Ain­da há lu­gar pa­ra a so­li­dão

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

O fe­nó­me­no da mas­si­fi­ca­ção de Ibi­za é re­la­ti­va­men­te re­cen­te e re­sul­ta, em par­te, da po­pu­la­ri­da­de da ilha mas, de igual for­ma, do re­ceio que se foi ins­ta­lan­do na men­te dos tu­ris­tas que an­tes pro­cu­ra­vam des­ti­nos mais eco­nó­mi­cos, como Tu­ní­sia, Egip­to e Turquia, por exem­plo. Pou­cos são, en­tre mi­lhões de tu­ris­tas, aque­les que se aven­tu­ram até lu­ga­res dos quais nun­ca ou­vi­ram fa­lar ou cu­jo no­me nun­ca le­ram nas re­vis­tas cor-de-ro­sa que exi­bem fo­to­gra­fi­as de fu­te­bo­lis­tas, de ac­to­res, de gen­te fa­mo­sa.

Em­bo­ra pou­cos, Ibi­za ain­da tem se­gre­dos mais ou me­nos bem guar­da­dos, em al­guns ca­sos ver­da­dei­ra­men­te ór­fãos de ruí­do.

Par­to, mal o dia se anun­cia, ao en­con­tro do pri­mei­ro, ca­mi­nhan­do por en­tre frag­men­tos de al­ca­trão e sul­cos que a água foi abrin­do no In­ver­no e lo­go de­pois pe­lo meio da den­sa ve­ge­ta­ção que me con­duz até um pon­to de on­de avis­to o mar como um ta­pe­te de um azul de múl­ti­plas nu­an­ces, con­tras­tan­do com o ver­de e com os pe­nhas­cos man­cha­dos de ama­re­los e da cor do mel. Pres­cru­to ia­tes que pa­re­cem imo­bi­li­za­dos, pe­que­nos ro­che­dos com­pon­do a mol­du­ra e um ou ou­tro bar­co à ve­la no ho­ri­zon­te.

E, su­bi­ta­men­te, mal des­fa­ço uma cur­va, plan­ta- se à mi­nha fren­te uma baía de águas cal­mas, as su­as mi­nús­cu­las e ru­di­men­ta­res ca­sas on­de os pes­ca­do­res guar­da­vam, num tem­po ca­da vez mais dis­tan­te, os seus bar­cos. Es Por­tit­xol, na par­te nor­te de Ibi­za, é um por­to que a na­tu­re­za cons­truiu qua­se sem aju­da hu­ma­na, com as su­as águas trans­lú­ci­das, elo­gi­a­do por pi­ra­tas, in­va­so­res e sim­ples pes­ca­do­res que vi­am nes­te lu­gar má­gi­co um por­to de abri­go sem pa­ra­le­lo em to­da a ilha. Ao fun­do, a pe­que­na praia de Ca­la d’en Ser­ra, abra­ça­da pe­los seus ro­che­dos ru­go­sos e com a sua fai­xa de areia su­a­ve, con­vi­da-me a des­cer ain­da mais, pa­ra me dei­tar na­que­la que foi con­si­de­ra­da, não há mui­tos anos, pe­lo diá­rio in­glês The Gu­ar­di­an, como uma das me­lho­res praias da Eu­ro­pa. Ape­la­ti­va, a Ca­la d’en Ser­ra nun­ca che­ga a es­tar ver­da­dei­ra­men­te lo­ta­da mas, se for o ca­so, bas­ta uma meia dú­zia de bra­ça­das, pa­ra a di­rei­ta, pa­ra des­fru­tar de mai­or pri­va­ci­da­de an­tes de re­gres­sar à praia pa­ra uma be­bi­da re­fres­can­te no ru­di­men­tar chi­rin­gui­to bem en­qua­dra­do na na­tu­re­za.

