O que têm de úni­co os vi­nhos da ser­ra de São Ma­me­de?

Publico - Fugas - - ESPECIAL -

Es­te é um Alen­te­jo di­fe­ren­te, lon­ge das pla­ní­ci­es e do ca­lor. Na re­gião de Por­ta­le­gre e na ser­ra de São Ma­me­de es­con­dem-se vi­nhas ve­lhas, al­gu­mas com per­to de 100 anos. Uma vi­si­ta gui­a­da por cin­co dos seus ac­to­res. Ale­xan­dra Pra­do Co­e­lho

Es­ta­mos no meio da ser­ra de São Ma­me­de e o enó­lo­go Rui Re­guin­ga pá­ra o car­ro e sai. Apon­ta pa­ra um si­nal na es­tra­da: “Es­tá a ver aque­le si­nal de ne­ve? Po­de pa­re­cer que não, mas já ne­vou aqui.” Uma das su­as vi­nhas es­tá à nos­sa fren­te, mas no meio da ve­ge­ta­ção da ser­ra é di­fí­cil per­ce­ber exac­ta­men­te on­de. “Re­pa­re nesta mis­tu­ra de co­res, é es­pec­ta­cu­lar. Ali te­mos es­te­va, ur­ze, car­que­ja. Nou­tras par­tes te­mos cas­ta­nhei­ros, ce­re­jei­ras. Aqui é tu­do di­fe­ren­te do Alen­te­jo.”

A ver­da­de é que es­ta­mos no Alen­te­jo, mas no Al­to Alen­te­jo, jun­to a Por­ta­le­gre, e mais pre­ci­sa­men­te na ser­ra de São Ma­me­de, a uns 900 me­tros de al­ti­tu­de. Mui­to lon­ge das pla­ní­ci­es que sem­pre as­so­ci­a­mos à pai­sa­gem alen­te­ja­na. Não ad­mi­ra que os vi­nhos que se fa­zem nesta zo­na se­jam mui­to di­fe­ren­tes dos da maior par­te do Alen­te­jo. E foi pre­ci­sa­men­te is­so que atraiu o ri­ba­te­ja­no Rui Re­guin­ga, que aqui faz os seus Ter­re­nus.

“A mi­nha pri­mei­ra vin­di­ma foi na Ta­pa­da do Cha­ves, em 1991”, con­ta. Nes­sa al­tu­ra tra­ba­lha­va co­mo con­sul­tor pa­ra João Por­tu­gal Ramos e até en­tão não co­nhe­cia a re­gião de Por­ta­le­gre”. Per­ce­beu en­tão que, nu­ma épo­ca que era ain­da de gran­de ac­ti­vi­da­de da Ade­ga Co­o­pe­ra­ti­va, fa­zia-se vi­nho a par­tir de vi­nhas ve­lhas que re­sis­ti­am na zo­na, “vi­nhas com 80, 90, al­gu­mas com 100 anos já nes­sa al­tu­ra”.

Mui­tos dos só­ci­os da co­o­pe­ra­ti­va ti­nham vi­nhas na ser­ra, em al­ti­tu­de, e Rui co­me­çou a so­mar os fac­to­res di­fe­ren­ci­a­do­res da re­gião: um mi­cro­cli­ma com maior fres­cu­ra, al­ti­tu­de, vi­nhas ve­lhas, uvas por­tu­gue­sas. “Co­me­cei a com­pa­rar os vi­nhos da­qui com ou­tros que na al­tu­ra fa- zia nou­tras re­giões e per­ce­bi que a di­fe­ren­ça era gran­de.” Os da­qui são “mais fres­cos, com me­nos ál­co­ol, mais po­ten­ci­al de gu­ar­da [ca­pa­ci­da­de pa­ra en­ve­lhe­ce­rem em gar­ra­fa]; os bran­cos são mais mi­ne­rais pe­la pre­sen­ça de gra­ni­to nos so­los”.

A cer­ta al­tu­ra de­ci­diu que que­ria ter ali um pro­jec­to pró­prio de vi­nhos. “Fui dos pri­mei­ros des­ta no­va va­ga a che­gar à ser­ra. Vim à pro­cu­ra do que faz a di­fe­ren­ça.” Em 2004 fez o seu pri­mei­ro vi­nho da re­gião, usan­do ape­nas vi­nhas ve­lhas. Ho­je tem qua­tro vi­nhas pró­pri­as na ser­ra de São Ma­me­de. “Nu­ma de­las te­nho 18 cas­tas di­fe­ren­tes, oi­to ou no­ve bran­cas, dez tin­tas, to­das por­tu­gue­sas”.

Mais tar­de de­sa­fi­ou um ami­go bri­tâ­ni­co, Ri­chard Ma­son (que co­nhe­ce bem Por­tu­gal, ape­sar de não vi­ver no país), a ter ou­tro pro­jec­to em Por­ta­le­gre e nas­ceu o So­nho Lu­si­ta­no, fei­to a par­tir das vi­nhas que ro­dei­am a ade­ga de Rui e Ri­chard.

Rui quer mos­trar a di­fe­ren­ça do ter­roir mas as­su­me os seus vi­nhos co­mo alen­te­ja­nos. “O Alen­te­jo é uma re­gião ge­o­gra­fi­ca­men­te mui­to gran­de. Tal­vez os vi­nhos da­qui se­jam os mais di­fe­ren­ci­a­do­res, mas o que é in­te­res­san­te é mos­trar que no Alen­te­jo exis­tem ter­roirs di­fe­ren­tes. Acho que ca­da vez mais vai-se fa­zer vi­nhos dis­tin­tos, de mi­cro­cli­ma, de ter­roir. Na cos­ta alen­te­ja­na, por exem­plo, já se fa­zem vi­nhos di­fe­ren­tes dos do res­to do Alen­te­jo”.

No Dou­ro há mui­to que exis­te es­sa per­cep­ção, mas “no Alen­te­jo os vi­nhos eram ain­da vis­tos mui­to co­mo ‘vi­nho do Alen­te­jo’”, afir­ma. Qu­an­do co­me­çou es­te tra­ba­lho, ha­via pou­ca gen­te fo­ra da re­gião de Por­ta­le­gre aten­ta ao seu po­ten­ci­al. A pou­co e pou­co, as coi­sas fo­ram mu­dan­do. “Pri­mei­ro des­per­tei a cu­ri­o­si­da­de dos es­pe­ci­a­lis­tas, jor­na­lis­tas, chefs, som­me­li­ers, e ago­ra es­tas idei­as es­tão a che­gar aos con­su­mi­do­res, que já co­me­çam a ter a per­cep­ção de que há di­fe­ren­tes zo­nas no Alen­te­jo.”

Mas, ao lon­go des­tes anos, tam­bém Rui Re­guin­ga foi apren­den­do. “No iní­cio, fiz um er­ro de ava­li­a­ção”, con­fes­sa. “Achei que ha­via aqui um gran­de po­ten­ci­al pa­ra tin­tos mas não pa­ra bran­cos. Não re­co­nhe­cia que as uvas bran­cas eram bo­as. Es­ta­va to­tal­men­te en­ga­na­do. Em 2008 fiz o pri­mei­ro bran­co, e ho­je acho que tal­vez o po­ten­ci­al dos bran­cos da ser­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.