Vi­a­jar pe­las me­mó­ri­as que o país dei­xou ao aban­do­no

Publico - Fugas - - LIVROS - Ti­a­go Ra­ma­lho

Avi­so pré­vio: a au­to­ra des­te li­vro vi­ve en­tre len­das, mis­té­ri­os e lu­ga­res nos quais, à par­ti­da, não en­trá­va­mos fa­cil­men­te. Lu­ga­res Aban­do­na­dos de Por­tu­gal reú­ne em li­vro mui­tos dos lu­ga­res pe­los quais pas­sa­mos e nem li­ga­mos. Pa­re­ce ser con­tra es­se des­co­nhe­ci­men­to fa­ce às his­tó­ri­as que fi­ca­ram por con­tar que Va­nes­sa Fi­dal­go ba­ta­lha ao lon­go do li­vro. São 46 vi­a­gens en­tre ca­sas, pa­lá­ci­os, es­ta­ções de com­boi­os e até con­ven­tos que se per­de­ram no tem­po ou es­con­dem me­mó­ri­as me­nos re­cor­da­das.

Va­nes­sa Fi­dal­go, jor­na­lis­ta do Cor­reio da Ma­nhã des­de 1997, pu­bli­ca o seu quin­to li­vro, mas há uma mu­dan­ça em re­la­ção aos an­te­ri­o­res. Dis­pen­sou-se o ocul­to, as as­som­bra­ções e a ma­gia, para se dar lu­gar a um mai­or des­ta­que a es­tas pe­que­nas his­tó­ri­as que vi­vem no pas­sa­do, en­tre lo­cais mí­ti­cos, co­mo o for­te de San­to An­tó­nio da Bar­ra, on­de Sa­la­zar caiu da ca­dei­ra, e mal­di­ções, co­mo a que Do­na Chi­ca lan­çou so­bre o seu pró­prio pa­lá­cio.

O Pa­lá­cio de Do­na Chi­ca, na fre­gue­sia bra­ca­ren­se de Pal­mei­ra, de­se­nha a ca­pa dos Lu­ga­res Aban­do­na­dos de Por­tu­gal, um li­vro que pe­ga em qua­se cin­quen­ta es­pa­ços es­que­ci­dos de Nor­te a Sul do país, com a pro­pos­ta de des­ven­dar as his­tó­ri­as que só se con­tam en­tre quem co­nhe­ce es­tes sí­ti­os.

A aber­tu­ra do li­vro é bem in­di­ca- cer­ca de cem anos, gran­de par­te da po­pu­la­ção”. Às me­mó­ri­as (mui­tas de­las tris­tes) fal­ta jun­tar um in­gre­di­en­te mar­can­te da obra já pu­bli­ca­da da au­to­ra: a len­da e o mis­té­rio. E não, Ban­ze­res não se es­ca­pa às ‘his­tó­ri­as do ar­co da ve­lha’, com por­tas que se abrem e fe­cham para pro­te­ger os seus. Mas, co­mo es­cre­ve Va­nes­sa Fi­dal­go: “En­fim, len­das de um po­vo com al­ma de po­e­ta!”.

O li­vro cons­trói-se em tor­no de me­mó­ri­as, mas tam­bém da au­sên­cia, quer de mo­vi­men­to, quer dos sons que mar­ca­vam as pai­sa­gens que a es­cri­to­ra vi­si­tou. “A cul­pa foi do pro­gres­so. Pa­re­ce uma fra­se tí­pi­ca dos ‘ve­lhos do Res­te­lo’, mas nes­te ca­so é a re­a­li­da­de das de­ze­nas de es­ta­ções de ca­mi­nhos-de-fer­ro aban­do­na­das que ho­je se en­con­tram dis­per­sas pe­lo país. Por ali, a es­pe­ra tor­nou-se eter­na”, lê-se en­tre as mais de du­zen­tas pá­gi­nas que se en­chem tam­bém da so­li­dão a que se con­fi­na­ram es­pa­ços que já fo­ram lo­cais vi­vi­dos e chei­os de vi­da.

A au­to­ra por­tu­gue­sa não dei­xou de lado o mis­té­rio e as len­das nes­te no­vo li­vro, ofe­re­cen­do-lhe, no en­tan­to, uma es­pé­cie de guia para des­co­bri­do­res in­sa­ciá­veis, que pro­cu­ram con­tos de so­li­dão, amor e de­sa­mor, ou sim­ples­men­te me­mó­ri­as des­tes lu­ga­res aban­do­na­dos. Es­ta é uma boa opor­tu­ni­da­de para en­trar nu­ma ca­sa aban­do­na­da, afi­nal nes­tas pá­gi­nas não há o ris­co de ser amal­di­ço­a­do. Tex­to edi­ta­do por San­dra Sil­va Cos­ta

Por­to D’ Hon­ra Ma­nu­el de Sou­sa

Es­fe­ra dos Li­vros

18,90€

Lisboa Des­co­nhe­ci­da e In­só­li­ta Aní­sio Fran­co Por­to Edi­to­ra 18,80€

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.