O no­vo Por­to jo­vem e cos­mo­po­li­ta que se mos­tra nos cock­tails

Publico - Fugas - - ESPECIAL -

Há 50 anos, a San­de­man ten­tou fa­zer do vi­nho do Por­to bran­co uma ba­se pa­ra cock­tails e fa­lhou. Era ce­do de mais. Ho­je, do já clás­si­co Por­to Tó­ni­co a com­bi­na­ções que usam gen­gi­bre, ma­ra­cu­já ou cla­ra de ovo, o vi­nho do Por­to abriu-se à mis­tu­ra e fi­cou ain­da mais cos­mo­po­li­ta. Jo­sé Sil­va

Du­ran­te sé­cu­los, o vi­nho do Por­to foi ruby (vermelho in­ten­so) ou foi tawny (alou­ra­do), mas só há mui­to pou­co tem­po é que o bran­co en­trou na mo­da. Em 1964, a San­de­man lan­çou no mer­ca­do um vi­nho do Por­to bran­co com cer­ca de seis anos de en­ve­lhe­ci­men­to, a que cha­mou sim­ples­men­te “Por­to Bran­co” e, des­de en­tão, o gran­de vi­nho for­ti­fi­ca­do do va­le do Dou­ro abriu uma no­va pá­gi­na. Por­que es­se San­de­man era um vi­nho do­ce que apa­re­cia nu­ma gar­ra­fa ino­va­do­ra, trans­pa­ren­te, que ga­nhou vá­ri­os pré­mi­os de de­sign; mas, prin­ci­pal­men­te, por­que do gar­ga­lo da gar­ra­fa pen­dia uma pe­que­na eti­que­ta on­de se da­vam vá­ri­as su­ges­tões pa­ra apre­ci­ar es­te no­vo vi­nho do Por­to. En­tre elas es­ta­va a su­ges­tão de ser­vir o vi­nho num co­po long-drink, jun­tan­do­lhe ge­lo, água tó­ni­ca Schwep­pes e du­as ro­de­las de li­mão!!

Re­cu­e­mos no tem­po, ima­gi­ne­mos co­mo se­ria há meio sé­cu­lo o mun­do for­mal dos pro­du­to­res e con­su­mi­do­res de vi­nho do Por­to, pen­se­mos por um mo­men­to nos ri­tu­ais con­ser­va­do­res que es­ta­vam as­so­ci­a­dos aos mo­men­tos em que era be­bi­do. As­sim, fi­ca mais fá­cil an­te­ci­par a re­ac­ção que es­ta su­ges­tão cau­sou: es­cân­da­lo, sa­cri­lé­gio e mui­tos pro­tes­tos. Al­gu­ma im­pren­sa da épo­ca di­zia mes­mo que es­tas su­ges­tões “eram ca­pa­zes de pro­vo­car uma apo­ple­xia aos con­su­mi­do­res de vi­nho do Por­to”. A San­de­man ti­nha ra­zão. Mas te­ve ra­zão an­tes do tem­po.

Es­tas su­ges­tões caí­ram ra­pi­da­men­te no es­que­ci­men­to, mas a em­pre­sa não de­sis­tiu e em 1990 lan­çou o “San­de­man Splash”, na­da mais na­da me­nos que a re­cei­ta que lan­ça­ra 25 anos an­tes: Por­to bran­co, ge­lo, água tó­ni­ca Schwep­pes e li­mão. Mas des­ta vez apoi­ou o lan­ça­men­to da be­bi­da com uma for­te cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria, pre­sen­te em to­das as es­pla­na­das em que o “San­de­man Splash” fos­se ser­vi­do no Ve­rão des­se ano. Es­ta­va lan­ça­da a ba­se da­que­le que vi­ria a ser o “Por­to To­nic”, ago­ra tão po­pu­lar, sem­pre com a mes­ma re­cei­ta - ain­da que ho­je o “Por­to To­nic” da San­de­man se­ja ser­vi­do em co­pos mais mo­der­nos que fo­ram cri­a­dos pa­ra o efei­to.

Após o su­ces­so do “San­de­man Splash”, o Por­to bran­co en­trou no ra­dar. As Por­tas dos bran­cos com ida­de fo­ram aber­tas e o vi­nho do Por­to fi­cou mais per­to de con­su­mi­do­res mais jo­vens e mais sus­cep­tí­vel de ser apre­ci­a­do no am­bi­en­te des­con­traí­do das es­pla­na­das, em ba­res ou em dis­co­te­cas. Ho­je em dia, até nas ca­ves de vi­nho do Por­to, on­de se res­pi­ra a mais pu­ra das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.