Mi­a­mi Ví­ci­os in­trín­se­cos, vir­tu­des ar­tís­ti­cas

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

Há uma iro­nia ini­lu­dí­vel em sa­ber que quem “sal­vou” South Be­a­ch (So­Be) foi um ca­sal co­mu­nis­ta – co­nhe­ce­ram-se na Young Com­mu­nist Le­a­gue e ele es­te­ve mes­mo na Lis­ta Ne­gra de McCarthy. “Fo­ram eles que de­ram o mo­de­lo de ne­gó­cio que per­mi­tiu aos an­ti­gos ho­téis Art Dé­co não só so­bre­vi­ver co­mo tor­na­rem-se a ima­gem de mar­ca de Mi­a­mi”, ex­pli­ca o guia Jo­el Le­vi­ne. E quem diz Mi­a­mi diz, na re­a­li­da­de, Mi­a­mi Be­a­ch, a ilha-ci­da­de a oi­to qui­ló­me­tros da ci­da­de-mãe, atra­ves­sa­da a Baía de Bis­cay­ne, um dos mui­tos bra­ços de água que fa­zem des­ta zo­na um que­bra-ca­be­ças ge­o­grá­fi­co. Na re­a­li­da­de, não foi o ca­sal, foi a mu­lher, Bar­ba­ra Ca­pit­man, que se de­di­cou de cor­po à Art Dé­co de So­Be de­pois da mor­te do ma­ri­do, pou­cos anos após te­rem tro­ca­do No­va Ior­que por Mi­a­mi: “En­si­nou os ca­pi­ta­lis­tas a fa­ze­rem di­nhei­ro com o pa­tri­mó­nio”.

Na ver­da­de, foi o fi­lho do ca­sal, An­drew Ca­pit­man, que pôs em prá­ti­ca as idei­as dos pais, tro­can­do Wall Stre­et (du­ran­te al­guns anos) pa­ra se unir à mãe não só na cri­a­ção da Mi­a­mi De­sign Pre­ser­va­ti­on Le­a­gue (MDPL), nu­ma al­tu­ra em que o des­ti­no dos ve­lhos ho­téis pa­re­cia ser a sua de­mo­li­ção, co­mo no mo­de­lo de de­sen­vol­vi­men­to da zo­na que, en­tre­tan­to, ha­vi­am já con­se­gui­do que fos­se re­co­nhe­ci­da co­mo de in­te­res­se his­tó­ri­co, um fei­to iné­di­to pa­ra um con­jun­to do sé­cu­lo XX.

Co­me­ça­ram por com­prar ho­téis na pri­mei­ra li­nha de praia, na icó­ni­ca Oce­an Dri­ve, e a ins­ta­lar ca­fés e res­tau­ran­tes nos rés-do-chão. “As pes­so­as só dor­mi­am aqui”, ex­pli­ca Jo­el Le­vi­ne, que co­mo to­dos os gui­as da MDPL é vo­lun­tá­rio. Mas is­so já faz par­te da his­tó­ria de Mi­a­mi Be­a­ch, uma his­tó­ria ao es­ti­lo how the west was won, sen­do que aqui es­ta­mos a east e nu­ma fai­xa es­trei­ta de ter­ra (12 qui­ló­me­tros de com­pri­men­to e 1,5 de lar­gu­ra) que exis­te co­mo en­ti­da­de mu­ni­ci­pal ape­nas des­de 1915.

E é as­sim que ac­tu­al­men­te che­ga­mos a Oce­an Dri­ve pa­ra uma su­ces­são de ho­téis, com ca­fés, ba­res e res­tau­ran­tes com es­pla­na­das a trans­bor­da­rem pa­ra o pas­seio con­ges­tio- na­do pe­los vi­si­tan­tes de uma ma­nhã de sá­ba­do de me­a­dos de Agos­to. O in­glês e o es­pa­nhol com­pe­tem pe­lo do­mí­nio lin­guís­ti­co (ga­nha o span­glish), há des­ca­po­tá­veis a pas­sar com mú­si­ca à sol­ta – a ban­da so­no­ra in­clui hip hop, sim, mas mui­ta sal­sa, me­ren­gue, reg­ga­e­tón, a ban­da so­no­ra mais cons­tan­te nas ru­as, re­flec­tin­do to­da a in­fluên­cia la­ti­na (e ca­ri­be­nha) da ci­da­de; à noi­te, os clu­bes fe­cham­se no hou­se e te­ch­no –, há mo­tas ex­tra­va­gan­tes.

No Lum­mus Park, que acom­pa­nha Oce­an Dri­ve do la­do da praia, pas­sam bi­ci­cle­tas, tro­ti­ne­tas, pa­tins, segways en­tre as fa­mo­sas pal­mei­ras que fa­zem par­te da ima­gem de mar­ca de Mi­a­mi. O sol é in­cle­men­te, a hu­mi­da­de im­pla­cá­vel – e Jo­el Le­vi­ne um dí­na­mo de ener­gia que não nos dá mar­gem pa­ra des­can­so. Nós che­ga­mos a So­Be vin­dos de Mid Be­a­ch – Mi­a­mi Be­a­ch di­vi­de-se em South, Mid e North Be­a­ch –, zo­na on­de os ho­téis ocu­pam a pri­mei­ra li­nha de mar. Pe­las ru­as – ave­ni­das – pré­di­os ta­pam as prai­as, com en­tra­das aqui e ali; dos ho­téis ao are­al o per­cur­so é ape­nas atra­ves­sar um pas­sa­di­ço (The Atlan­tic Way), com pér­go­las abun­dan­tes, que acom­pa­nha a cos­ta, la­de­a­do por plan­tas na­ti­vas, par­te de um pro­jec­to de pre­ser­va­ção. De­pois, o are­al e as águas tur­que­sas,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.