Luís Oc­tá­vio Cos­ta

Publico - Fugas - - CHÁ DAS CINCO -

Há 15 anos que a se­nho­ra Te­re­sa tem um can­ti­nho na pra­ça tri­an­gu­lar. O seu pe­da­ço de cal­ça­da por­tu­gue­sa es­tá co­ber­to por le­gu­mes re­lu­zen­tes, fru­ta bo­ni­ta e feia, na­bos e mo­lhos de er­vas — e uma ba­lan­ça de fer­ro fun­di­do. É a úni­ca hor­ta­li­cei­ra da Pra­ça da Ale­gria. “Éra­mos no­ve... dez com a das ba­tas”, re­cor­da à Fu­gas. “De­sa­pa­re­ceu tu­do da­qui”, la­men­ta. Apa­re­ceu o Chá das Cin­co. “Dá mui­ta vi­da à pra­ça.”

A an­ti­ga pa­pe­la­ria do nú­me­ro 63 es­ta­va “mes­mo aban­do­na­da de to­do”, um pou­co à ima­gem da pra­ça en­tre São Lá­za­ro e as Fon­tai­nhas que já te­ve “pes­so­as co­mo for­mi­gas” e que nos úl­ti­mos anos pra­ti­ca­men­te só vê des­fi­lar pro­mes­sas à ve­lo­ci­da­de das ar­ru­a­das. Fo­ram-se as ban­cas de fru­tas e de le­gu­mes. Foi-se a Van­do­ma. Fi­cou a se­nho­ra Te­re­sa, hor­ta­li­cei­ra que che­gou à pra­ça “às seis me­nos um qu­ar­to” e que sor­ri quan­do se fa­la dos vi­zi­nhos no­vos.

So­fia e Hu­go pas­sam aqui os seus di­as. “Ti­nha que ser con­for­tá­vel, ti­nha que ter a nos­sa ca­ra”, apre­sen­ta à Fu­gas a pas­te­lei­ra e do­cei­ra ro­de­a­da de sco­nes, bo­la­chas com pe­pi­tas de cho­co­la­te (co­brem a pal­ma de qual­quer mão), do­nuts fei­tos no for­no, cup­ca­kes red vel­vet e pão de ba­na­na (a ex­pe­ri­men­tar li­gei­ra­men­te tor­ra­do). Com o blo­gue Chá das Cin­co a com­ple­tar três anos, So­fia Le­mos da Cos­ta que­ria ter “uma co­zi­nha co­mo de­ve ser para ex­plo­rar ao má­xi­mo”, um es­pa­ço on­de pu­des­se “fa­zer ex­pe­ri­ên­ci­as” e “brin­car à von­ta­de”. “Que­ria um bal­cão enor­me só para mim”, diz. Par­ti­lha-o — di­vi­são qua­se sa­lo­mó­ni­ca — com os chás e os ca­fés (e as ma­qui­ne­tas) de Hu­go Fer­raz, ba­ris­ta cer­ti­fi­ca­do pe­la SCA (Spe­ci­a­lity Cof­fee As­so­ci­a­ti­on). “Não sa­bia que ha­via to­do um ou­tro mun­do”, as­su­me Hu­go, re­fe­rin­do-se à sua pon­ta do bal­cão. Nes­ta ca­fe­ta­ria-con­fei­ta­ria (é as­sim que apre­sen­tam o es­pa­ço, on­que de mi­mam o ca­fé de es­pe­ci­a­li­da­de, os chás fi­nos e a pas­te­la­ria ar­te­sa­nal), “a man­tei­ga é mes­mo man­tei­ga, o cho­co­la­te é mes­mo cho­co­la­te, o ca­fé é mes­mo ca­fé” — e sem açú­car. Há bo­los lá den­tro, bo­los para fo­ra, bo­los à fa­tia e ain­da uma tos­ta “su­per­gu­lo­sa” (cha­ma-se Chunky Mon­key e le­va man­tei­ga de amen­doim, ba­na­na e pe­pi­tas de cho­co­la­te).

Ela é lis­bo­e­ta — ia em fa­mí­lia à Ca­sa de Chá de San­ta Isa­bel, as an­ti­gas “Vi­cen­ti­nas” — e fez mes­tra­do na Fa­cul­da­de de Be­las Ar­tes, no Por­to. Ele nas­ceu em Ma­to­si­nhos, foi cri­a­do em São Ma­me­de de In­fes­ta e mu­dou­se para o Por­to há cer­ca de 15 anos nu­ma al­tu­ra em que “só gen­te lou­ca se mu­da­va para o Por­to”. Vi­vem nu­ma ca­sa com vis­ta de rio. E que­ri­am tra­ba­lhar na sua zo­na de con­for­to, se­guin­do os en­si­na­men­tos do “gu­ru” Danny Meyer, se­gun­do o qual pro­xi­mi­da­de sig­ni­fi­ca qua­li­da­de de vi­da. “Per­ce­be­mos que era pre­fe­rí­vel es­tar­mos per­to de nos­sa ca­sa e ab­di­car­mos de al­gum tu­ris­mo”, jus­ti­fi­ca Hu­go, que deu uma vol­ta ao mun­do até vol­tar a ba­ter à por­ta da pri­mei­ra lo­ja que os atraí­ra, pa­re­des mei­as com o Bar­bas Shop, o ou­tro ob­jec­to vo­a­dor não iden­ti­fi­ca­do des­ta pra­ça, que ga­nha mais vi­da nas ho­ras de re­creio da Es­co­la Bá­si­ca da Ale­gria. “A vi­da des­ta pra­ça é um pou­co tris­te”, cons­ta­ta Hu­go. “Há 15 anos es­ta­va cheia de gen­te e ago­ra é só uma se­nho­ra que ven­de fru­ta e le­gu­mes.”

