Um acon­che­go de lã e his­tó­ria para ver o Ou­to­no che­gar à ser­ra da Es­tre­la

Publico - Fugas - - PURALÃ – WOOL VALLEY HOTEL & SPA -

So­bre a mar­que­sa es­tão à nos­sa es­pe­ra uma man­ta do­bra­da e dois pom­pons fei­tos de fi­nos fi­os de lã. Che­gá­mos atra­sa­dos ao Pu­ra­lã – Wo­ol Val­ley Ho­tel & Spa, si­tu­a­do à en­tra­da da Co­vi­lhã, e por is­so sal­ta­mos o pro­gra­ma di­rec­ta­men­te para o Ri­tu­al da Lã, um tra­ta­men­to ex­clu­si­vo do spa do ho­tel. Pri­mei­ro, o cor­po é co­ber­to por uma pas­ta de chá ver­de de Ida­nha, com ale­crim e es­te­va da re­gião, que vai aju­dar “a de­sin­to­xi­ca­ção do or­ga­nis­mo”, ex­pli­ca a te­ra­peu­ta Cláu­dia. Fi­ca­mos as­sim du­ran­te 15 mi­nu­tos, en­vol­tos em len­çóis de plás­ti­co co­ber­tos pe­la man­ta qu­en­te fei­ta de lã. De­pois, se­gue-se uma mas­sa­gem de cor­po in­tei­ro, em que o óleo qu­en­te à ba­se de azei­te vir­gem ex­tra da Bei­ra Bai­xa e ex­trac­tos na­tu­rais de es­sên­cia de três la­van­das, que “cres­cem em di­fe­ren­tes al­ti­tu­des aqui na zo­na”, são es­pa­lha­dos pe­lo cor­po com os pom­pons de lã. Ne­nhum por­me­nor foi dei­xa­do ao aca­so e to­dos eles acres­cen­tam um fio à me­a­da com que se co­se o no­vo ho­tel.

No ano pas­sa­do, o an­ti­go Ho­tel Tu­ris­mo da Co­vi­lhã foi com­ple­ta­men­te re­no­va­do, num in­ves­ti­men­to que ron­dou um mi­lhão e meio de eu­ros, para re­nas­cer com no­vo no­me e con­cei­to. De­pois de seis me­ses em re­gi­me de soft ope­ning, o Pu­ra­lã – Wo­ol Val­ley Ho­tel & Spa foi rei­nau­gu­ra­do ofi­ci­al­men­te em Ju­nho des­te ano. A es­tru­tu­ra ar­qui­tec­tó­ni­ca man­tém-se, mas tu­do o res­to es­tá di­fe­ren­te. An­tes po­dia es­tar lo­ca­li­za­do em qual­quer par­te do mun­do. Ago­ra con­ta “uma his­tó­ria” que só aqui fa­zia sen­ti­do ser nar­ra­da: a da ci­da­de que gal­ga a en­cos­ta da ser­ra da Es­tre­la e da in­dús­tria dos la­ni­fí­ci­os que a ela sem­pre es­te­ve li­ga­da.

“Os ho­téis têm de es­pe­lhar a ci­da­de em que se en­con­tram”, de­fen­de Vas­co Pi­nho, de­sig­ner e de­co­ra­dor de in­te­ri­o­res res­pon­sá­vel pe­la trans­for­ma­ção. Para o fi­lho da ter­ra, que já ti­nha co­la­bo­ra­do an­te­ri­or­men­te com o gru­po Na­tu­ra IMB Ho­tels (pro­pri­e­tá­rio do Pu­ra­lã e de ou­tros cin­co ho­téis na re­gião), o pas­sa­do foi sen­do “des­va­lo­ri­za­do” ao lon­go dos anos e “não ha­via na­da que ho­me­na­ge­as­se a ver­da­dei­ra tra­di­ção” da Co­vi­lhã no ra­mo ho­te­lei­ro da ci­da­de. Era es­se o ca­mi­nho. E a lã o fio ide­al para te­cer o no­vo ca­pí­tu­lo de uma uni­da­de ho­te­lei­ra com mais de vin­te anos. Além de es­tar as­so­ci­a­da à ideia de “con­for­to” e in­ti­ma­men­te li­ga­da à his­tó­ria da ci­da­de, é ma­té­ria-pri­ma do ne­gó­cio fa­mi­li­ar dos pro­pri­e­tá- ri­os do gru­po ho­te­lei­ro, do­nos de uma fá­bri­ca têx­til de la­ni­fí­ci­os e das lo­jas de no­ve­los e me­a­das Tri­cots Bran­cal.

To­do o ho­tel é, por is­so, uma “ho­me­na­gem à lã”. À en­tra­da, a fa­cha­da re­pre­sen­ta um te­ar: os no­ve­los so­bem a pa­re­de para pas­sar pe­la es­tru­tu­ra de ma­dei­ra, já no ex­te­ri­or, e ema­ra­nha­rem-se nu­ma ma­lha de rec­tân­gu­los en­tre as ja­ne­las dos quar­tos. Na ala que reú­ne bar, res­tau­ran­te e sa­las de es­tar, um mu­ral as­si­na­do por Fá­ti­ma Pe­rei­ra Ni­na re­tra­ta o im­pac­to da in­dús­tria têx­til na Co­vi­lhã, du­ran­te sé­cu­los prin­ci­pal mo­tor eco­nó­mi­co, so­ci­al e cul­tu­ral da ci­da­de. “Se os fi­lhos de Adão pe­ca­ram, os da Co­vi­lhã sem­pre car­da­ram”, lê-se num dos pai­néis. Em ca­da re­can­to, há abat-jours ou al­mo­fa­das fei­tas de ma­lha. Nos quar­tos, um tron­co de ma­dei­ra der­ra­ma fi­os de lã so­bre a ca­ma. Aqui e ali, ob­jec­tos res­ga­ta­dos às an­ti­gas fá­bri­cas da ci­da­de trans­por­tam-nos para a épo­ca áu­rea dos la­ni­fí­ci­os. “No res­tau­ran­te, por exem­plo, es­tão mó­veis de arquivo re­cu­pe­ra­dos”, apon­ta Vas­co Pi­nho. “Jun­to à re­cep­ção te­mos um an­ti­go [apa­re­lho de] pi­car o pon­to”, acres­cen­ta Luís Vei­ga, ad­mi­nis­tra­dor exe­cu­ti­vo do gru­po ho­te­lei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.