Em Goi­er­ri ba­te um co­ra­ção ver­de

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

Se há um bas­tião da cul­tu­ra bas­ca, po­de­rá bem ser nas su­as “ter­ras al­tas”. Em Goi­er­ri, on­de o ru­ral do­mi­na e o in­dus­tri­al com­ple­men­ta. An­dreia Marques Pereira (tex­to) e Margarida Bas­to ( fo­tos)

Saí­mos de Portugal en­quan­to es­te ar­dia, che­gá­mos ao País Bas­co com es­te a es­cal­dar. As tem­pe­ra­tu­ras inu­si­ta­da­men­te al­tas (nos dois pri­mei­ros di­as a ra­sar os 40º) aca­ba­ri­am, aliás, por se tor­nar um dos me­lho­res des­blo­que­a­do­res de con­ver­sas. O ca­lor es­ta­va na bo­ca de to­dos e to­dos con­fes­sa­vam a per­ple­xi­da­de, “nem em Agos­to”, re­pe­ti­am. Por is­so, di­zi­am, as ca­sas nem se­quer têm ar con­di­ci­o­na­do. Ironia das iro­ni­as, re­gres­sa­mos em vés­pe­ras de São João com as pre­vi­sões a apon­ta­rem pa­ra chu­va nes­se fim-de-se­ma­na.

O nos­so avião le­van­ta en­tre nu­vens cin­zen­tas de Bil­bau, Ion Ubi­de, o nos­so guia, dei­xa-nos acre­di­tan­do que quan­do che­gar a ca­sa, em ple­no ter­ri­tó­rio Goi­er­ri, as Ter­ras Al­tas bas­cas, já estará a cho­ver. Não con­fir­ma­mos, mas de­se­ja­mos que não: é que em Goi­er­ri o São João sig­ni­fi­ca fes­ta ri­ja em to­das as ci­da­des, vi­las e al­dei­as; em Or­maiz­te­gi vi­mos miú­dos a ali­nha­rem um enor­me mon­te de ma­dei­ra, qua­se tu­do tá­bu­as ve­lhas, al­gu­mas pin­ta­das, pa­ra acen­der a fo­guei­ra. Na noi­te de São João é to­do um fla­me­jan­te pa­ga­nis­mo que se sol­ta nes­tas mon­ta­nhas: Ion con­ta que nu­ma des­sas jo­a­ni­nas foi cor­rer à noi­te pa­ra a mon­ta­nha e por to­do o la­do se vi­am os pon­tos lu­mi­no­sos das fo­guei­ras a ar­der. “É uma vi­são fan­tás­ti­ca.”

Con­fi­a­mos em Ion por­que a nos­sa in­cur­são na mon­ta­nha, no parque Aiz­kor­ri-Aratz, um dos dois par­ques na­tu­rais que abra­çam Goi­er­ri (o ou­tro é Ara­lar, na fron­tei­ra com Na­var­ra), não foi à noi­te, não hou­ve fo­guei­ras, mas tam­bém tem vi­sões des­lum­bran­tes. Não sa­be­mos quan­to du­rou a ca­mi­nha­da, qua­se sem­pre a su­bir. Pri­mei­ro, en­tre ar­vo­re­do den­so, car­va­lhos so­bre­tu­do, atra­ves­sa­do por ri­bei­ros tran­qui­los cu­jo cor­rer é por ve­zes o úni­co som que es­cu­ta­mos; de­pois já em cam­po aber­to, er­va ver­de-ver­de e ce­ná­ri­os que se de­cli­nam en­tre co­li­nas e mon­ta­nhas no ho­ri­zon­te.

Num pla­nal­to, um re­ba­nho e os seus ba­da­los que são co­mo es­pan­ta-es­pí­ri­tos — pa­ra trás fi­ca uma an- ti­ga ca­sa de guarda-flo­res­tal, que foi al­ber­gue e ago­ra es­tá aban­do­na­da. “Não fa­zia sen­ti­do ter um al­ber­gue tão per­to de uma en­tra­da”, a nos­sa, atra­vés de Ze­ga­ma-Alt­sa­su. Da­qui já ve­mos o nos­so “des­ti­no”, a gru­ta de San Adrián, mil me­tros de al­ti­tu­de e pa­tri­mó­nio mun­di­al da UNESCO. Não va­mos pe­los ca­mi­nhos “clás­si­cos”, aque­les que di­ta­ram que nes­ta gru­ta se cons­truís­se uma al­deia, o Ca­mi­nho Re­al e o Ca­mi­nho Nor­te de San­ti­a­go. Há uma sé­rie de ro­tas pe­des­tres que se cru­zam, de­vi­da­men­te si­na­li­za­das, e nós lá che­ga­mos à gru­ta, com “mu­ra­lha” e por­tal em ar­co ogi­val. Pe­que­na, cus­ta a ima­gi­nar que ali ha­via al­cai­de, sol­da­dos, can­ti­na, igre­ja — ago­ra man­tém-se uma er­mi­da no seu in­te­ri­or e ves­tí­gi­os de es­ca­va­ções on­de se en­con­tra­ram pro­vas de ocu­pa­ção des­de o ne­o­lí­ti­co. A al­tu­ra da gru­ta vai di­mi­nuin­do até che­gar à ou­tra saí­da ( já pa­ra a pro­vín­cia de Ála­va — es­ta era uma fron­tei­ra na­tu­ral, com por­ta­gem), on­de, diz-se, o im­pe­ra­dor Car­los V te­ve de des­mon­tar o ca­va­lo e ca­mi­nhar na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.