O Tio Pe­pe des­ta Pri­ma­ve­ra, em ra­ma ou sem ra­ma, é o vi­nho fi­no pa­ra es­ta Pri­ma­ve­ra

Publico - Fugas - - O GATO DAS BOTAS -

Agar­ra­fa de Tio Pe­pe en Ra­ma 2017 in­di­ca cla­ra­men­te no ró­tu­lo que foi en­gar­ra­fa­da no dia 22 de Abril de 2017. A gar­ra­fa de Tio Pe­pe nor­mal não tem a da­ta do en­gar­ra­fa­men­to mas tem uma da­ta-li­mi­te de Ja­nei­ro de 2018. Saú­de-se já es­te no­tá­vel exem­plo de ho­nes­ti­da­de. A fa­bu­lo­sa man­za­nil­la La Gui­ta, fei­ta por Edu­ar­do Oje­da, tam­bém traz sem­pre a da­ta-li­mi­te.

Es­pe­re­mos que es­ta trans­pa­rên­cia se­ja, se não imi­ta­da, exi­gi­da pe­los con­su­mi­do­res que gos­tam de com­prar gar­ra­fas fres­cas, o mais pró­xi­mas pos­sí­vel do mo­men­to do en­gar­ra­fa­men­to.

Há mui­tas opi­niões di­fe­ren­tes so­bre o tem­po que os fi­nos e as man­za­nil­las do Marco do Je­rez du­ram na gar­ra­fa. A es­co­la do ir­re­pre­en­sí­vel Je­sus Bar­quin man­tém que es­tes vi­nhos po­dem e de­vem me­lho­rar em gar­ra­fa en­quan­to que a ve­lha es­co­la avi­sa que se de­ve be­ber o vi­nho o mais de­pres­sa pos­sí­vel.

Em San­lú­car de Bar­ra­me­da ha­via ve­lhos bo­de­guei­ros, co­mo Gas­par Flo­ri­do, que che­ga­vam a di­zer que a man­za­nil­la só pres­ta se for ex­trai­da da “bo­ta”, do bar­ril. Ape­sar de­le ven­der gar­ra­fas de vi­dro de man­za­nil­la, de­vi­da­men­te se­la­das, ele con­fes­sou a Ch­ris­topher Fi­el­den, au­tor do im­pres­cin­dí­vel li­vro Man­za­nil­la, que a man­za­nil­la da bo­ta era te­ra­pêu­ti­ca en­quan­to a de gar­ra­fa era “tu­ber­cu­lar”.

Pa­re­ce-me que am­bas as es­co­las têm ra­zão. De­pen­de da pes­soa que es­tá a be­ber. Eu, por exem­plo, apre­cio mais a ver­são fres­ca, mais bem fil­tra­da e es­ta­bi­li­za­da, das man­za­nil­las e dos fi­nos. Gos­to igual­men­te dos mos­tos jo­vens que se ven­dem em San­lu­car. Be­bem-se di­rec­ta­men­te dum bar­ril (em­bo­ra já te­nham si­do fil­tra­dos) ou, he­re­sia das he­re­si­as,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.