Ni­na, Dirk e o chá à bei­ra-mar

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

Cul­ti­var chá ver­de no Mi­nho? A ideia pa­re­cia lou­ca quan­do Ni­na Grunt­kows­ki e Dirk Ni­e­po­ort pen­sa­ram ne­la pe­la pri­mei­ra vez, há cin­co anos. Mas es­ta Pri­ma­ve­ra já hou­ve a pri­mei­ra co­lhei­ta e as pri­mei­ras ex­pe­ri­ên­ci­as de fa­zer um chá ar­te­sa­nal se­guin­do as téc­ni­cas ja­po­ne­sas. Só que es­te trans­por­ta o ter­roir por­tu­guês e, di­zem Ni­na e Dirk, “chei­ra a mar”. Ale­xan­dra Pra­do Co­e­lho (tex­to) e Pau­lo Pi­men­ta ( fo­tos)

Um dia, quan­do ain­da tra­ba­lha­va co­mo jor­na­lis­ta pa­ra a rá­dio ale­mã, Ni­na Grunt­kows­ki qua­se in­ter­rom­peu o seu en­tre­vis­ta­do, um suí­ço que es­cre­ve­ra um li­vro so­bre chá, de tal ma­nei­ra fi­cou en­tu­si­as­ma­da com o que ele aca­ba­ra de di­zer. O es­pe­ci­a­lis­ta ex­pli­ca­va-lhe que exis­tem ape­nas du­as va­ri­e­da­des de plan­ta a par­tir das quais se faz chá, a ca­mel­lia si­nen­sis ea ca­mel­lia as­sa­mi­ca.

“Qua­se es­tra­guei a gra­va­ção”, re­cor­da, sor­rin­do. “Que­ria sa­ber se es­sas plan­tas ti­nham a ver com as ca­mé­li­as que nas­cem no Nor­te de Por­tu­gal, na cha­ma­da ter­ra das ca­mé­li­as, na área cos­tei­ra do Mi­nho. Ele dis­se-me que sim, que eram da mes­ma fa­mí­lia. E eu, ‘Uau, en­tão vai ser pos­sí­vel plan­tar chá on­de vi­vo ago­ra’.”

A ale­mã Ni­na vi­ve no Por­to com Dirk Ni­e­po­ort, pro­du­tor de vi­nho que vem de uma fa­mí­lia de ori­gem ho­lan­de­sa com gran­de tra­di­ção no mun­do do vi­nho do Por­to e é co­nhe­ci­do pe­la ir­re­ve­rên­cia, cri­a­ti­vi­da­de e von­ta­de de ex­pe­ri­men­tar coi­sas di­fe­ren­tes. Uma das coi­sas que Dirk há mui­to di­zia que gos­ta­va de vir a pro­du­zir era chá. E, nes­se dia, Ni­na che­gou a ca­sa com os olhos a bri­lhar e uma plan­ta de chá de­bai­xo do bra­ço, ofer­ta do seu en­tre­vis­ta­do suí­ço.

“O Dirk que­ria plan­tar lo­go, mas eu dis­se pa­ra a dei­xar­mos no can­to mais frio da nos­sa hor­ta e ver se so­bre­vi­via du­ran­te o In­ver­no.” So­bre­vi­veu e “fe­liz”. Is­so en­co­ra­jou o ca­sal a en­co­men­dar mais 200 plan­tas e a fa­zer uma pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia no jar­dim da ca­sa do Por­to. Ao la­do da hor­ta nas­ceu uma plan­ta­ção de ca­mé­li­as, tal­vez a pri­mei­ra des­de que, no sé­cu­lo XX, um por­tu­guês ti­nha fei­to uma ex­pe­ri­ên­cia se­me­lhan­te, em Pon­te de Li­ma, mas en­tre­tan­to aban­do­na­da quan­do par­tiu com a mu­lher pa­ra o Bra­sil. As ca­mé­li­as que ao lon­go do tem­po se tor­na­ram fa­mo­sas no Mi­nho são as plan­tas de- co­ra­ti­vas, com be­las flo­res, mas que não ser­vem pa­ra fa­zer chá.

Du­ran­te dois anos, as ca­mel­li­as si­nen­sis fo­ram cres­cen­do no jar­dim de Dirk e Ni­na e ao fim des­se tem­po os dois lem­bra­ram-se de um ter­re­no um pou­co mais a nor­te, on­de os pais de­le ti­nham vi­vi­do mas que se en­con­tra­va ago­ra sem uti­li­za­ção. “Pen­sá­mos que, no iní­cio do Mi­nho, per­to da cos­ta, e nu­ma ter­ra aben­ço­a­da pa­ra as ca­mé­li­as, era o sí­tio per­fei­to.”

Em 2014, as 200 plan­tas fo­ram mu­da­das pa­ra es­ta pro­pri­e­da­de, em For­ne­lo, pró­xi­mo de Vi­la do Conde, on­de estamos ago­ra e on­de Ni­na nos mos­tra co­mo se pul­ve­ri­za, com ca­mo­mi­la, ur­ti­ga ou ca­va­li­nha, con­for­me as ne­ces­si­da­des e as al­tu­ras do ano, es­sas plan­tas, as mais an­ti­gas de uma fa­mí­lia que não tem pa­ra­do de cres­cer. Nes­te mo­men­to são já 6500, ocu­pan­do meio hec­ta­re da pro­pri­e­da­de, e o ob­jec­ti­vo é co­me­çar a plan­tar as res­tan­tes até che­gar a um hec­ta­re.

Pa­ra quem não co­nhe­ce, a plan­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.