O ho­tel “mais chi­que” de Salvador re­nas­ceu das cin­zas

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

“No sa­lão do Pa­la­ce iam os dois a dan­çar, num tan­go de do­çu­ra e de vo­lú­pia, tão de jo­vens ino­cen­tes na­mo­ra­dos e tão de lú­bri­cos aman­tes.” No sa­lão do Pa­la­ce, Do­na Flor dan­çou o tan­go com Va­di­nho na noi­te do seu ani­ver­sá­rio. Mas “uma coi­sa dan­çar em fes­ti­nha de ani­ver­sá­rio, muito ou­tra sair pe­lo sa­lão do Pa­la­ce nos apu­ros de um tan­go ar­ra­ba­le­ro, e lo­go aque­le! […]. Sa­be­ria ain­da dan­çá-lo tan­to tem­po de­pois, e, ao de­mais, nes­sa noi­te qua­se má­gi­ca quan­do vem ao Pa­la­ce pe­la pri­mei­ra vez?”.

O Pa­la­ce Ho­tel era, nas pri­mei­ras dé­ca­das do sé­cu­lo XX, um dos lo­cais mais chi­ques da ci­da­de de Salvador da Bahia, Bra­sil. Por is­so, Do­na Flor, que Jor­ge Ama­do imor­ta­li­zou em Do­na Flor e seus Dois Ma­ri­dos, so­nha­va com aque­la noi­te no Pa­la­ce.

“O ho­tel, aber­to em 1924, foi cons­truí­do pe­lo co­men­da­dor Mar­tins Catha­ri­no, o ho­mem mais ri­co da ci­da­de, um Roc­ke­fel­ler da épo­ca”, con­ta An­tó­nio Maz­za­fe­ra. “A ci­da­de de Salvador cha­ma­va-se en­tão Bahia e ele cons­truiu-o pa­ra os co­ro­néis do ca­cau que mo­ra­vam em Ilhéus e Ita­bu­na e vi­nham com frequên­cia pa­ra cá. Foi o ho­tel mais lu­xu­o­so da ci­da­de e é con­si­de­ra­do uma das jói­as Art Deco da Bahia.”

Es­ta­mos a al­mo­çar no res­tau­ran­te do re­cém-aber­to Fe­ra Pa­la­ce Ho­tel de Salvador e An­tó­nio Maz­za­fe­ra é um dos ho­mens por trás do re­nas­ci­men­to des­te ícone da ci­da­de, fe­cha­do du­ran­te mais de dez anos e ame­a­ça­do de ruí­na, que re­a­briu por­tas em Fe­ve­rei­ro des­te ano. Ho­je, o Pa­la­ce re­cu­pe­rou a sua ve­lha gló­ria e er­gue-se ma­jes­to­so e ele­gan­te aos olhos de quem so­be a Rua Chi­le — a mais an­ti­ga da ci­da­de (1549) e a pri­mei­ra cons­truí­da pe­los por­tu­gue­ses no Bra­sil (por or­dem de To­mé de Sousa, o pri­mei­ro go­ver­na­dor-ge­ral do Bra­sil, que en­co­men­dou o pla­no da ci­da­de ao ar­qui­tec­to Luís Di­as), que an­te­ri­or­men­te foi cha­ma­da Rua Di­rei­ta do Pa­lá­cio e Rua Di­rei­ta do Mer­ca­dor.

O co­men­da­dor Mar­tins Catha­ri­no ti­nha ido a No­va Ior­que e en­can­ta­ra-se com o Fla­ti­ron Buil­ding da 5ª Ave­ni­da. E as­sim a Bahia viu nas­cer o edi­fí­cio, tam­bém ele tri­an­gu­lar, avan­çan­do co­mo a proa de um na­vio pe­la Rua Chi­le. “Nos anos 1930, 40, 50, a Rua Chi­le es­ta­va no seu au­ge”, con­ti­nua An­tó­nio Maz­za­fe­ra. “To­do o mun­do vi­nha pa­ra cá, era on­de as pes­so­as da ci­da­de pas­se­a­vam.” Car­men Mi­ran­da, Pa­blo Ne­ru­da, Or­son Wel­les, to­dos fi­ca­vam ins­ta­la­dos no Pa­la­ce. Que era, cla­ro, poi­so obri­ga­tó­rio dos pa­pa­raz­zi, em­pe­nha­dos em não per­der a fo­to da pró­xi­ma es­tre­la a cru­zar a por­ta do ho­tel.

No blo­gue Mais de Salvador, a mu­seó­lo­ga Ana Ma­ria Car­va­lho de Aze­ve­do faz um de­li­ci­o­so re­la­to do que era a vi­da de so­ci­e­da­de na Rua Chi­le, “das lo­jas mais ele­gan­tes, fre­quen­ta­das pe­la boa so­ci­e­da­de e on­de se en­con­tra­vam os mais fi­nos ar­ti­gos e tam­bém, é cla­ro, os úl­ti­mos lan­ça­men­tos da moda”. Re­cor­da ela que “pa­ra se ir à Rua Chi­le era pre­ci­so uma pre­pa­ra­ção em grande es­ti­lo”, com “ves­ti­dos de pas­seio, sa­pa­tos de sal­to e mei­as de se­da, com a cos­tu­ra bem cer­ti­nha”,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.