Na au­ra de Ames­ter­dão, na­ve­gam bar­cos de quei­jo, his­tó­ria e areia

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

Prai­as, vi­las an­ces­trais, par­ques na­tu­rais, pra­dos e quei­jo, mui­to quei­jo. Fo­mos co­nhe­cer o país ru­ral e ve­ra­ne­an­te que se abei­ra da ca­pi­tal dos Paí­ses Bai­xos. Ma­ra Gon­çal­ves

“Cui­da­do com a ca­be­ça. Não se le­van­tem.” Entre os cor­pos que se cur­vam sobre o es­pa­ço li­vre a bor­do e a pe­que­na pon­te de ma­dei­ra que nos pas­sa por ci­ma não so­bra mais do que um pal­mo de in­ter­va­lo. De jo­e­lhos na po­pa, Rei­nard Ma­ar­le­veld em­pur­ra o bar­co pe­la pas­sa­gem es­trei­ta à for­ça de bra­ços sobre um re­mo de gon­do­lei­ro. Não se vê vi­val­ma jun­to às mo­ra­di­as de ma­dei­ra. Ape­nas fi­lei­ras de pa­tos a na­dar no ca­nal ou ador­me­ci­dos sobre as mar­gens. Mui­tos va­sos, can­tei­ros, ar­bus­tos e ár­vo­res der­ra­mam som­bras sobre a água. Num nó de ra­mos, a proa de um ve­lho bar­co de ma­dei­ra é ago­ra uma ca­sa na ár­vo­re, com uma cor­da pron­ta a em­ba­lar miúdos pa­ra um mer­gu­lho. Não tar­da, o ca­nal alar­ga-se e o re­mo des­can­sa aos nos­sos pés. O mo­tor si­len­ci­o­so fa­rá o res­to do ca­mi­nho pe­los pra­dos ala­ga­dos de Wa­ter­land.

É na re­gião a nor­te de Ames­ter­dão que ini­ci­a­mos um cur­to pé­ri­plo por par­te da na­tu­re­za, da his­tó­ria e da tra­di­ção que se ins­cre­ve nos ar­re­do­res da ca­pi­tal dos Paí­ses Bai­xos. Pas­tos bu­có­li­cos, quei­jos an­ces­trais re­cu­pe­ra­dos, vi­las pa­ra­das no tem­po, prai­as e um par­que na­tu­ral fei­to de du­nas on­de se lu­ta pe­la con­ser­va­ção do bi­son­te eu­ro­peu. “Há mais do que Ames­ter­dão”, lem­bra Ma­non Zon­der­van, as­ses­so­ra de im­pren­sa do or­ga­nis­mo ofi­ci­al de tu­ris­mo da ci­da­de. “Es­ta­mos a 20 mi­nu­tos [da ca­pi­tal] e é uma área to­tal­men­te di­fe­ren­te.” Os ca­nais con­ti­nu­am a do­mi­nar a pai­sa­gem mas o ce­ná­rio já não é com­pos­to por pré­di­os de fa­cha­das es­trei­tas em tons ter­ra nem pe­lo trân­si­to de bar­cos, bi­ci­cle­tas, car­ros, trans­por­tes pú­bli­cos, tu­ris­tas e ma­las de vi­a­gem que in­va­de o cen­tro da ci­da­de. É a Ho­lan­da ru­ral dos pos­tais: pas­ta­gens tão ver­des e pla­nas que o olhar não lhes al­can­ça o fim, sal­pi­ca­das de ca­va­los, ove­lhas e va­cas.

“Se re­pa­ra­rem, uma mar­gem é mais al­ta do que a ou­tra. Es­ta es­tá aci­ma do ní­vel do mar. Aque­la era um an­ti­go la­go que se­ca­ram”, apon­ta Rei­nard, do­no de uma em­pre­sa de alu­guer de bar­cos que hoje nos guia num cur­to pas­seio em Wa­ter­land (bro­e­ker­bo­ot­verhu­ur.nl). Gran­de par­te da re-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.