Qu­a­tro mag­ní­fi­cos vin­ta­ges num ano que, por mis­té­rio, não é clás­si­co

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

Con­tra mui­tas pre­vi­sões, ca­sas gran­des do vi­nho do Por­to co­mo as da fa­mí­lia Sy­ming­ton não con­si­de­ra­ram 2015 ano de vin­ta­ge clás­si­co. Mas, com ou sem a de­cla­ra­ção, os seus qu­a­tro vi­nhos des­se ano são gran­di­o­sos e fi­cam na me­mó­ria. Ma­nu­el Carvalho

A per­gun­ta an­da no ar en­tre os crí­ti­cos na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, os apre­ci­a­do­res mais qua­li­fi­ca­dos, os ne­go­ci­an­tes, os enó­lo­gos e até, em sur­di­na, en­tre mui­tos do­nos de em­pre­sas de vi­nho do Por­to: por que ra­zão o ano de 2015 não me­re­ceu uma de­cla­ra­ção vin­ta­ge? A per­gun­ta faz sen­ti­do por­que a úl­ti­ma gran­de de­cla­ra­ção foi em 2011, por­que o ano no Dou­ro cor­reu, no ge­ral, bem e, prin­ci­pal­men­te, por­que bas­ta pro­var os qu­a­tro vin­ta­ge lan­ça­dos pe­la fa­mí­lia Sy­ming­ton pa­ra se sus­pei­tar que em causa es­tá um mis­té­rio. O Sto­ne Ter­ra­ces com a mar­ca Graham’s, o Nos­sa Se­nho­ra da Ri­bei­ra da Dow’s, o Quin­ta do Ve­sú­vio e o Cock­burn’s são vi­nhos ex­tra­or­di­ná­ri­os e ca­bem por in­tei­ro num ano clás­si­co. Mas, ao não lan­çar Dow’s, War­re e Graham’s, a es­tra­té­gia da em­pre­sa não foi por aí. Não é por is­so que se vai pa­gar me­nos pe­los vi­nhos – de há uns anos a es­ta par­te, a di­fe­ren­ça de pre­ço en­tre os clás­si­cos e os “sin­gle quin­ta” tem vin­do a reduzir-se. Por­que as quan­ti­da­des pro­du­zi­das são es­cas­sas.

Pa­ra os apre­ci­a­do­res dos gran­des Por­to a prin­ci­pal no­tí­cia é que em 2015 nas­ce­ram vin­ta­ge gran­di­o­sos, in­ten­sos, com mús­cu­lo e so­fis­ti­ca­ção, em­bo­ra a se­cu­lar tra­di­ção des­ta ca­te­go­ria os im­pe­ça de se­rem in­cluí­dos na ga­le­ria dos no­tá­veis – não é um ano de de­cla­ra­ção vin­ta­ge. Es­ta­mos, por­tan­to, num con­fron­to en­tre a qua­li­da­de in­trín­se­ca, que é in­dis­cu­tí­vel, e a ca­te­go­ri­za­ção que lhes é con­fe­ri­da. Uma vez que no­mes de re­fe­rên­cia co­mo a Quin­ta do No­val ou a Ra­mos Pin­to lan­ça­ram vin­ta­ges com as su­as mar­cas prin­ci­pais (o No­val, por ser uma quin­ta, é um ca­so à par­te), há quem de­fen­da que a Con­fra­ria do Vi­nho do Por­to fa­ça a tal de­cla­ra­ção Vin­ta­ge que ser­ve pa­ra re­for­çar a ex­ce­lên­cia de um ano. Mas, mes­mo que se vá por aí, em 2015 não ha­ve­rá Dow’s, nem Graham’s, nem Tay­lor’s nem Fon­se­ca. A ha­ver de­cla­ra­ção, se­ria sem­pre “man­ca”.

Não es­tá em causa a jus­te­za dos enó­lo­gos des­tas ca­sas em pen­sar que fal­ta qual­quer coi­sa aos vi­nhos de 2015 pa­ra que atin­jam o má­xi­mo da re­pu­ta­ção, até por­que na me­mó­ria es­tá ain­da bem vi­va a mar­ca de um ano his­tó­ri­co, 2011. Nem a sus­pei­ta de que es­te­ja em cur­so uma es­tra­té­gia co­mer­ci­al pa­ra va­lo­ri­zar os gran­des vin­ta­ge, ele­van­do o seu pre­ço pa­ra va­lo­res mais pró­xi­mos do que os que se pa­gam pe­los gran­des vi­nhos do mun­do. As­so­ci­ar os “sin­gle quin­ta” a vi­nhos de qua­li­da­de su­pe­ri­or, pro­du­zi-los em quan­ti­da­des re­la­ti­va­men­te re­du­zi­das e co­brar por eles 60 ou 70 eu­ros po­de re­pre­sen­tar uma for­ma de for­çar a va­lo­ri­za­ção do mais no­bre es­ti­lo de vi­nho do Por­to. Fi­ca­ria as­sim cri­a­da a ideia de que qu­an­do hou­ver uma no­va de­cla­ra­ção clás­si­ca, a qua­li­da­de se­rá es­tra­tos­fé­ri­ca e os pre­ços po­de­rão su­bir ain­da mais.

No ca­so da fa­mí­lia Sy­ming­ton hou­ve a pre­o­cu­pa­ção, ape­sar de tu­do, de jo­gar em di­fe­ren­tes ta­bu­lei­ros. A apos­ta no Sto­ne Ter­ra­ces, que se ti­nha es­tre­a­do em 2011 nu­ma edi­ção ab­so­lu­ta­men­te ex­tra­or­di­ná­ria, in­di­ca que a em­pre­sa re­co­nhe­ce a exis­tên­cia de um gran­de ano – pro­du­zi­ram­se 4800 gar­ra­fas, das quais ape­nas 720 fi­ca­rão em Por­tu­gal. E o lan­ça­men­to do Cock­burn’s em de­tri­men­to de um, por exem­plo, Quin­ta dos Ca­nais Cock­burn’s, pro­cu­ra não ape­nas ce­le­brar o bi­cen­te­ná­rio da em­pre­sa (fun­da­da em 1815) mas tam­bém re­co­nhe­cer que os lo­tes de Sou­são, Ali­can­te Bous­chet, Tou­ri­ga Fran­ca e Tou­ri­ga Na­ci­o­nal que es­ti­ve­ram na ori­gem des­te vi­nho eram mag­ní­fi­cos – 42 mil gar­ra­fas pro­du­zi­das, das quais 2600 fi­cam pa­ra o mer­ca­do na­ci­o­nal. De res­to, nos re­gis­tos da vin­di­ma que os Sy­ming­ton ze­lo­sa­men­te re­di­gem não fal­tam elo­gi­os ao ano: Ou­to­no chu­vo­so, In­ver­no frio e se­co, chu­va em Maio após

Pa­ra os apre­ci­a­do­res dos gran­des Por­to a prin­ci­pal no­tí­cia é que em 2015 nas­ce­ram vin­ta­ge gran­di­o­sos, in­ten­sos, com mús­cu­lo e so­fis­ti­ca­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.