Nun­ca fui a Bra­sí­lia

Publico - Fugas - - AS FUGAS DOS LEITORES -

Nun­ca fui a Bra­sí­lia. Li em miú­do que era uma “me­tró­po­le pla­ne­a­da na sa­va­na”, uma es­pé­cie de de­lí­rio gran­di­o­so: que po­vo no seu juí­zo des­de­nha­ria o Rio co­mo capital?

Cres­ci e 30 anos pas­sa­ram sobre as mi­nhas lei­tu­ras acer­ca da “capital sem se­má­fo­ros”, com “su­per­qua­dras”, “ei­xos mo­nu­men­tais” e ou­tros ter­mos que nos idos de 1980 nos so­a­vam a apo­ca­lip­se dis­tó­pi­co.

Nun­ca mais tor­nei à ci­da­de e ago­ra pe­go num livro do Ni­e­meyer mal ar­ru­ma­do lá por ca­sa. Des­cu­bro um ar­qui­tec­to sem tra­ço de de­sa­ti­no que me fez re­gres­sar à úni­ca (creio) das su­as obras que che­guei a vi­si­tar: o museu de Ni­te­rói, que nos lan­ça do chão e apa­nha no mar. A qu­em for ao Rio bas­ta atra­ves­sar a pon­te.

Da his­tó­ria que fez se fez his­tó­ria da his­tó­ria:

“As obras pros­se­gui­am, a po­ei­ra aver­me­lha­da mar­ca­va as ru­as em cons­tru­ção e os can­tei­ros de ser­vi­ço que­bra­vam o an­ti­go silêncio da­que­la área que co­me­ça­va a se po­vo­ar. De­ter­mi­na­do, Jus­ce­li­no Ku­bit­check nos da­va o seu exem­plo, in­di­fe­ren­te às crí­ti­cas com que a re­ac­ção pro­cu­ra­va tor­pe­de­ar o em­pre­en­di­men­to, rin­do dos que di­zi­am que não ha­ve­ria ve­ge­ta­ção nem jar­dins, que a água do la­go pro­jec­ta­do iria de­sa­pa­re­cer na ter­ra po­ro­sa da no­va capital.”

A capital lá es­tá, as­sen­te na ci­ên­cia e na ar­te. Na­da se­ría­mos sem es­te par.

E ar­qui­tec­tu­ra é uma pa­la­vra di­fí­cil para uma be­la ar­te di­fí­cil. De­se­nhar uma pon­te es­bel­ta é mais di­fí­cil que de­se­nhar um be­lo ros­to. Sei que ago­ra ar­qui­tec­to uma vi­a­gem a Bra­sí­lia, o que nun­ca me pas­sa­ra pe­la ca­be­ça. Pre­ci­so de es­tru­tu­ra e de al­gu­ma es­qua­dria em al­guns di­as da mi­nha cro­no­lo­gia.

Ni­e­meyer con­ta-nos co­mo foi e co­mo fez para o que foi ter acon­te­ci­do. Tudo fez para que os que fi­cas­sem após o seu sal­to para o gran­de vazio não sen­tis­sem o gran­de vazio da sua ida. Um ho­mem cen­te­ná­rio que viu a fi­lha mor­rer com 82 anos de ida­de, seis me­ses an­tes de ele pró­prio de­sa­pa­re­cer.

O seu exis­ten­ci­a­lis­mo ab­so­lu­to não o dei­xa­va em paz. Os seus olha­res sobre o Atlân­ti­co sem­pre ti­ve­ram a som­bra da fi­ni­tu­de e al­gu­mas das su­as con­si­de­ra­ções pe­sam mais que os seus ali­cer­ces.

Ainda as­sim, ri-se con­nos­co do pas­sa­do:

“Ti­nha 17 anos, e daí até aos 21, quan­do ca­sei, mi­nha vi­da se­guiu tran­qui­la, co­mo se o tem­po ti­ves­se pa­ra­do para me dei­xar brin­car um pou­co.”

Quan­do ob­ser­va­mos o que nos le­ga, per­ce­be­mos que o tem­po lhe pa­rou du­ran­te 104 anos. Pe­dro Co­trim @fran­cis­cols­car­va­lho “Já há mui­to tem­po que pas­so muitos dos meus fins-de-se­ma­na a des­fru­tar das inú­me­ras coisas que o li­to­ral da zo­na de Pe­ni­che tem para ofe­re­cer, entre as qu­ais o Ba­le­al. Não só pe­las prai­as e gas­tro­no­mia, esta pe­que­na ilha li­ga­da ao con­ti­nen­te ofe­re­ce-nos um am­bi­en­te cal­mo e re­la­xan­te, fan­tás­ti­co para aper­fei­ço­ar a oi­ta­va ar­te. Mesmo em di­as de chu­va, co­mo o des­ta fo­to, a be­le­za do Ba­le­al pre­va­le­ce, exi­bin­do as­sim aqui­lo que tem de me­lhor para dar.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.