Bair­ra­da

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

As­sim, com o tí­tu­lo em in­glês, que es­tá na mo­da e pa­re­ce ter mai­or im­pac­to, es­te bem po­dia ser o slo­gan pa­ra os vi­nhos das Ca­ves São Do­min­gos, um dos pro­du­to­res mais con­sis­ten­tes da Bair­ra­da e cu­ja ac­ti­vi­da­de bem es­pe­lha o ca­mi­nho de re­ju­ve­nes­ci­men­to e qua­li­da­de cres­cen­te que são a ima­gem re­cen­te da re­gião.

As ca­ves fun­da­das em 1937 por El­pí­dio Martins Se­me­do, um vi­si­o­ná­rio que acre­di­tou na qua­li­da­de di­fe­ren­ci­a­do­ra dos vi­nhos da re­gião e no es­tá­gio e en­gar­ra­fa­men­to de es­pu­man­tes, co­me­mo­ram ago­ra os seus 80 anos de ac­ti­vi­da­de, e na­da me­lhor que um es­pu­man­te dis­tin­ti­vo pa­ra as­si­na­lar a efe­mé­ri­de e ho­me­na­ge­ar o fun­da­dor.

E, tal co­mo a ge­ne­ra­li­da­de dos pro­du­to­res da re­gião, foi gran­de a re­vo­lu­ção na São Do­min­gos de­pois do vi­rar do sé­cu­lo. Ape­sar do pre­ci­o­so le­ga­do ini­ci­al de El­pí­dio Se­me­do e do di­na­mis­mo van­guar­dis­ta que foi de­pois tri­lha­do por Lo­po de Frei­tas, a par­tir dos anos 1970, o ne­gó­cio fi­cou de per­nas pa­ra o ar e o ve­lho mo­de­lo do ar­ma­ze­nis­ta/ en­gar­ra­fa­dor das ca­ves da Bair­ra­da caiu em de­su­so e foi ul­tra­pas­sa­do pe­la aten­ção à pro­du­ção, ao con­tro­lo da vi­nha e da uva, co­mo ca­mi­nho pa­ra os vi­nhos mo­der­nos e per­so­na­li­za­dos.

À ri­que­za das ca­ves sub­ter­râ­ne­as es­ca­va­das pe­lo fun­da­dor, on­de re­pou­sa em per­ma­nên­cia um pa­tri­mó­nio de 2,5 mi­lhões de gar­ra­fas de es­pu­man­te, Lo­po de Frei­tas as­so­ci­ou a vi­são de fu­tu­ro ao avan­çar em 2006 pa­ra a ins­ta­la­ção de um cen­tro de vi­ni­fi­ca­ção e pro­gres­si­va mo­der­ni­za­ção das con­di­ções de ade­ga.

Ao mes­mo tem­po, a São Do­min­gos in­ves­tiu em vi­nhas pró­pri­as, na plan­ta­ção de no­vas cas­tas e na as­so­ci­a­ção de pro­du­to­res, acom­pa­nhan­do e con­tro­lan­do a vi­ti­cul­tu­ra com fi­na­li­da­des adap­ta­das os vi­nhos que pro­cu­ra pro­du­zir. De­ci­si­va pa­ra a qua­li­da­de dos es­pu­man­tes é tam­bém a câ­ma­ra de tem­pe­ra­tu­ra que foi ins­ta­la­da na ade­ga, on­de as uvas es­ta­bi­li­zam du­ran­te 24 ho­ras an­tes de se­rem en­ca­mi­nha­das pa­ra as pren­sas.

A par dis­so, tam­bém o tra­ba­lho de for­mi­ga da equi­pa de eno­lo­gia co­or­de­na­da por Su­sa­na Pi­nho e a mo­der­na vi­ti­cul­tu­ra de­sen­vol­vi­da por Cé­sar Al­mei­da têm da­do con­tri­bu­to de­ci­si­vo pa­ra a qua­li­da­de e afi­na­ção dos vi­nhos da São Do­min­gos, que bem evi­den­cia os avan­ços das úl­ti­mas co­lhei­tas.

Com a evo­lu­ção e co­nhe­ci­men­to acu­mu­la­do so­bre as di­ver­sas par­ce­las dos mais de 100 hec­ta­res de vi­nha sob con­tro­lo di­rec­to — 20 pró­pri­os e os 80 res­tan­tes de um gru­po de pro­du­to­res as­so­ci­a­dos ago­ra re­du­zi­dos a me­nos de 30 —, é pos­sí­vel ago­ra es­ta­be­le­cer da­tas, par­ce­las ou cas­tas a vin­di­mar em fun­ção de ob­jec­ti­vos es­pe­cí­fi­cos.

