Va­mos en­ve­lhe­cer chá em pi­pas de vi­nho do Por­to?

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

À pri­mei­ra vis­ta, a rua mo­der­na de Qui­o­to, no Ja­pão, não pa­re­cia par­ti­cu­lar­men­te pro­mis­so­ra. Mas a pe­que­na lo­ja cha­mou a aten­ção de Dirk Ni­e­po­ort. O pro­du­tor de vi­nho por­tu­guês dis­se à mu­lher, Ni­na Grunt­kows­ki, que de­via ser uma lo­ja cen­te­ná­ria. Ela não es­ta­va mui­to con­ven­ci­da mas en­can­tou-se com um bu­le e en­tra­ram. Foi en­tão que re­pa­ra­ram nas ân­fo­ras de bar­ro.

“São pa­ra en­ve­lhe­cer chá”, ex­pli­cou-lhes o do­no do es­ta­be­le­ci­men­to. Ne­nhu­ma res­pos­ta po­de­ria ter agra­da­do mais a Dirk. “O que ele di­zia so­bre chá é exac­ta­men­te o que eu di­go so­bre vi­nho, que os enó­lo­gos não per­ce­bem na­da, que as uni­ver­si­da­des en­si­nam as coi­sas er­ra­das, que ho­je a mo­da é os chás se­rem em­pa­co­ta­dos a vá­cuo por­que se pen­sa que quan­to mais jo­vens e fres­cos, me­lhor, quan­to me­nos oxi­da­ção ti­ve­rem, me­lhor.” O do­no da lo­ja acha­va exac­ta­men­te o con­trá­rio — que é ne­ces­sá­rio dar tem­po aos chás, dei­xá-los evo­luir, per­mi­tir-lhes que ga­nhem com­ple­xi­da­de. “É o que eu pen­so so­bre os vi­nhos bran­cos.”

Quan­do pro­va­ram os chás que com­pra­ram nes­sa lo­ja, to­dos eles en­ve­lhe­ci­dos, per­ce­be­ram ra­pi­da­men­te a di­fe­ren­ça. “Têm uma di­men­são e com­ple­xi­da­de que não é ha­bi­tu­al num chá ver­de. Che­ga­mos à con­clu­são que o mun­do não é bem o que a gen­te pen­sa, há mui­tas nu­an­ces. Es­tes chás são me­nos fru­ta­di­nhos e bo­ni­ti­nhos.” Mais tar­de,

A pi­pa de 1987 guar­da há cerca de dois me­ses dez qui­los de chá Oo­long. “O chá ver­de é de­ma­si­a­do de­li­ca­do, o Oo­long é mais es­tá­vel”, ex­pli­ca Dirk

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.