Ain­da não so­mos um país de gran­des vi­nhos bran­cos

Publico - Fugas - - VINHOS - Pe­dro Gar­ci­as

Mar­cos La­goa, pre­si­den­te da Re­siquí­mi­ca, em­pre­sa por­tu­gue­sa que pro­duz e co­mer­ci­a­li­za po­lí­me­ros des­ti­na­dos às in­dús­tri­as de tin­tas e ver­ni­zes, é um enó­fi­lo mi­li­tan­te e ge­ne­ro­so. Pos­sui uma gran­de co­lec­ção de vi­nhos e gos­ta de fa­zer jan­ta­res com pro­vas às ce­gas. Os con­vi­da­dos só têm a cer­te­za de que vão pro­var gran­des vi­nhos, mas des­co­nhe­cem os no­mes e as re­giões de ori­gem.

Há uns anos, Mar­cos La­goa pro­vou o bran­co Gouvyas 2007, do Dou­ro, e gos­tou tan­to do vi­nho que de­ci­diu na­que­le ins­tan­te pro­gra­mar para 2017 um jan­tar só com gran­des bran­cos des­sa co­lhei­ta. Vi­nhos com dez anos, por­tan­to. A pro­va, me­mo­rá­vel e har­mo­ni­za­da com be­lís­si­mos pra­tos cri­a­dos pe­lo chef João Sá, acon­te­ceu no pas­sa­do do­min­go à noi­te em Oei­ras e jun­tou du­as de­ze­nas de ami­gos e con­vi­da­dos.

Os vi­nhos fo­ram ser­vi­dos em pe­que­nas sé­ri­es de dois e de três co­pos. Em 22 vi­nhos, só um de­les es­ta­va con­ta­mi­na­do com TCA (abre­vi­a­ção da subs­tân­cia quí­mi­ca 2,4,6- Tri­clo­ro­a­ni­so­le, que pro­vo­ca o cha­ma­do chei­ro e gos­to a ro­lha, se­me­lhan­te a mo­fo), por tris­te iro­nia, o vi­nho que ha­via ins­pi­ra­do o jan­tar, o Gouvyas, pro­du­zi­do des­de 1996 por João Ro­sei­ra e Luís So­a­res Du­ar­te. É nes­tas al­tu­ras que vi­nha a ca­lhar ter alguém da in­dús­tria das ro­lhas por per­to para po­der­mos des­pe­jar to­da a nos­sa ira. Ima­gi­nem se era uma gar­ra­fa de Ro­ma­née-Con­ti?

Se os in­dus­tri­ais das ro­lhas sou­bes­sem a quan­ti­da­de de des­gos­tos que pro­vo­cam to­dos os di­as, fu­gi­am de ver­go­nha.

Uma ro­lha com TCA em 22 vi­nhos nem pa­re­ce ser na­da de ex­tra­or­di­ná­rio: é “só” cer­ca de 5%. Mas 5% de pro­ble­mas num pro­du­to ali­men­tar co­mo o vi­nho não é pou­co, é mui­to. Bas­ta para des­truir um jan­tar e cau­sar gran­des pre­juí­zos na ima­gem de um vi­nho. Não por ter TCA, por­que po­de acon­te­cer a qual­quer um, mas por­que o vi­nho atin­gi­do per­de o seu mo­men­to, e o vi­nho é o mo­men­to, ain­da mais, co­mo foi o ca­so, quan­do em con­fron­to es­tão vi­nhos de clas­se mun­di­al. Ora, é tam­bém nes­tes con­fron­tos que se for­ja a re­pu­ta­ção de um vi­nho. Co­mo não ha­via uma se­gun­da gar­ra­fa de Gouvyas, es­te bran­co per­deu o seu mo­men­to.

Já aqui es­cre­ve­mos que, ape­sar dos mui­tos in­ves­ti­men­tos e avan­ços que fo­ram fei­tos pe­la in­dús­tria das ro­lhas de cor­ti­ça na­tu­ral, o pro­ble­ma do TCA nos vi­nhos con­ti­nua a ser uma tra­gé­dia. Al­gu­mas em­pre­sas já pos­su­em tec­no­lo­gia de des­pis­te do TCA, só que ain­da não o fa­zem a uma es­ca­la in­dus­tri­al. Quan­do se jul­ga­va que o pro­ble­ma era ca­da vez mais re­si­du­al, a ex­pe­ri­ên­cia do dia-a-dia tem­nos vin­do a mos­trar que não é bem as­sim. Por mais que os em­pre­sá­ri­os do sec­tor in­sis­tam em tra­çar um qua­dro cor-de­ro­sa, a con­ta­mi­na­ção dos vi­nhos de­vi­do a pro­ble­mas nas ro­lhas con­ti­nua a ser um pro­ble­ma sé­rio em Por­tu­gal. E o mais gra­ve é que o pro­ble­ma in­ci­de, es­pe­ci­al­men­te, so­bre as ro­lhas mais ca­ras, por­que es­tas, ao con­trá­rio do que acon­te­ce com as mais ba­ra­tas, não po­dem ser su­jei­tas a tra­ta­men­tos de cho­que, sob pe­na de se de­for­ma­rem.

Por is­so, te­mos mes­mo que in­vo­car to­dos os san­ti­nhos quan­do va­mos abrir uma gar­ra­fa es­pe­ci­al. É um mo­men­to de fé que de­ve­mos ha­bi­tu­ar-nos a in­tro­du­zir na li­tur­gia do vi­nho. Não para a en­ri­que­cer, mas co­mo um sa­cri­fí­cio que so­mos obri­ga­dos a fa­zer. Por­que, mes­mo com to­dos os pro­ble­mas, a ro­lha de cor­ti­ça con­ti­nua a ser o me­lhor ve­dan­te para vi­nhos. Em es­pe­ci­al, para os vi­nhos com uma lon­ga vi­da pe­la fren­te, aque­les que po­dem as­pi­rar a ser con­si­de­ra­dos “gran­des”. Um vi­nho que nas­ça per­fei­to e se des­va­ne­ça ao fim de dois ou três anos nun­ca po­de­rá ser um gran­de vi­nho. Os me­lho­res

Se os in­dus­tri­ais das ro­lhas sou­bes­sem a quan­ti­da­de de des­gos­tos que pro­vo­cam to­dos os di­as, fu­gi­am de ver­go­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.