Um oá­sis à bei­ra-rio

Publico - Fugas - - PRIMEIRA PÁGINA -

sho­ot a ma­chi­ne gun”,

Se Mi­a­mi é o ver­so da Flo­ri­da, o que va­mos en­con­trar em Port Saint Lu­cie, du­as ho­ras a nor­te, é o seu re­ver­so. Pa­ra trás fi­ca a gran­de ur­be – e as lon­gas fi­las de trân­si­to – e di­an­te de nós a small town Ame­ri­ca. Não que Port Saint Lu­cie se­ja pro­pri­a­men­te pe­que­na (com quase 180 mil ha­bi­tan­tes, ul­tra­pas­sa, por exem­plo Fort Lau­der­da­le).

Po­rém, não atra­ves­sa­mos o seu cen­tro, ape­nas um dos tí­pi­cos su­búr­bi­os apa­ren­te­men­te ador­me­ci­do nu­ma tar­de de do­min­go na pa­ca­tez de ca­sas que se ali­nham com os seus rel­va­dos di­an­te e um cen­tro co­mer­ci­al aberto que não é mais do que um edi­fí­cio tér­reo de ti­jo­lei­ra ver­me­lha com lo­jas e ca­dei­as de fast fo­od.

Va­mos a ca­mi­nho do re­fú­gio perfeito de­pois da ci­da­de de to­dos os ex­ces­sos que é Mi­a­mi, o Club Med Sand­pi­per Bay. Con­ti­nu­a­mos na cos­ta ori­en­tal da Flo­ri­da, mas não há are­ais e águas tur­que­sas à vis­ta: es­te é um re­sort (tu­do in­cluí­do – ou quase, ve­re­mos) de rio e até es­ta mu­dan­ça po­de ser bem-vin­da – mais re­fres­can­te é, cer­ta­men­te. Em­bo­ra não se­jam mui­tos os que se aven­tu­ram na pe­que­na praia flu­vi­al – “as águas são es­cu­ras”, avi­sam-nos, ain­da que só à pri­mei­ra vis­ta, “por cau­sa de al­gas” –, nu­ma pe­que­na baía, ga­ran­ti­mos que as águas são mais fres­cas do que as do oce­a­no.

Sim, na­dá­mos no rio, ex­pe­ri­men­tá­mos stand up pad­dle pe­la pri­mei­ra vez – e não caí­mos ne­nhu­ma vez à água. Jo­gá­mos té­nis – o que se re­ve­lou uma má ideia, ape­sar de ter­mos es­co­lhi­do a ho­ra mais tar­dia pos­sí­vel: a tem­pe­ra­tu­ra aci­ma dos 30 graus, a hu­mi­da­de a ron­dar os 80% e a au­sên­cia de cal­ça­do ade­qua­do foi mis­tu­ra ex­plo­si­va – e apro­vei­tá­mos a pis­ci­na “pa­ra adul­tos” (há mais du­as aber­tas a to­dos), es­ta mes­mo à bei­ra-rio.

É uma das “no­vi­da­des” dos Club Med, um es­pa­ço in­ter­di­to a cri­an­ças e on­de os famosos G.O. co­mo to­dos co­nhe­cem os Gen­tis Or­ga­ni­za­do­res têm a gen­ti­le­za de não in­co­mo­dar com cons­tan­tes ape­los à par­ti­ci­pa­ção nas inú­me­ras ac­ti­vi­da­des que os Club Med ofe­re­cem (há mes­mo qua­dros com os ho­rá­ri­os das di­fe­ren­tes ac­ti­vi­da­des e, mais mo­der­no, uma apli­ca­ção pa­ra te­le­mó­vel que nos man­tém a par de tu­do o que se pas­sa).