No pas­seio de uma das ares­tas do tri­ân­gu­lo já há uma pe­que­na es­pla­na­da do ate­li­er (tam­bém tra­tam o es­pa­ço por ate­li­er) on­de as pes­so­as não se im­por­tam de es­pe­rar seis mi­nu­tos por uma in­fu­são (nu­ma cer­ta noi­te de Na­tal fi­ca­ram com o na­riz co­la­do ao vi­dro de uma “ma­ra­vi­lho­sa lo­ja de chá”, a Com­pa­nhia Por­tu­gue­za do Chá, ago­ra res­pon­sá­vel pe­los chás da lis­ta) ou o tem­po cer­to por um blend Chá das Cin­co tor­ra­do pe­la Lu­so Cof­fee Ro­as­ters (100% ará­bi­ca com ca­fés de es­pe­ci­a­li­da­de da Etió­pia, Colôm­bia e Ni­ca­rá­gua nu­ma com­bi­na­ção com aro­mas a jas­mim, amên­doa, li­mão e ca­ra­me­lo). “Num sí­tio mais mo­vi­men­ta­do as pes­so­as não iam per­ce­ber a es­pe­ra. Que­re­mos que as pes­so­as per­ce­bam que é para es­tar e para fi­car”, diz o ba­ris­ta, vai apon­tan­do três tos­tas/tor­ra­das de “mai­or sus­ten­to” ser­vi­das com rú­cu­la: de aba­ca­te (com se­men­tes de sé­sa­mo e pi­ri­pí­ri); Marghe­ri­ta (com moz­za­rel­la, to­ma­te e man­je­ri­cão); de mel e no­zes (com quei­jo de ca­bra, mel e no­zes).

So­fia quer en­cher a sua par­te do bal­cão — e uma par­te da ou­tra — de re­fe­rên­ci­as que trou­xe dos EUA, on­de vi­veu quan­do ti­nha 16 anos. “Pas­sei um ano em Du­mas, a nor­te de Ama­ril­lo, um sí­tio per­di­do no meio do na­da com uma fa­mí­lia ame­ri­ca­na. À fil­me. As pes­so­as cri­am as va­cas em ca­sa, an­dam de bo­tas e de cha­péu de cow­boy. Foi a ver­da­dei­ra ex­pe­ri­ên­cia ame­ri­ca­na, com che­er­le­a­ders e tu­do”, re­cor­da So­fia, que já acom­pa­nha­ra o pai, fun­ci­o­ná­rio da TAP, nou­tras vi­a­gens aos Es­ta­dos Uni­dos, on­de am­bos se vi­ci­a­ram no che­e­se ca­ke ame­ri­ca­no com “mon­tes de quei­jo e co­zi­nha­do no for­no ao con­trá­rio do nos­so che­e­se fa­ke”, nas “pan­que­cas a sé­rio, al­tas co­mo nos fil­mes” e nos cin­na­mon rolls. “Trou­xe um bo­ca­di­nho dis­so”, diz a pas­te­lei­ra. “Os por­tu­gue­ses gos­tam mui­to de co­mer, mas os ame­ri­ca­nos... ou­tra­ge­ous. Tu­do é over the top com imen­sos ex­tras. Para eles é nor­mal co­mer coi­sas gi­gan­tes de se­gun­da a sex­ta. Po­dem be­ber um ba­ti­do lo­go de ma­nhã, e es­ta­mos a fa­lar de um ba­ti­do que não é o nos­so ba­ti­do de lei­te e fru­ta, é um ba­ti­do com ge­la­do com chan­tilly e coi­sas por ci­ma. É ou­tro mun­do. Vi­vi den­tro de um fil­me.” Bre­ve­men­te num Chá das Cin­co per­to de si — as­sim co­mo uma tar­te de abó­bo­ra ame­ri­ca­na e uma ver­são do pump­kin spi­ce lat­te.

O Chá das Cin­co abriu no dia 18 de Agos­to e tra­ta to­das as pes­so­as por tu — na lis­ta tam­bém. “Vê na nos­sa mon­tra o que te­mos ho­je!”. “Já não con­se­gues mais? Le­va para ca­sa!” O Chá das Cin­co fe­cha à se­gun­da e ter­ça. E fe­cha du­ran­te to­do o pró­xi­mo mês de Ja­nei­ro. Es­tá a che­gar mais uma vi­da à Pra­ça. Já tem no­me. Ben­ja­mim.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.