do­ra pre­fe­rên­cia dos con­su­mi­do­res de vinho pe­la cor­ti­ça, pe­las su­as cre­den­ci­ais úni­cas a ní­vel téc­ni­co e am­bi­en­tal e co­mo ma­te­ri­al pre­mium. Es­tu­dos re­a­li­za­dos em di­ver­sos mer­ca­dos cons­ta­tam que a ro­lha de cor­ti­ça é a pre­fe­ri­da pe­la mai­o­ria dos con­su­mi­do­res e que es­tes as­so­ci­am as ro­lhas de cor­ti­ça a vi­nhos de qua­li­da­de. Des­ta­cá­va­mos a pes­qui­sa da CTR Mar­ket Re­se­ar­ch, que apon­ta pa­ra 89% de pre­fe­rên­cia dos chi­ne­ses pe­la ro­lha de cor­ti­ça e, ain­da, na­que­le que é o mais im­por­tan­te mer­ca­do de vinho do mun­do, e co­mo tal es­tru­tu­ran­te pa­ra o co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal dos mer­ca­dos vi­ní­co­las, da­dos da Tra­gon Cor­po­ra­ti­on mos­tram que 93% dos nor­te-ame­ri­ca­nos re­fe­re que a cor­ti­ça lhes in­di­ca um vinho de al­ta qua­li­da­de.

Da­dos da con­sul­to­ra AC Ni­el­sen, nos EUA, re­fe­rem que, en­tre os vi­nhos mais ven­di­dos nes­te mer­ca­do, aque­les que op­tam pe­la cor­ti­ça che­gam a ob­ter um pre­ço por gar­ra­fa até USD 3,77 su­pe­ri­or aos seus con­gé­ne­res que usam ve­dan­tes ar­ti­fi­ci­ais, de­mons­tra­ção de que a cor­ti­ça não só é a pre­fe­ri­da dos con­su­mi­do­res co­mo tam­bém apor­ta va­lor a uma gar­ra­fa de vinho.

To­do es­te su­ces­so é fruto de um ca­mi­nho que o sec­tor tem vin­do a per­cor­rer e das cen­te­nas de mi­lhões de eu­ros in­ves­ti­dos na re­no­va­ção dos pro­ces­sos e pro­du­tos, em ino­va­ção e de­sen­vol­vi­men­to. De igual for­ma, apos­ta­mos na política de co­mu­ni­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal, na me­lho­ria dos re­cur­sos hu­ma­nos e su­as qua­li­fi­ca­ções. Sa­be­mos que ain­da não che­gá­mos a to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes nes­te pro­ces­so, in­clu­si­ve re­co­nhe­ce­mos a ne­ces­si­da­de de apos­tar mais na co­mu­ni­ca­ção den­tro do nos­so país on­de, co­mo tan­tas ou­tras ve­zes já acon­te­ceu, se sa­be me­nos so­bre os avan­ços con­se­gui­dos do que no es­tran­gei­ro.

Dei­xa­mos aqui o com­pro­mis­so da APCOR, jun­ta­men­te com to­da a fi­lei­ra na­ci­o­nal da cor­ti­ça, em con­ti­nu­ar o pro­gres­so ob­ti­do nos úl­ti­mos anos, não dei­xan­do que nem a crí­ti­ca ig­no­ran­te nem o aplau­so jus­ti­fi­ca­do nos dis­trai­am da ta­re­fa cru­ci­al de con­ti­nu­ar a me­lho­rar o de­sem­pe­nho de uma das pro­po­si­ções de pac­ka­ging com mais êxi­to da his­tó­ria. João Rui Fer­rei­ra Pre­si­den­te da APCOR

Em al­guns paí­ses da Eu­ro­pa, Por­tu­gal in­cluí­do, a vin­di­ma des­te ano já es­tá se­ri­a­men­te com­pro­me­ti­da. As for­tes ge­a­das que caí­ram nos úl­ti­mos di­as de Abril qu­ei­ma­ram de­ze­nas de mi­lha­res de hectares de vi­nhas. Mes­mo que as vi­dei­ras re­cu­pe­rem — e a mai­o­ria re­cu­pe­ra —, os ca­chos atin­gi­dos já não vão pro­du­zir.

Mais de 70% das vi­nhas de SaintE­mil­li­on, La­lan­de de Po­me­rol e Cas­til­lon, na re­gião de Bor­déus, fo­ram afec­ta­das. Nos co­nhe­ci­dos Cha­te­au An­gé­lus e Che­val Blanc, os pre­juí­zos são avul­ta­dos. Na noi­te de mai­or im­pac­to, de 26 pa­ra 27 de Abril, as tem­pe­ra­tu­ras che­ga­ram a des­cer aos 4 graus ne­ga­ti­vos, um fe­nó­me­no ra­ro. A úl­ti­ma gran­de ge­a­da ne­gra ti­nha acon­te­ci­do em 1991.

Lan­gue­doc e Va­le do Loi­re fo­ram ou­tras das re­giões fran­ce­sas mais atin­gi­das. Nes­ta úl­ti­ma, a que­bra es­pe­ra­da na pro­du­ção é da or­dem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.