An­dré Vi­ei­ra

Publico - Fugas - - PROTAGONISTA -

Há um car­ro com ma­trí­cu­la pa­les­ti­ni­a­na que é man­da­do pa­rar por mi­li­ta­res da IDF (For­ças de De­fe­sa de Is­ra­el) num check­point en­tre a Cis­jor­dâ­nia e Is­ra­el. Lá den­tro es­tá a cu­ra­do­ra, ins­tru­to­ra e per­for­mer por­tu­gue­sa Pau­li­na Al­mei­da com um gru­po de jo­vens com ida­des en­tre os 17 e 18 anos, nas­ci­dos na­que­le ter­ri­tó­rio da Pa­les­ti­na. É 25 de De­zem­bro de 2010, tar­de de Na­tal, e o pla­no é ofe­re­cer àque­le gru­po com quem tra­ba­lhou du­ran­te os me­ses que lá pas­sou um pre­sen­te: le­vá-los até à praia para po­de­rem ver o mar.

O mar es­tá “do ou­tro lado”, em Is­ra­el. Os mi­li­ta­res pe­dem os pas­sa­por­tes. Pau­li­na Al­mei­da, com pas­sa­por­te eu­ro­peu, ti­nha a via aber­ta para pas­sar. O mes­mo não acon­te­ce com os ou­tros pas­sa­gei­ros. “Qual é a ga­ran­tia que têm de que não pos­so es­tar eu mais pró­xi­ma de ser uma ter­ro­ris­ta e eles não?”, per­gun­ta aos res­pon­sá­veis por con­tro­lar o check­point. A res­pos­ta foi um ace­nar para o “ou­tro lado”, in­cen­ti­va­do pe­lo pró­prio gru­po que não pas­sa­va por es­sa si­tu­a­ção pe­la pri­mei­ra vez.

Não con­for­ma­da, ten­ta ou­tra via e con­se­gue fu­rar até Is­ra­el. Che­gam à praia e sal­tam para a areia, on­de não con­se­guem es­tar mui­to tem­po. Há uns sol­da­dos que se apro­xi­mam e que pe­dem para que sai­am da­li. O gru­po de jo­vens não es­tá con­for­tá­vel com a si­tu­a­ção e per­ce­be que po­de­rá es­tar em maus len­çóis. Pau­li­na Al­mei­da pe­de aos ra­pa­zes para pe­ga­rem nuns sa­cos plás­ti­cos que ti­nha guar­da­do no car­ro e mon­ta um per­so­na­gem e uma ma­no­bra de di­ver­são. Com o plás­ti­co to­do nas mãos, pe­de ex­pli­ca­ções à IDF so­bre o es­ta­do de po­lui­ção da praia. “So­mos do Gre­en Pe­a­ce, acham que uma praia po­de es­tar as­sim tão su­ja?”, in­ter­ro­gou. Os do­tes de per­for­mer e ac­triz ser­vi­ram para dis­trair e para po­de­rem vol­tar em se­gu­ran­ça à ca­sa tem­po­rá­ria da ar­tis­ta, tam­bém ac­ti­vis­ta, que des­de 1997 usa o es­pa­ço pú­bli­co co­mo pal­co.

A Cis­jor­dâ­nia é ape­nas uma des­sas ca­sas tem­po­rá­ri­as que ha­bi­tou e es­te é ape­nas um dos mui­tos epi­só­di­os que a mar­ca­ram das ve­zes em que es­te­ve em zo­nas do glo­bo em con­fli­to. “Não foi o mais trá­gi­co”, mas con­ta-o para ilus­trar os cho­ques ci­vi­li­za­ci­o­nais que exis­tem com ba­se em even­tos que ti­ve­ram lu­gar ge­ra­ções an­tes das que es­tão ago­ra a so­frer as con­sequên­ci­as. Um dos epi­só­di­os mais trá­gi­cos acon­te­ceu quan­do o lí­der do Fre­e­dom The­a­ter, Ju­li­a­no Mer-Kha­mis, com quem es­ta­va a tra­ba­lhar na Pa­les­ti­na, foi as­sas­si­na­do. “Di­as an­tes de acon­te­cer, ti­nha-me di­to que pres­sen­tia que um dia is­so po­dia acon­te­cer”, re­cor­da.

