Um jan­tar com vis­ta(s)

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

lhe “ma­tou vá­ri­as ga­li­nhas”, lem­bra o tem­po em que “ti­nha re­ba­nhos de ove­lhas” e ex­pli­ca por que é que o cão pre­to que es­tá ali dei­ta­do a um can­to “tem que es­tar pre­so”. E nis­to o pneu já es­tá no sí­tio e já estamos nós a co­bi­çar umas amei­xas gran­des e ver­me­lhas que se in­si­nu­am na ár­vo­re. “Le­ve à von­ta­de, mas olhe que se ca­lhar ain­da es­tão ver­des.” Apa­nha­mos uma mão cheia de­las e des­pe­di­mo-nos do nos­so an­jo da guar­da. “Sor­te e saú­de. Se vol­ta­rem a pas­sar por cá, ve­nham di­zer olá.” Cer­ta­men­te, Jor­ge.

É nes­te Al­gar­ve sim­ples e se­re­no, lon­ge do bu­lí­cio de prai­as car­re­ga­das, que se si­tua o Mon­te Rei, que es­tá a co­me­mo­rar uma dé­ca­da. Es­te ano, por ha­ver fes­ta re­don­da, mar­ca uma no­va fa­se de cres­ci­men­to na vi­da do re­sort (ver cai­xa) que em Maio viu o seu cam­po de 18 bu­ra­cos ser elei­to por pra­ti­can­tes da mo­da­li­da­de co­mo o Me­lhor Clu­be de Gol­fe de Por­tu­gal em 2017. Pa­ra es­ta dis­tin­ção mui­to con­tri­buiu o de­se­nho do gre­en, da res­pon­sa­bi­li­da­de de Jack Nic­klaus, uma das re­fe­rên­ci­as má­xi­mas na ar­qui­tec­tu­ra de gol­fe.

Não so­mos de gran­des ta­ca­das, pe­lo que, en­quan­to gui­a­mos até à nos­sa vil­la (Mi­ra­dou­ro Vil­la­ge, n.º 6), nos li­mi­ta­mos a apre­ci­ar as pai­sa­gens ver­des e on­du­la­das que se es­pa­lham pe­lo Mon­te Rei. O re­sort es­tá im­plan­ta­do ao lon­go de 400 hec­ta­res, on­de nes­te mo­men­to há 28 mo­ra­di­as (oi­to com pis­ci­na pri­va­ti­va e qua­tro quar­tos e 20 com pis­ci­na co­mum, com um nú­me­ro de quar­tos que va­ria en­tre um e três) em ex­plo­ra­ção tu­rís­ti­ca, mas nu­ma es­ta­da de dois di­as pra­ti­ca­men­te não nos cru­zá­mos com ou­tros hós­pe­des. É cer­to que era Ju­nho, mas quis-nos pa­re­cer que era tu­do nos­so. Não era, na­tu­ral­men­te, mas usa­mos es­ta ima­gem pa­ra re­for­çar a tran­qui­li­da­de do Mon­te Rei — não se­rá à toa que é con­si­de­ra­do um dos mais ex­clu­si­vos clu­bes de gol­fe da Eu­ro­pa.

Da vil­la à pis­ci­na são meia dú­zia de pas­sos — e a pis­ci­na é um íman po­de­ro­so. Quan­do en­trá­mos em ca­sa pe­la pri­mei­ra vez, fi­ze­mos-lhe um re­co­nhe­ci­men­to rá­pi­do, apre­ciá­mos-lhe o con­for­to e a de­co­ra­ção cui­da­da e fun­ci­o­nal, e de­pois, cla­ro, caí­mos na água. O Ve­ran­da, o bar de apoio, já es­ta­va fe­cha­do, éra­mos só nós e os pás­sa­ros. Sim, o Al­gar­ve tam­bém po­de ser si­lên­cio.

A Fugas es­te­ve alo­ja­da a con­vi­te do Mon­te Rei Golf & Coun­try Club

A ofer­ta gas­tro­nó­mi­ca do Mon­te Rei é va­ri­a­da, com três res­tau­ran­tes, mas o Vis­tas, com as­si­na­tu­ra do chef Al­ba­no Lou­ren­ço, é o que pro­por­ci­o­na uma ex­pe­ri­ên­cia mais ex­clu­si­va e mar­can­te. A co­me­çar, des­de lo­go, pe­lo que o olhar al­can­ça: pa­ra lá das ar­ca­das do ter­ra­ço es­praia- se um mar de ver­de que ins­pi­ra e aju­da a tor­nar a re­fei­ção mais har­mo­ni­o­sa.

