Qu­ei­ja­das de cas­ta­nha

Publico - Fugas - - SERNANCELHE -

“As cas­ta­nhas se­rão co­lhi­das nos sou­tos de Ser­nan­ce­lhe an­tes que se sol­tem as chu­vas de­mo­ra­das de No­vem­bro. Des­cas­car-seão amo­ro­sa­men­te sen­ta­das as mu­lhe­res num ban­co de la­rei­ra.”

O pro­ces­so foi des­cri­to pe­lo his­to­ri­a­dor ser­nan­ce­lhen­se Al­ber­to Cor­reia e um ex­cer­to cui­da­do­sa­men­te co­lo­ca­do nas cai­xas de qu­ei­ja­das de cas­ta­nha con­fec­ci­o­na­das na co­zi­nha do Res­tau­ran­te Flo­ra, em Ser­nan­ce­lhe. Di­na Santos não pre­ci­sa de au­xi­li­ar de me­mó­ria pa­ra jun­tar os in­gre­di­en­tes nas do­ses cor­rec­tas. Fer­ve-se a água com li­mão, açú­car, pau de ca­ne­la e vi­nho do Por­to. Às cas­ta­nhas es­fa­re­la­das jun­tam­se as ge­mas e as cla­ras ba­ti­das em cas­te­lo.

“E tem de ha­ver o tem­po cer­to pa­ra ca­da coi­sa acon­te­cer.

E as for­mi­nhas de me­tal guar­da­das no ar­má­rio. E o for­no aque­cen­do em lu­me bran­do. E o mi­la­gre de vê-las a co­zer. E lo­go a fes­ta de uma tra­ves­sa en­ra­ma­da so­bre a me­sa. Ban­de­ja com um pra­to pou­sa­do so­bre li­nho, des­se fi­no, co­mo aque­le que fi­a­va a mi­nha mãe ou em Na­za­ré Nos­sa Se­nho­ra. Água na bo­ca.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.