Pau­li­na Al­mei­da nas­ceu em Gui­ma­rães no Ve­rão de 1978. Vi­veu 13 anos na ci­da­de ber­ço, 13 no Por­to e ou­tros 13 em Ber­lim. É na tran­si­ção para a Ale­ma­nha que dá iní­cio a uma sé­rie de vi­a­gens por vá­ri­os paí­ses de di­fe­ren­tes con­ti­nen­tes. Na ci­da­de on­de nas­ceu, ain­da aos seis anos, des­per­ta para o bal­let e para a dan­ça. Já no Por­to, ins­cre­ve-se no cur­so de jo­a­lhe­ria da Es­co­la Se­cun­dá­ria So­a­res dos Reis, on­de foi co­nhe­cen­do ou­tros alu­nos li­ga­dos a di­fe­ren­tes áre­as ar­tís­ti­cas. En­tre 1996 e 1999, lo­go após con­cluir o di­plo­ma, fre­quen­ta o TUP - Te­a­tro Uni­ver­si­tá­rio do Por­to e a ESMAE – Es­co­la Su­pe­ri­or de Mú­si­ca e Ar­tes do Es­pec­tá­cu­lo. Nos três anos se­guin­tes, até 2001, es­pe­ci­a­li­za-se em Te­a­tro de Rua na ACE – Aca­de­mia do Es­pec­tá­cu­lo do Por­to. Nes­sa al­tu­ra já exis­tia a Com­pa­nhia Ka­bong Te­a­tro de Rua, que fun­dou em 1998.

Na Por­to 2001 Ca­pi­tal Eu­ro­peia da Cul­tu­ra in­te­gra a com­pa­nhia ofi­ci­al de Ar­tes de Rua, ano em que tam­bém tra­ba­lha com as com­pa­nhi­as La Fu­ra Dels Baus (Es­pa­nha), Com­pag­nie Ku­mu­lus (Fran­ça) Na­tu­ral The­a­ter Com­pany (Rei­no Uni­do), en­tre ou­tros.

Um ano de­pois, es­ta­va a lec­ci­o­nar a ca­dei­ra de te­a­tro na Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de do Por­to, quan­do é con­vi­da­da a in­te­grar a com­pa­nhia ale­mã Gro­test Ma­ru. É aí que se mu­da para Ber­lim. Na Ale­ma­nha, na res­sa­ca dos aten­ta­dos às Tor­res Gé­me­as e do iní­cio do con­fli­to no Afe­ga­nis­tão, faz um con­tac­to com a RAWA – As­so­ci­a­ção de Mu­lhe­res do Afe­ga­nis­tão e par­te à aven­tu­ra para o Mé­dio Ori­en­te, para lec­ci­o­nar Te­a­tro e Dan­ça no Afe­ga­nis­tão e no Pa­quis­tão, on­de en­ce­nou vá­ri­os es­pec­tá­cu­los.

“Ti­nha 22 anos. Não fa­zia ideia da re­a­li­da­de que ia en­con­trar”, re­cor­da. Lá, en­con­trou um mun­do mui­to di­fe­ren­te do que co­nhe­cia. Ain­da no Por­to ti­nha um pro­jec­to di­rec­ci­o­na­do para mu­lhe­res. O tra­ba­lho que de­sen­vol­veu com aque­le gru­po fê-la per­ce­ber que há lu­tas mui­to di­fe­ren­tes in­trin­se­ca­men­te li­ga­das à ge­o­gra­fia. “Não é fá­cil ex­pli­car a alguém que não co­nhe­ce ou­tra re­a­li­da­de que po­dem es­co­lher o ho­mem com quem que­rem ca­sar”, afir­ma. O con­tri­bu­to que ti­nha para dar era apre­sen­tar-lhes “pos­si­bi­li­da­des e pers­pec­ti­vas di­fe­ren­tes” atra­vés das ar­tes do es­pec­tá­cu­lo. Quan­do lá es­te­ve nu­ma ba­se re­gu­lar ti­nha que mu­dar de ca­sa para pre­ser­var o ano­ni­ma­to da RAWA. Con­ta que no dia se­guin­te após ter da­do uma en­tre­vis­ta a um jor­nal pa­quis­ta­nês, o sí­tio on­de vi­via na al­tu­ra, um hos­pi­tal, foi ata­ca­do a ti­ro. “Não me pa­re­ce que te­nha si­do coin­ci­dên­cia”, diz.

Quan­do vol­tou a Ber­lim não era a mes­ma pes­soa. “Nu­ma pra­ça de Ber­lim ha­via uma ma­ni­fes­ta­ção con­tra a guer­ra. Não que­ro des­va­lo­ri­zar o acon­te­ci­men­to, mas sen­ti que que­ria es­tar no cen­tro de ac­ção dos con­fli­tos”, afir­ma.

A par­tir daí es­te­ve em vá­ri­as zo­nas do Ma­greb, no Se­ne­gal, na Chi­na, nos Es­ta­dos Uni­dos, Ca­na­dá, Mé­xi­co e em mui­tos ou­tros paí­ses. Le­va as ar­tes de rua a vá­ri­os zo­nas de con­fli­to que “nem sem­pre pas­sam por ce­ná­ri­os de guer­ra”. Os re­sul­ta­dos prá­ti­cos das in­ter­ven­ções ar­tís­ti­cas que le­va a ca­bo, para a per­for­mer, não são fá­ceis de des­cre­ver. Re­cor­da as palavras de um lí­der de uma tri­bo afe­gã que um dia lhe dis­se: “Pau­li­na, tu es­tás a ali­men­tar a al­ma”. “Tal­vez se­ja is­so que es­te ti­po de in­ter­ven­ções faz”, afir­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.