Em ca­sa do fer­rei­ro, à vol­ta da for­ja

Publico - Fugas - - BRAGANÇA -

O sol co­me­ça a des­cer e o ho­ri­zon­te tor­na-se dou­ra­do en­quan­to per­cor­re­mos a be­lís­si­ma es­tra­da en­tre Bra­gan­ça e Ave­le­da. O en­con­tro com Gil­ber­to Fer­rei­ra acon­te­ce ao fi­nal da tar­de por­que é a al­tu­ra em que ele vol­ta a ca­sa, e à sua ofi­ci­na de fer­rei­ro, pa­ra tra­ba­lhar até à meia-noi­te.

Ain­da não con­se­gue vi­ver só da cu­te­la­ria, mas en­co­men­das não lhe fal­tam. “No iní­cio, há uns dez, on­ze anos, foi o gos­to pe­las na­va­lhas”, con­ta o fer­rei­ro de 35 anos. “Co­me­cei a fa­zê-las com o ca­bo de has­te de ve­a­do, que há mui­to por aqui.” Não vem de uma fa­mí­lia de fer­rei­ros, em­bo­ra o pai ti­ves­se tra­ba­lha­do nu­ma fá­bri­ca de ro­la­men­tos na Ale­ma­nha e já sou­bes­se tem­pe­rar o aço. Es­sa é, aliás, diz Gil­ber­to, a par­te mais com­pli­ca­da. “É a ci­ên­cia de uma na­va­lha.”

Pri­mei­ro tem­pe­ra-se pa­ra en­du­re­cer o aço, de­pois faz-se o re­ve­ni­men­to, “pa­ra ali­vi­ar a ten­são”. Gil­ber­to tem­pe­ra o seu aço so­bre car­vão, “o que nin­guém em Por­tu­gal faz pa­ra cu­te­la­ria”, por­que acre­di­ta que lhe dá uma mai­or du­re­za. Li­ga a for­ja pa­ra nos mos­trar. “Só tra­ba­lho com aço car­bo­no e por ve­zes com da­mas­co, que ago­ra es­tá na mo­da, mas é mui­to mais ca­ro.”

No da­mas­co usam-se vá­ri­as lâ­mi­nas so­bre­pos­tas (Gil­ber­to co­me­ça com dez, que vai es­ti­can­do e do­bran­do, “po­de che­gar a ter mil ca­ma­das, é co­mo a mas­sa fo­lha­da”, diz) o que dá um efei­to mais bo­ni­to na lâ­mi­na fi­nal da fa­ca que, co­mo le­va aço for­te em car­bo­no e ou­tro for­te em ní­quel, tem mai­or fle­xi­bi­li­da­de. “An­ti­ga­men­te fa­zia-se por ne­ces­si­da­de, por­que ha­via fal­ta de aço car­bo­no, ho­je faz-se mais pe­la be­le­za.”

Apren­deu mui­to com ou­tros co­le­gas de pro­fis­são, ti­ran­do dú­vi­das na In­ter­net e, so­bre­tu­do, ex­pe­ri­men­tan­do. “Es­tra­guei mui­to ma­te­ri­al pa­ra che­gar a es­te pon­to.” Mas es­te é um ofí­cio ca­da vez mais pro­cu­ra­do por jo­vens — e por cli­en­tes. “Nos úl­ti­mos anos tem ha­vi­do uma evo­lu­ção bas­tan­te gran­de.” Mos­tra-nos uma fa­ca de co­zi­nhei­ro em que es­tá a tra­ba­lhar. “Quan­do se usa a for­ja fi­ca com ou­tra qua­li­da­de do que a do pro­du­to de fá­bri­ca”, as­se­gu­ra.

Gil­ber­to tem­pe­ra o seu aço so­bre car­vão, “o que nin­guém em Por­tu­gal faz pa­ra cu­te­la­ria”, por­que acre­di­ta que lhe dá uma mai­or du­re­za

“Quan­do o aço sai da for­ja tra­ba­lha­se co­mo ma­dei­ra.” É pre­ci­so mar­te­lar até a lâ­mi­na “fi­car di­rei­ti­nha” e, por fim, agu­çar e des­bas­tar.

Pa­ra os ca­bos, diz que o éba­no é o fa­vo­ri­to dos co­zi­nhei­ros. E se es­tes são bons cli­en­tes, os ca­ça­do­res não lhes fi­cam atrás e nes­tas na­va­lhas a pre­fe­rên­cia vai pa­ra o cor­no de ve­a­do (que os ani­mais vão per­den­do e se en­con­tram mui­to na zo­na). No mos­truá­rio tem fa­cas e na­va­lhas de mui­tos ti­pos e fei­ti­os, des­de a da en­xer­tia, mui­to ha­bi­tu­al em Trás-osMon­tes e que tem a pon­ta qua­dra­da, até à fa­ca de es­fo­la, pa­ra os ani­mais. Os pre­ços po­dem ir dos oi­to eu­ros aos 400 ou 500. Po­de-se en­co­men­dar, com­prar a Gil­ber­to nu­ma fei­ra ou ir vi­si­tá-lo à sua ofi­ci­na, apro­vei­tan­do pa­ra ver o es­pec­tá­cu­lo do pôr­do-sol na es­tra­da pa­ra a Ave­le­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.