Pró­xi­mo de Sant Vi­cent, en­con­tro um se­gre­do mais com­pli­ca­do de des­ven­dar. A si­na­li­za­ção do tri­lho es­tá meio ocul­ta en­tre as ár­vo­res, por en­tre elas pers­cru­to re­ta­lhos do mar, até que, do to­po de uma fa­lé­sia, avis­to três ou qua­tro tu­ris­tas go­zan­do a ple­ni­tu­de do si­lên­cio que im­preg­na S’Ai­gua Dol­ça. A des­ci­da não é fá­cil (me­lhor mes­mo é acer­car- se de bar­co) mas, com pre­cau­ção e a aju­da de uma cor­da aqui e aco­lá, de­sa­guo na praia, com o pe­so da mi­nha res­pi­ra­ção so­bre­pon­do-se ao su­a­ve mur­mú­rio das águas que lam­bem os sei­xos.

Cru­zo a pe­que­na po­vo­a­ção de Sant Vi­cent de Sa Ca­la e não tar­do a ser con­tem­pla­do com uma pa­no­râ­mi­ca so­ber­ba so­bre o mar, até on­de des­ço, ao en­con­tro de Port de ses Ca­le­tes, uma das praias mais tran­qui­las de to­da a ilha e on­de sou re­ce­bi­do pe­la so­li­dão.

Uma pro­va de es­for­ço le­va-me, não sem al­gu­ma de­mo­ra, a Ses Ba- lan­dres, não mui­to dis­tan­te de San­ta Agnès. Mes­mo pa­ra ex­plo­ra­do­res pro­fis­si­o­nais, Ses Ba­lan­dres não é fá­cil de al­can­çar — e es­sa é a ex­pli­ca­ção pa­ra o iso­la­men­to mas não um obs­tá­cu­lo pa­ra os pes­ca­do­res que, no pas­sa­do, aqui edi­fi­ca­ram es­con­de­ri­jos pa­ra os seus bar­cos e es­ta­lei­ros bá­si­cos. Da praia, avis­ta­se, na baía em fren­te, um ro­che­do em for­ma de ar­co, a Ses Mar­ga­li­des, na sua in­fi­ni­ta be­le­za.

A es­tra­da en­tre Sant Jo­sep e Ca­la d’Hort é uma das mais pa­no­râ­mi­cas de Ibi­za mas an­tes de atin­gir es­sa praia já glo­ba­li­za­da fa­ço um des­vio até Ca­la Tru­ja, ao lon­go de uma pi­ca­da. Vis­ta de ci­ma, a praia po­de re­ve­lar-se uma de­si­lu­são mas não se dei­xe im­pres­si­o­nar ne­ga­ti­va­men­te: umas es­ca­das nas ro­chas vão re­ve­lan­do pe­que­nas ma­ra­vi­lhas e, num ins­tan­te, a mi­nús­cu­la praia mos­tra-se, com as su­as águas tão trans­pa­ren­tes qu­an­to ador­me­ci­das. Do to­po do pe­nhas­co, avis­ta-se Es Ve­dra, a ilha má­gi­ca que tan­to se afun­da no mar como so­be no céu.

Imu­tá­vel per­ma­ne­ce uma par­te de Cap Ne­gret, a des­pei­to das mui­tas vi­ven­das que fo­ram sen­do cons­truí­das de um dos la­dos do ca­bo. In­vis­to pe­lo ca­mi­nho que nas­ce jun­to à igre­ja de Es Cu­bels, uma das zo­nas mais ri­cas de Ibi­za, pas­so um por­tão que con­duz a du­as vi­ven­das (é um ca­mi­nho pú­bli­co) e, ao fim de trin­ta mi­nu­tos, es­ten­do-me na Se­cret Be­a­ch, uma vez mais só, es­cu­tan­do o mar. Aqui, pe­la tar­de fo­ra, não avis­to um úni­co dos mui­tos mi­lhões de vi­si­tan­tes, qual rio hu­ma­no en­lou­que­ci­do, que se en­tre­gam a tan­tos ou­tros pra­ze­res em tan­tos ou­tros lu­ga­res no meio de tan­tos tu­ris­tas.

Es Por­tit­xol, na par­te nor­te de Ibi­za, é um por­to de águas trans­lú­ci­das que a na­tu­re­za cons­truiu qua­se sem aju­da hu­ma­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.