ONDE FI­CAR

Publico - Fugas - - CAPA -

Mun­di­al da Hu­ma­ni­da­de, tal co­mo Ti­pa­sa, a uns 70 qui­ló­me­tros de Ar­gel.

Um ga­lo can­ta ao lon­ge, no úni­co si­nal de vi­da na imen­sa pai­sa­gem es­ca­la­da em tons só­bri­os. Há uma paz den­sa, úni­ca nes­te so­lo es­que­ci­do há 1500 anos. Es­ta­mos sobre an­ti­ga Ro­ma, que em mi­lha­res de pe­dras gas­tas se es­praia di­an­te de nós até qua­se onde o olhar con­se­gue atin­gir. Ruí­nas e im­po­nen­tes mon­ta­nhas, num ce­ná­rio pra­ti­ca­men­te ín­ti­mo: é dia de se­ma­na e es­ta­mos sós. Vi­si­tar a mai­or ruí­na ro­ma­na – ex­ce­len­te­men­te pre­ser­va­da, in­cluin­do os ar­te­fac­tos ex­pos­tos no museu ad­ja­cen­te - do Nor­te de Áfri­ca exi­ge ape­nas um cur­to des­vio na ro­ta Cons­tan­ti­na-Ar­gel.

Tim­gad fi­ca 120 qui­ló­me­tros a sul de Cons­tan­ti­na e en­ten­de-se a di­fe­ren­ça quan­do um lo­cal his­tó­ri­co é vi­si­ta­do a um sábado, cla­ra­men­te mais bu­li­ço­so. Quan­do em 1765 o ex­plo­ra­dor e es­cri­tor es­co­cês Ja­mes Bru­ce des­co­briu um ar­co do triun­fo ro­ma­no es­con­di­do sob as arei­as, cer­ta­men­te fi­cou in­cré­du­lo. Des­co­nhe­ce­ria que ti­nha en­con­tra­do a mai­or ci­vi­da­de do Im­pé­rio no Nor­te de Áfri­ca: a ve­lha Tha­mu­ga­di, ho­je Tim­gad. A ideia de Ro­ma era au­men­tar o do­mí­nio e in­fluên­cia nes­ta parte do Con­ti­nen­te, pro­te­gen­do as ro­tas comerciais e os ha­bi­tan­tes da re­gião con­tra os ata­ques nos nó­ma­das e ber­be­res do sul.

O te­a­tro, com uma acús­ti­ca ainda ho­je no­tá­vel, re­sis­tiu às in­va­sões ára­bes e ber­be­res e con­ti­nua a re­ce­ber es­pec­tá­cu­los de ar­tis­tas de todo o Me­di­ter­râ­neo. Ven­do bem, pa­re­ce que to­da a Ar­gé­lia nos é ser­vi­da num ilus­tre pal­co.

Um úl­ti­mo se­gre­do: a me­nos de 100 qui­ló­me­tros de Tim­gad, as gar­gan­tas de Ghou­fi são um dos ce­ná­ri­os na­tu­rais mais ad­mi­rá­veis do pla­ne­ta. Os ber­be­res sa­bi­am-no. A UNESCO e nós tam­bém.

Se não do­mi­na o ára­be ou al­gum dos muitos di­a­lec­tos ber­be­res do país, o me­lhor se­rá de­sen­fer­ru­jar o seu fran­cês, já que o in­glês es­tá pou­co dis­se­mi­na­do no país. Que a lín­gua não se­ja um obs­tá­cu­lo: os ar­ge­li­nos ha­bi­tam uma das na­ções mais es­ti­mu­lan­tes do pla­ne­ta, são ca­lo­ro­sos e es­for­ça­dos no que to­ca a fa­zer os vi­si­tan­tes sen­tir-se se­re­na­men­te em ca­sa. Ar­gel Haus­s­mann. O no­me não fi­gu­ra nos ro­tei­ros tu­rís­ti­cos, mas é im­pos­sí­vel vi­si­tar Ar­gel sem ser­mos con­fron­ta­dos com o es­ti­lo ar­qui­tec­tó­ni­co a que Ge­or­ges-Eugè­ne Haus­s­mann fi­cou as­so­ci­a­do no fi­nal do sé­cu­lo XIX. Se Pa­ris so­freu a sua “haus­s­man­ni­za­ção”, a capital ar­ge­li­na co­pi­ou-lhe os tra­ços, as ave­ni­das e os edi­fí­ci­os que as com­põem. A me­lhor for­ma de vi­ver a ar­qui­tec­tu­ra ar­ge­li­na por den­tro é cir­cu­lar pelo Airbnb, aper­tar a ma­lha dos fil­tros de pro­cu­ra e es­tar aten­to aos co­men­tá­ri­os e pon­tu­a­ções dos úl­ti­mos hós­pe­des. O apar­ta­men­to da Na­dia (36 euros por um qu­ar­to para dois) fi­ca no cen­tro, a dois pas­sos do me­tro e a 200 me­tros do mo­nu­men­tal edi­fí­cio dos Cor­rei­os. Tem todas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.