O dia em que jan­tá­mos na Pa­nó­nia

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

Um res­tau­ran­te, um ho­tel, um gru­po de pro­du­to­res de vi­nho que acre­di­tam que es­te de­ve sa­ber ao so­lo de on­de vem, uma his­tó­ria po­lí­ti­ca agi­ta­da, uma fron­tei­ra que pa­re­ce que­rer fe­char-se de no­vo. Tau­ben­ko­bel é uma his­tó­ria de co­mi­da, de vi­nho e de po­lí­ti­ca. Alexandra Prado Co­e­lho

“Traz con­si­go o pas­sa­por­te?”, per­gun­ta Pe­ter. Tí­nha­mos par­ti­do há cer­ca de 15 mi­nu­tos do Ho­tel Tau­ben­ko­bel, nas mar­gens do la­go Neu­si­e­dl, na Áus­tria, e es­tá­va­mos a apro­xi­mar-nos da fron­tei­ra com a Hun­gria. Vêem-se guar­das a fis­ca­li­zar os car­ros que atra­ves­sam, mas nós te­mos sor­te e pas­sa­mos sem que nos man­dem pa­rar.

Pe­ter Mül­ler é som­me­li­er no Tau­ben­ko­bel e guia-nos nes­te pas­seio pe­la re­gião, a pro­vín­cia de Bur­gen­land, na par­te oriental da Áus­tria, com um ob­jec­ti­vo: mos­trar que as fron­tei­ras e di­vi­sões cri­a­das pe­los ho­mens não têm cor­res­pon­den­te na na­tu­re­za. De fac­to, é di­fí­cil per­ce­ber que mu­dá­mos de país. No la­do hún­ga­ro a pai­sa­gem é em tu­do se­me­lhan­te à do la­do aus­tría­co – aliás, o pró­prio la­go (pa­tri­mó­nio da UNESCO des­de 2001) é par­ti­lha­do en­tre os dois paí­ses.

“As uvas não co­nhe­cem fron­tei­ras po­lí­ti­cas”, es­tá a di­zer-nos Pe­ter. E, nos di­as em que fi­ca­mos em Tau­ben­ko­bel, va­mos per­ce­ben­do que es­ta é uma for­ma de es­tar – uma ideia po­lí­ti­ca, no fun­do – que es­te char­mo­so ho­tel quer trans­mi­tir, no­me­a­da­men­te atra­vés dos pro­du­tos que usa na co­zi­nha e dos vi­nhos que ser­ve.

“Não vi­ve­mos num mun­do me­lhor, mas es­ta­mos fe­li­zes com a ri­que­za e o ca­rác­ter dis­tin­ti­vo da nos­sa re­gião da Pa­nó­nia”, lê-se no site do ho­tel. “Ama­mos as plan­tas que cres­cem aqui, os ani­mais que vi­vem aqui, e que fa­zem par­te da di­ver­si­da­de de cul­tu­ras que cons­ti­tu­em a Pa­nó­nia e da so­ma de inú­me­ras in­fluên­ci­as.”

Nu­ma re­gião que mu­dou mui­tas ve­zes de mãos, que per­ten­ceu ao Im­pé­rio Aus­tro-Hún­ga­ro (1867-1918) e que se tor­nou par­te da Áus­tria de­pois da I Guer­ra Mun­di­al (foi a mais jo­vem pro­vín­cia a in­te­grar o país), há a ten­ta­ti­va de rei­vin­di­car uma iden­ti­da­de mais an­ti­ga, an­te­ri­or a to­das as guer­ras e dis­pu­tas: a da Pa­nó­nia, an­ti­ga pro­vín­cia do Im­pé­rio Ro­ma­no, que in­cluía par­te das ac­tu­ais Hun­gria, Áus­tria, Croá­cia, Sér­via, Es­lo­vé­nia, Es­lo­vá­quia e Bós­nia-Her­ze­go­vi­na.

“A re­gião de­fi­niu-se pe­la ge­o­gra­fia e não pe­la po­lí­ti­ca – es­sa veio com as pes­so­as”, con­ti­nua Pe­ter, en­quan­to guia. “Quan­do exis­tia a Cor­ti­na de Fer­ro, não pas­sá­va­mos por aqui com a fa­ci­li­da­de com que aca­bá­mos de pas­sar.” Mes­mo as­sim, nos úl­ti­mos anos, com o medo dos re­fu­gi­a­dos e a ten­dên­cia dos paí­ses pa­ra vol­ta­rem a fe­char fron­tei­ras, a si­tu­a­ção tem-se tor­na­do mais pre­o­cu­pan­te.

“O que o res­tau­ran­te ten­ta co­mu­ni­car é es­ta ideia de uma re­gião que é um to­do, in­de­pen­den­te­men­te da opi­nião de quem es­tá no po­der.” Pe­ter re­co­nhe­ce que es­te é ain­da um te­ma di­fí­cil, mas ex­pli­ca que Tau­ben­ko­bel tem vin­do a dar mai­or vi­si­bi­li­da­de a es­ta sua fi­lo­so­fia pre­ci­sa­men­te “co­mo re­sul­ta­do da ac­tu­al si­tu­a­ção po­lí­ti­ca”.

In­ter­rom­pe­mos aqui a li­ção de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.