Sen­ta­mo-nos nu­ma das me­sas sob as ar­ca­das nu­ma noi­te ame­na e du­ran­te du­as ho­ras pro­va­mos o me­nu pre­pa­ra­do por Al­ba­no Lou­ren­ço e os vi­nhos es­co­lhi­dos por Nu­no Pi­res. Co­me­ça­mos jus­ta­men­te por ele, que nos ser­ve um ines­que­cí­vel Czar 2008 Meio Do­ce — um vi­nho li­co­ro­so do Pi­co, do pro­du­tor For­tu­na­to Gar­cia, já des­cri­to por vá­ri­os crí­ti­cos co­mo uma “jóia” que fi­ca­rá na his­tó­ria dos vi­nhos dos Aço­res. Sem dú­vi­da um gran­de pre­nún­cio pa­ra que o que es­tá pa­ra vir.

Ex­pe­ri­men­ta­mos qua­tro amu­se bou­che, dos quais des­ta­ca­mos o co­ne de be­ter­ra­ba com ce­vi­che de ca­ra­pau e o tár­ta­ro de atum com ge­la­do de pe­pi­no — am­bos de­li­ci­o­sos. Con­ti­nu­a­mos com co­dor­niz, be­ter­ra­ba (mui­to re­fres­can­tes os seus re­ben­tos) e chut­ney de ce­bo­la e avan­ça­mos pa­ra o gas­pa­cho de mo­ran­go e os­tra de Ca­ce­la. Su­cu­len­tís­si­mo o ro­ba­lo com ri­sot­to de la­ran­ja

e mo- lho de os­tra e mui­to bom o lom­bo de bor­re­go em cros­ta de co­en­tros com ba­ta­ta vi­o­le­ta.

No ca­pí­tu­lo do­ce da re­fei­ção, a pré-so­bre­me­sa cons­ta de mas­car­po­ne com fru­tos ver­me­lhos mas fi­ca­mos ren­di­dos à so­bre­me­sa pro­pri­a­men­te di­ta: cha­ma-se mo­ran­go e man­je­ri­cão e é ver­da­dei­ra­men­te ines­que­cí­vel. Le­ve, fres­ca, ave­lu­da­da e de um con­tras­te per­fei­to en­tre o do­ce do mo­ran­go e o pi­can­te do man­je­ri­cão. Top, co­mo ago­ra é mo­da di­zer-se.

No­ta má­xi­ma tam­bém pa­ra Nu­no Pi­res, que ex­pli­ca com de­ta­lhe e mui­ta se­gu­ran­ça os vi­nhos que ser­ve e nos deu a pro­var coi­sas ex­tra­or­di­ná­ri­as. Co­mo é o ca­so do Qu­et­zal Re­ser­va Bran­co 2012 ou do Quin­ta da Cal­dei­ri­nha Vi­nhas Ve­lhas 2013, um vi­nho bi­o­ló­gi­co da Bei­ra In­te­ri­or. Pa­ra fe­char a re­fei­ção em gran­de, um Por­to Ca­sa de San­ta Eu­fé­mia 30 Anos Bran­co.

No­ta de agen­da: ain­da no âm­bi­to das co­me­mo­ra­ções dos 10 anos do Mon­te Rei, o Vis­tas vai re­ce­ber três jan­ta­res “Gu­est Chef”, nos quais o an­fi­trião Al­ba­no Lou­ren­ço con­vi­da três chefs com es­tre­la Mi­che­lin pa­ra se jun­ta­rem a ele na co­zi­nha. Ví­tor Ma­tos (An­tiq­vum, Por­to) en­tra em ce­na a 22 de Ju­lho, en­quan­to o chef Jor­di Es­te­ve (Nec­ta­ri, Bar­ce­lo­na) te­rá a seu car­go o jan­tar do úl­ti­mo sá­ba­do de Ju­lho (29). Hen­ri­que Sá Pes­soa (Al­ma e Ta­pis­co, Lis­boa) fe­cha es­te ci­clo, no fim-de-se­ma­na de 11 e 12 de Agos­to. Já o res­tau­ran­te Ve­ran­da tem agen­da­dos jan­ta­res te­má­ti­cos: Noi­tes Al­gar­vi­as (a 30 de Ju­lho e 6 de Agos­to), com pro­du­tos lo­cais, da ser­ra e do mar; e Noi­tes In­di­a­nas, a 3 e a 10 de Agos­to.

Al­ba­no Lou­ren­ço pre­pa­ra no Vis­tas um me­nu que pri­vi­le­gia os pro­du­tos da re­gião; em ci­ma, a so­bre­me­sa mo­ran­go e man­je­ri­cão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.