Fi­ze­mos o que pu­de­mos no pou­co tem­po que ti­ve­mos nes­te pe­que­no pa­raí­so que é pro­mo­vi­do co­mo des­ti­no de des­por­to. Não é por aca­so. O gol­fe (há um cam­po de 18 bu­ra­cos), o té­nis (inú­me­ros courts) e o vo­lei­bol, por exem­plo, têm aca­de­mi­as, on­de se re­ce­bem cri­an­ças e jo­vens de to­do o mundo. “Fi­cam cin­co, seis me­ses”, ex­pli­ca Ja­vi­er, um dos G.O., “vão à es­co­la e trei­nam”. Pa­ra quem vem de fé­ri­as, a op­ção são as clí­ni­cas: é só apa­re­cer e trei­nar (li­ções pri­va­das são pa­gas à par­te). Mas a ofer­ta des­por­ti­va não fi­ca por aqui pois ain­da há cam­pos de fu­te­bol, bas­que­te­bol, mi­ni-gol­fe e até um tra­pé­zio – de ma­nhã re­ser­va­do às cri­an­ças, à tar­de aos adul­tos (e la­men­ta­mos não nos ter­mos aven­tu­ra­do). Mas o trun­fo são mes­mo os des­por­tos náu­ti­cos, ou não es­ti­vés­se­mos na mar­gem do rio Saint Lu­cie, que faz par­te de um es­tuá­rio do mes­mo no­me e que cons­ti­tui o ecos­sis­te­ma es­tu­a­ri­no com mai­or bi­o­di­ver­si­da­de do país. Aliás, os avi­sos que se re­pe­tem em pla­cas à bei­ra-rio são elo­quen­tes: além de “na­dar­mos à nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de”, en­tre os ani­mais que po­de­mos ver es­tão os famosos al­li­ga­tors (mas tam­bém gol­fi­nhos).

Se o pad­dle, o cai­a­que e a ve­la par­tem da praia, os des­por­tos náu­ti­cos mo­to­ri­za­dos têm um cais de ma­dei­ra com fi­las per­ma­nen­tes. É aí que se op­ta pe­los mais co­muns jet ski, es­qui-aquá­ti­co, wa­ke­bo­ard ou tu­bing (um in­su­flá­vel pu­xa­do por um bar­co a mo­tor) ou pe­lo fly­bo­ard. Des­te não vi­mos ne­nhum pra­ti­can­te, mas tam­bém não es­ti­ve­mos mui­to tem­po a ob­ser­var – em­bo­ra se ti­vés­se­mos con­se­gui­do um lu­gar nu­ma das ca­mas­ca­ba­nas vi­ra­das a es­sa zo­na tal­vez a his­tó­ria fos­se ou­tra; vi­mos mui­to es­qui-aquá­ti­co, des­de ini­ci­an­tes a pra­ti­can­tes ex­pe­ri­en­tes.

À noi­te, as ac­ti­vi­da­des trans­fe­rem­se pa­ra o sa­lão de es­pec­tá­cu­los (e aqui lem­bra­mo-nos de Dirty Dan­cing ver­são sé­cu­lo XXI) – or­ga­ni­za­dos pe­los G.O., 60 a tra­ba­lhar aqui, “até às 17h”: “tu­do o que fa­ze­mos de­pois é con­vi­ver com os hós­pe­des e as fes­tas” (e não é tra­ba­lho?) – e pa­ra o gran­de bar, que se trans­for­ma em dis­co­te­ca, to­dos os di­as com fes­tas te­má­ti­cas.

Pa­ra quem sen­tir mo­no­to­nia nes­te dolce fa­re ni­en­te, há um cen­tro de ex­cur­sões (pa­gas à par­te), com vi­si­tas a Or­lan­do ou Mi­a­mi ou até aos Ever­gla­des. Nós que­ría­mos mais “mo­no­to­nia”, mais tem­po nu­ma es­pre­gui­ça­dei­ra ou nos gran­des so­fás da praia a olhar o rio ou a con­tem­plar a noi­te. Por­que mes­mo num re­sort com ca­pa­ci­da­de pa­ra tan­tos hós­pe­des – os edi­fí­ci­os com­põem uma es­pé­cie de la­bi­rin­to – há es­pa­ço pa­ra so­li­dão. E, nes­te en­tor­no, es­ta não tem pre­ço.

NEL­SON GARRIDO

4500 S.E Pi­ne

Val­ley Stre­et Port Saint Lu­cie

FL 34952 www.club­med.pt/r/

Sand­pi­per-Bay/y

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.