“É uma equi­pa que fun­ci­o­na em ple­no. A enó­lo­ga vai pa­ra o campo com o vi­ti­cul­tor e as de­ci­sões e ob­jec­ti­vos são as­su­mi­dos no ter­re­no e com ple­no co­nhe­ci­men­to de causa. De­ve ser ca­so úni­co”, con­gra­tu­la-se Cé­sar Al­mei­da, pe­ran­te o re­co­nhe­ci­men­to ge­ne­ra­li­za­do da cres­cen­te afi­na­ção dos vi­nhos. “Mas com a qua­li­da­de da Bair­ra­da, o re­sul­ta­do é sem­pre ex­ce­len­te”, re­ma­ta. É tam­bém por is­so que nos vi­nhos das Ca­ves São Do­min­gos é ca­da vez mais no­tó­rio es­se ca­rác­ter e iden­ti­da­de bair­ra­di­nos. De fres­cu­ra, pro­fun­di­da­de e com­ple­xi­da­de, in­de­pen­den­te­men­te de se tra­tar de cas­tas tí­pi­cas da re­gião ou de ou­tras la­ti­tu­des. São, e is­so é ca­da vez mais evi­den­te, or­gu­lho­sa­men­te pro­du­zi­dos na Bair­ra­da.

Uma ca­rac­te­rís­ti­ca que é evi­den­te no be­lís­si­mo El­pí­dio 80 Bru­to, um es­pu­man­te que, ape­sar dos evi­den­tes pre­di­ca­dos que o per­mi­tem as­so­ci­ar aos pro­du­tos de Cham­pag­ne, tem es­tru­tu­ra, tex­tu­ra e ca­rác­ter evi­den­te­men­te bair­ra­di­nos. E o mes­mo se di­ga em re­la­ção aos ou­tros qu­a­tro vi­nhos que a em­pre­sa de­ci­diu lan­çar a acom­pa­nhar a apre­sen­ta­ção do dis­tin­to es­pu­man­te co­me­mo­ra­ti­vo. Um ou­tro es­pu­man­te, o bran­co Ba­ga Bair­ra­da 2012, um tin­to (Quin­ta de São Lou­ren­ço 2013) e dois bran­cos (São Do­min­gos Co­lhei­ta 2016 e o Vo­lú­pia 2016).

Foi ain­da pro­va­do o tin­to Bair­ra­da Es­pe­ci­al da co­lhei­ta de 2012, que es­tá ain­da em fa­se de educação mas tu­do in­di­ca se­rá en­gar­ra­fa­do co­mo Lo­po de Frei­tas, a ga­ma su­pe­ri­or dos tin­tos da ca­sa.

Vol­tan­do ao or­gu­lho nas ca­rac­te­rís­ti­cas da pro­du­ção bair­ra­di­na e à cres­cen­te afi­na­ção dos vi­nhos da São Do­min­gos, re­co­men­da-se vi­va­men­te a pro­va dos no­vos Quin­ta de São Lou­ren­ço 2013 — um tin­to de quin­ta com Ba­ga e Tou­ri­ga Na­ci­o­nal — e Vo­lú­pia 2016, à ba­se de Sau­vig­non Blanc. Além de bons exem­pla­res das qua­li­da­des de fres­cu­ra, pro­fun­di­da­de e com­ple­xi­da­de bair­ra­di­nas, es­tão a pre­ços bem in­te­res­san­tes (9,50€ e 5,45€, res­pec­ti­va­men­te) pa­ra a qua­li­da­de que ofe­re­cem.

Cri­a­do pa­ra ho­me­na­ge­ar o fun­da­dor, o El­pí­dio 80 Bru­to é tam­bém um hi­no à Bair­ra­da ide­a­li­za­da pe­la vi­são e es­pí­ri­to em­pre­en­de­dor de El­pí­dio Se­me­do. Com cas­tas do mun­do (Pi­not Noir e Pi­not Blanc), a ele­gân­cia e se­du­ção ca­sam na per­fei­ção com a per­so­na­li­da­de fres­ca, ma­cia e sa­bo­ro­sa dos Bair­ra­da.

Da vin­di­ma de 2011, os qu­a­tro anos de es­tá­gio em ca­ve dão-lhe o pa­la­dar tos­ta­do e com­ple­xo, uma com­ple­xi­da­de su­a­ve e um equi­lí­brio que con­ju­ga com ra­ra ele­gân­cia o sa­bor ma­du­ro e a fres­cu­ra verde das ma­çãs. Bo­lha fi­nís­si­ma e mous­se cre­mo­sa, mas ao mes­mo tem­po in­ten­so, de­li­ca­do e pro­lon­ga­do na bo­ca. É apre­sen­ta­do nu­ma dis­tin­ti­va cai­xa bran­ca de car­tão (28,50€) e a Bair­ra­da po­de es­tar mes­mo or­gu­lho­sa des­te seu no­vo pro­du­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.