Uma ci­da­de qua­se hu­ma­na

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

É uma das mais no­tá­veis re­mi­nis­cên­ci­as ur­ba­nas da Eu­ro­pa me­di­e­val. Após três sé­cu­los de de­ca­dên­cia, re­nas­ceu pe­la mão de um ro­man­ce sim­bo­lis­ta que a tem co­mo per­so­na­gem, e aca­bou en­ce­na­da vá­ri­as ve­zes no ci­ne­ma. Iti­ne­rá­rio em bus­ca des­sa Bru­ges que so­bre­vi­ve nas en­tre­li­nhas das me­mó­ri­as li­te­rá­ria e ci­ne­ma­to­grá­fi­ca. Hum­ber­to Lo­pes (tex­to e fo­tos)

Há qua­se seis­cen­tos anos, por vol­ta de 1426, um vi­a­gei­ro ilus­tre per­cor­ria a Eu­ro­pa, de Ro­ma a Lon­dres, de Ve­ne­za a Bru­ges, es­tan­ci­a­va nas cor­tes mais po­de­ro­sas do con­ti­nen­te em mis­são di­plo­má­ti­ca ao ser­vi­ço de um rei­no que se ti­nha saí­do bem nu­ma ba­ta­lha que fi­cou co­nhe­ci­da co­mo de Al­ju­bar­ro­ta. Es­pí­ri­to cos­mo­po­li­ta ali­men­ta­do por es­tas an­dan­ças sem mu­ros, vê­se que ar­ri­bou a Bru­ges com cla­re­za de idei­as na ba­ga­gem e o fir­me pro­pó­si­to de as en­de­re­çar a quem de di­rei­to no rei­no dis­tan­te em que ha­via dei­xa­do ca­sa e ir­mãos - os da Ín­cli­ta Ge­ra­ção.

Pa­re­ce ju­di­ci­o­so con­cluir que não te­rá si­do ape­nas for­tui­to aca­so, um tem­po va­go de afa­ze­res, que le­vou o In­fan­te D. Pe­dro a pe­gar na pe­na e a es­cre­ver ao seu ir­mão D. Du­ar­te a fa­mo­sa Car­ta de Bru­ges. A mis­si­va era uma es­pé­cie de tes­ta­men­to po­lí­ti­co que pa­re­cia adi­vi­nhar o re­tro­ces­so feu­dal que acon­te­ce­ria nas dé­ca­das se­guin­tes em Por­tu­gal, um dos pe­río­dos mais obs­cu­ros da his­tó­ria do país, de­pois de o In­fan­te ter si­do afas­ta­do da re­gên­cia do rei­no, e de ter o ir­mão, D. Afon­so V, fi­ca­do à mer­cê da in­fluên­cia e dos in­te­res­ses de uma ve­lha no­bre­za re­tró­gra­da e alheia às mu­dan­ças que no con­ti­nen­te - e Bru­ges era um no­tá­vel exem­plo - anun­ci­a­vam o fim dos tem­pos me­di­e­vais.

Nes­se pri­mei­ro quar­tel do sé­cu­lo XV, já a ci­da­de fla­men­ga se ti­nha afir­ma­do co­mo um por­to mo­vi­men­ta­dís­si­mo e cos­mo­po­li­ta, um prós­pe­ro pó­lo de co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal e ber­ço da emer­gen­te eco­no­mia ca­pi­ta­lis­ta, um mo­de­lo de go­ver­na­ção e, en­fim, uma ve­ra ci­da­de de van­guar­da à es­ca­la eu­ro­peia. O es­plen­dor de Bru­ges sur­gi­ria, pois, co­mo cir­cuns­tân­cia pro­pí­cia, po­li­ti­ca­men­te cre­dí­vel, pa­ra a es­cri­ta do tex­to em que D. Pe­dro la­vra­va con­se­lhos à ad­mi­nis­tra­ção das coi­sas do rei­no lu­si­ta­no. Um des­ses avi­sos, cer­ta­men­te ilus­tra­do por quan­to o prín­ci­pe vi­ra de go­ver­na­ção mais as­si­sa­da em Bru­ges e nou­tras pa­ra­gens eu­ro­pei­as, pa­re­ce aten­tar em ma­lei­ta tão es­tru­tu­ral que ain­da ho­je nos soa es­pan­to­sa­men­te fa­mi­li­ar: “Um dos er­ros que le­sam a pru­dên­cia é o nú­me­ro exa­ge­ra­do das pes­so­as que fa­zem par­te da ca­sa do Rei e da dos prín­ci­pes. De on­de de­cor­rem as des­pe­sas exa­ge­ra­das que re­ca­em so­bre o po­vo, sob a for­ma de im­pos­tos”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.